Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Comovente pedido do papa para a viagem ao México: alguns minutos a sós com a Mãe de Guadalupe

Compartilhar

Entre muitos compromissos e milhões de pessoas, Francisco quer rezar em silêncio diante da imagem milagrosa de Nossa Senhora

Quando o papa Francisco visitar a Cidade do México, a partir deste fim de semana, sua agenda estará repleta de missas e encontros com vários grupos naquela que é uma das mais populosas e densamente povoadas megalópoles do planeta.

No entanto, entre tantos compromissos e tantos milhões de pessoas, Francisco está solicitando um pouco de tempo a sós com a imagem milagrosa de Nossa Senhora de Guadalupe.

“Às vezes, quando alguns problemas ou algo desagradável acontece e eu não sei como reagir, eu rezo a ela”, disse o papa em uma entrevista destes dias, concedida por vídeo à agência de notícias Notimex. “Eu gosto de repetir para mim mesmo: ‘Não tenha medo. Não estou eu aqui, que sou sua mãe?‘. São palavras dela: ‘Não tenha medo‘”.

Francisco iniciará a viagem apostólica em 12 de fevereiro. Além da capital, ele vai visitar Ecatepec, Tuxtla Gutiérrez, San Cristóbal de las Casas, Morelia e Ciudad Juárez, retornando a Roma em 17 de fevereiro.

Será a terceira viagem de Francisco ao México, mas a primeira como papa. Ele explicou, na entrevista, que já esteve no país em 1970 para uma reunião da sua ordem religiosa, a Companhia de Jesus, e retornou em 1999, quando o papa João Paulo II assinou a exortação pós-sinodal “Ecclesia in America”. Nas duas ocasiões, ele visitou Nossa Senhora de Guadalupe, cuja imagem surgiu milagrosamente sobre a “tilma”, ou capa, do índio Juan Diego em 12 de dezembro de 1531 como sinal para convencer o bispo local de que a Virgem Maria tinha pedido a construção de uma igreja em sua honra. A tilma, feita de fibras naturais, deveria ter se desintegrado em poucos anos, mas tem durado há quase 500. Além disso, os estudos microscópicos dos olhos da imagem da Virgem Santíssima mostram o reflexo do bispo e de outras pessoas, atônitas, presentes no recinto quando a imagem apareceu sobre o manto de Juan Diego. E há mais milagres: a imagem não está “impressa” no manto, mas “flutua” ligeiramente acima dele. Das várias análises científicas feitas no México e nos Estados Unidos por diferentes equipes de cientistas, nenhuma conseguiu explicar a série de fenômenos milagrosos que envolvem a imagem da Mãe de Guadalupe.

O papa João Paulo II canonizou Juan Diego em 2002 – mas ele já era considerado santo pelos mexicanos fazia séculos. Nossa Senhora de Guadalupe, por sua vez, foi proclamada “Padroeira de toda a América“.

Sobre ela, o papa Francisco disse ainda na entrevista:

“Eu sinto que ela é nossa Mãe, que ela cuida, protege e conduz um povo, uma família, que ela traz calor humano a um lar, que ela nos acaricia com ternura e que ela expulsa o medo. É uma imagem eloquente, de uma Mãe como um manto que cobre e cuida, no meio do seu povo. É isto o que eu sinto diante dela”.