Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Segunda-feira 30 Novembro |
São Mirocletes
home iconAtualidade
line break icon

Jurassic World: juntos somos mais fortes

Divulgação

Comunidade Shalom - publicado em 17/06/15

Curta o cinema e aprenda a identificar valores nos filmes, à luz da fé

Não dá pra correr dos dinossauros… eles voltaram com tudo! Vinte e dois anos depois do sucesso incrível de Jurassic Park, o novo filme da franquia nos apresenta um novo Parque (que está aberto!!) e veio para ser um dos melhores lançamentos do cinema em 2015.   

Sinopse: O filme se passa nos dias atuais na Ilha Nublar, local onde o Parque dos Dinossauros foi inaugurado, como inicialmente previsto por John Hammond no primeiro filme, Jurassic Park – O Parque dos Dinossauros (1993). Recebendo 10 milhões de visitantes por ano, o parque é completamente seguro e é descrito como algo na linha do Sea World de dinossauros. Mas tudo muda quando um dinossauro geneticamente modificado ameaça o lugar.

Jurassic World já chegou impressionando. Só no final de semana de estreia, o filme faturou mais de 204 milhões de dólares nos EUA, tornando-se o segundo filme que mais faturou em bilheteria num fim de semana de estreia de todos os tempos! A temática dos dinossauros ainda é realmente um fenômeno mundial!

E se, muitas vezes, os números não são capazes de traduzir a qualidade de um filme, no caso de Jurassic World,eles dizem muita coisa. Mesmo não contando com a direção de Steven Spielberg, o filme é marcante pelos ótimos efeitos especiais, um ritmo empolgante e pela imensa nostalgia, especialmente para quem cresceu vendo os filmes da trilogia original passarem repetidamente na TV.

O jovem diretor Colin Trevorrow também conseguiu resgatar muitos elementos de Jurassic Park, que fizeram muitos fãs, durantes os últimos 20 anos, apaixonarem-se pela paleontologia. As questões que envolvem os limites da genética na Ciência, o relacionamento entre homens e animais e a necessidade de unir forças para lutar por um bem maior são traços marcantes do roteiro de Jurassic World.

Além disso, mesmo sendo um filme típico de aventura, o ponto alto do filme é a mensagem moral que ressalta a importância da Família e da unidade como pilares da nossa sociedade.  

A doutora e chefe de operações do Parque, Claire (Bryce Dallas Howard), solteira e acostumada a tomar decisões estritamente pragmáticas, logo percebe que, diante da situação de perigo extremo em que estão seus sobrinhos, é preciso muitas vezes extrair de dentro de si os sentimento mais profundos de afeição e proteção por aqueles que amamos. 

Em homilia proferida na Jornada das Famílias, em 2013, o Papa Francisco nos lembra que, diante das inúmeras atividades do cotidiano, a alegria de estarmos juntos é o que deve sustentar nossa ambiente familiar:

“Queridas famílias, vocês sabem bem: a verdadeira alegria que se desfruta na família não é algo superficial, não vem das coisas, das circunstâncias favoráveis… A alegria verdadeira vem da profunda harmonia entre as pessoas, que todos sentem no coração, e que nos faz sentir a beleza de estar junto, de apoiar-nos uns aos outros no caminho da vida.”

E por falar em estar junto, Owen (Chris Pratt), ex-militar e pesquisador comportamental de Velociraptors, é quem nos ensina a imprescindível necessidade da Unidade. Fazendo um paralelo com os raptors, o personagem afirma que a sobrevivência desses animais, assim como a dos humanos, depende da nossa capacidade de vivermos juntos. No filme, o desenrolar da trama mostra claramente que sem o apoio uns dos outros não é possível vencer o “mal”. São Paulo nos recorda, em epístola aos efésios:

“Façam todo o esforço para conservar a unidade do Espírito pelo vínculo da paz.”  

Por fim, cabe menção honrosa ao garotinho Gray (Ty Simpkins), símbolo de toda uma geração de crianças e adolescentes de 20 anos atrás, deslumbrados com a magia do Parque dos Dinossauros. Se você viveu essa época, é praticamente impossível não se emocionar com a cena inicial em que Gray abre a sacada do Hotel e nos apresenta o Jurassic World, ao som da lendária trilha sonora de John Williams.

Jurassic World é um grande filme, que vai trazer lembranças inesquecíveis aos mais velhos e experiências novas magníficas aos mais jovens. Vale muito a pena e, se possível, veja com seus amigos e/ou familiares, numa sala de cinema 3D e com ótimo som!

Tags:
Cinema
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
READING
Gelsomino Del Guercio
3 regras fundamentais para os leitores da mis...
Aleteia Brasil
Oração do Advento
SANTUÁRIO DE APARECIDA INTERIOR BASÍLICA
Reportagem local
Suposto surto de covid-19 entre padres do San...
Jesús V. Picón
Padre com câncer terminal: perde os olhos, ma...
OLD WOMAN, WRITING
Cerith Gardiner
A carta de uma irlandesa de 107 anos sobre co...
FIRST CENTURY HOUSE AT THE SISTERS OF NAZARETH SITE
John Burger
Arqueólogo diz ter encontrado a casa onde Jes...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia