Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Uma criança comove o sínodo: o menino que dividiu a hóstia com seu pai, que é divorciado recasado

Manoj Damodaran-CC
Criança rezando
Compartilhar

Relato feito por um bispo evoca o sofrimento dos católicos em situações irregulares que os impedem de receber sacramentos

O papa Francisco e os 270 padres sinodais ouviram com emoção, na Sala do Sínodo, a história relatada por um bispo que celebrou uma missa de primeira comunhão numa paróquia: um menino foi até o altar para receber na mão a hóstia consagrada e, por iniciativa própria, partiu-a em duas partes, dando a metade ao pai que o acompanhava, mas que, sendo divorciado e tendo se casado pela segunda vez, não podia receber a comunhão.

O episódio evoca o sofrimento dos católicos em situações irregulares que os impedem de receber sacramentos e mostra que os “filhos do divórcio”, percentual considerável das crianças de hoje, não aceitam a exclusão dos seus pais desta dimensão central da vida cristã.

De fato, muitas dessas crianças não continuam o seu caminho de fé na Igreja precisamente porque veem como uma injustiça a exclusão do pai ou da mãe divorciado e recasado. Este é um dos desafios que o sínodo sobre a família está enfrentando. Alguns padres sinodais, como destacou o porta-voz do sínodo para o idioma alemão, Bernard Hagenkord, tomaram partido “em defesa da doutrina católica atual, reiterando o ensinamento da Igreja sobre o casamento e argumentando que ninguém tem a autoridade de ‘mudar a Palavra de Deus’. Muitos outros, no entanto, disseram que, ao seguir o caminho de Jesus, a Igreja não pode excluir ninguém permanentemente dos sacramentos. Esta posição contou com representação mais numerosa na sala do sínodo: os seus promotores não dominam a discussão, mas são notáveis”. O porta-voz para a língua alemã definiu o debate em andamento como “construtivo e de alta qualidade”.

Entre as possíveis soluções, foi proposto que a admissão de divorciados recasados ​​aos sacramentos seja decidida “caso a caso”.

“Estou impressionado com a riqueza das propostas práticas em termos de ajuda aos casais e de preparação para o matrimônio”, declarou o diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, padre Federico Lombardi.