Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Domingo 09 Maio |
home iconAtualidade
line break icon

A dor do luto

© Public Domain

Pais, Filhos e Escola - publicado em 06/08/15

Aceitar a realidade da morte é o primeiro passo para superar um luto

A gente sente mesmo quando a dor não é nossa.

Sente o aperto e a aflição daqueles que choram pelo seu ente querido.

Pelo vendaval que vem e entra de repente levando aos poucos ou rapidamente alguém querido.

Um amigo, um colega, um familiar ou um conhecido.

Aquele vizinho que víamos passar na rua e nem sabíamos seu nome.

Tudo acontece sem escolher o dia e a hora.

Chega e bate na porta deixando tudo escuro e o coração às lagrimas.

Tentamos entender mesmo querendo não acreditar, parece um pesadelo irreal.

Tudo é confuso, a medicina, o abraço e as palavras dadas para confortar.

Nada é favorável, nem o silencio e nem o grito, nada muda ou refaz o fôlego voltar.

Sentimos como crianças perdidas, com medo, frágeis e queremos colo.

Acolhemo-nos e analisamos tudo e todos e a música fúnebre nos toca.

O corpo sente, vem dor de cabeça, insônia, angústia, depressão e dores da alma.

Tentamos refazer cada segundo e parece que a estrutura acaba ali, o fim é esse.

As flores, tudo preparado para o funeral, e a despedida não são agradáveis e aceitáveis.

Choramos, as coisas ficam sem significado e palavras não mudam nada.

Tudo fica cinza, horrível, a dor será a companhia de meses.

Só Deus e o tempo aliviarão as feridas e aceitação de caminhar sem o outro.

Mas jamais nos permitirá esquecer e apagar os momentos vivenciados.

As controvérsias, as brincadeiras, as atrapalhadas e as lembranças.

Momentos insignificantes que valeram a pena, simples dias de estar ao lado apenas.

Sentiremos tanta falta dos momentos lembrados, aniversários, festas e fotos, mesmo depois de anos.

Uma saudade que de tanto doer trará o choro.

Mas a vida continuará e caminharemos com a eterna parte do outro.

Aquilo que nos ensinou e nos direcionou, e o que vivemos juntos.

As trocas, o amor, o presente, o sorriso, a dor, a fantasia, a mentira em meio às verdades.

E tudo que ficará será uma saudade amenizada e confortada por Deus.

Uma vida para relatar em seus instantes em meio à vida que por nós passou.

Com suas manias e jeito de ser único e insubstituível que se foi e sempre terá sua parte conosco.

Tudo sempre será lembrado e recordado, mas nunca será o final que quisemos.

Mas a aceitação do tempo que marcou a partida e levou quem amamos.

Que nos apunhalou e escolheu chegar e roubar o que jamais daríamos.

Não quis nada em troca e apenas levou num piscar de olhos.

Parece ter levado por completo a voz, a frescura, os beijos e jeito que não veremos nunca mais.

Para sempre será um carimbo escrito dentro de nós fazendo falta.

Uma necessidade de ter e não poder, querer e não ser ouvido e atendido.

O dia passará e com a noite a dor diminuirá e às vezes um sino tocará para perturbar.

Mas continuaremos de pé a fazer o que o outro faria por nós.

Continuar e recomeçar, pois nem os nossos sonhos são tão importante como o outro que nos envolveu.

Caminhar sem rumo e tocar a vida sem ter a presença do outro.

Despedir-se aos poucos e aceitar que o fim vem do mesmo modo que iniciou, do nada.

No silêncio do enterro, lágrimas, soluço, dor como a dor de parto, mas no coração.

Ao descer pó se transformará e ali ficará tudo, sem nada levar consigo.

E assim encerrará sua jornada e nos deixará com o sentimento de perda e recordações.

E tudo para sempre será guardado como em um baú, no consciente, inconsciente e pré-consciente, tesouros imensuráveis de uma vida vivida plenamente!

Tags:
LutoMorte
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
1
Bebê anjo
Reportagem local
“Tchau, papai”: as últimas palavras que Maurício ouvi...
2
Sangue de São Januário ou San Gennaro
Francisco Vêneto
Milagre do sangue de São Januário volta a ocorrer em Nápoles
3
Monsenhor Jonas Abib, fundador da Canção Nova
Reportagem local
Fundador da Canção Nova, monsenhor Jonas Abib é diagnosticado com...
4
ARGENTINA
Esteban Pittaro
Polícia interrompe missa de Primeira Comunhão ao ar livre
5
CANDLELIGHT PROCESSION AND ROSARY
Elizabeth Zuranski
A oração escondida no fim da Ave-Maria
6
ELDERLY,WOMAN,ALONE
Aleteia Brasil
O pe. Zezinho e a mãe que espera há 30 anos, sem sucesso, pelo pe...
7
Sangue de São Januário ou San Gennaro
J-P Mauro
Vídeo mostra a última liquefação do sangue de São Januário
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia