Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Terça-feira 26 Outubro |
Santo Amando 
Aleteia logo
home iconReligião
line break icon

“É hora de proteger as crianças e restaurar a fé”, pede ao papa o produtor de “Spotlight”

Ary Waldir Ramos Díaz - Aleteia Brasil - publicado em 29/02/16

O filme premiado com o Oscar é recomendado pelo arcebispo encarregado de investigar os casos de pedofilia na Igreja

Ao receber a estatueta de melhor filme de 2015, o produtor de “Spotlight”, Michael Sugar, fez um pedido inesperado:

“Papa Francisco, é hora de proteger as crianças e restaurar a fé”.

É um pedido que já está sendo atendido com afinco.

Aliás, poucos sabem que os membros da Comissão Pontifícia para a Proteção dos Menores, instituída pelo próprio papa Francisco, viu o filme “Spotlight” em uma projeção privada no último dia 4 de fevereiro. Dom Charles Scicluna, arcebispo de Malta e perito da Congregação para a Doutrina da Fé, declarou ao jornal italiano La Repubblica a propósito do filme:

“Este filme deve ser visto por todos os bispos e cardeais, especialmente pelos responsáveis das almas, porque eles têm que entender que é a denúncia o que vai salvar a Igreja, e não a lei do silêncio (…) O filme mostra como o instinto que estava presente na Igreja, de proteger a boa reputação, foi um erro. Não existe misericórdia sem justiça”.

A admissão do erro de não denunciar os padres criminosos também foi feita pelo cardeal George Pell, de 74 anos. Ele afirmou, neste dia 29 de fevereiro, que a Igreja cometeu erros diante das denúncias de abusos sexuais contra menores na Austrália, seu país natal e onde ele foi arcebispo de Melbourne e de Sidney. A Igreja, diz ele, “cometeu erros enormes, mas está trabalhando para solucioná-los. Foram causados graves danos em muitos lugares. Decepcionamos os fiéis”.

O cardeal Pell está prestando informações a uma comissão de investigação do seu país sobre as respostas dadas pelas instituições eclesiais australianas aos abusos sexuais perpetrados contra menores nas décadas de 1970 e 1980. “Não estou aqui para defender o indefensável”, declarou ele, em depoimento, definindo como “uma catástrofe” a transferência de paróquia, na Austrália, do sacerdote pedófilo em série Gerard Ridsdale, que deveria ter sido denunciado à polícia em vez de apenas removido.

Em épocas passadas, prossegue o cardeal australiano, a Igreja “se inclinava a aceitar os desmentidos de abusos por parte de quem tinha sido acusado”. O “instinto” era o de “proteger a instituição, a comunidade da Igreja”.

A atual reforma do papa Francisco ordena que os bispos denunciem todos os abusos à justiça. De fato, neste último dia 15 de fevereiro, a Comissão Pontifícia para a Proteção dos Menores publicou um documento que deixa clara “a obrigação de indicar às autoridades civis as suspeitas de abusos sexuais”.

O próprio papa, no voo de volta do México a Roma, neste recente dia 18 de fevereiro, reiterou:

“Um bispo que troca um sacerdote de paróquia quando detecta um caso de pederastia é um inconsequente. O que ele deve fazer é apresentar a denúncia. Está claro?”.

Francisco aproveitou para prestar reconhecimento ao cardeal Ratzinger, que, desde antes de ser eleito papa, “lutou em momentos em que não tinha forças para impor-se”. Foi o trabalho escondido do papa Bento XVI, segundo Francisco, o que preparou a Igreja para “destapar essa panela”. O atual pontífice recordou que o então cardeal Ratzinger, “dez dias antes da morte de São João Paulo II, naquela via-crúcis de Sexta-Feira Santa, disse a toda a Igreja que era preciso limpar as porcarias da Igreja”. Por isso, considera o Santo Padre, Ratzinger foi eleito pontífice.

Atualmente, a Congregação para a Doutrina da Fé “não dá conta de todos os casos”, declarou Francisco, que, por isso, nomeou “um terceiro secretário adjunto para se encarregar somente destes casos”.

Trata-se de evitar mais atrasos nos casos antigos e atender os novos, explicou o papa, que falou também da criação de um “tribunal de apelação, presidido por dom Scicluna, que está se encarregando dos casos de segunda instância quando há recursos que voltam à primeira instância, porque isso não é justo”.

“Eu dou graças a Deus porque tudo isto foi destapado e tem que continuar sendo destapado”, afirmou o Santo Padre, chamando a pedofilia na Igreja de “monstruosidade, porque é um sacerdote consagrado para levar uma criança para Deus e que, no entanto, a consome num sacrifício diabólico”.

Francisco pediu que a Comissão de Proteção aos Menores promova a responsabilidade local. Seus membros, devido a esta diretriz, estão em contato com várias conferências episcopais.

O trabalho é árduo. A comissão foi alvo, recentemente, das críticas de um ex-membro, o leigo britânico Peters Saunders, ele próprio vítima de abusos de um sacerdote. Saunders criticou a comissão porque ela estuda políticas e diretrizes voltadas a estabelecer as melhores práticas a fim de evitar novos abusos, quando, em sua opinião, “deveríamos tomar decisões contra os sacerdotes abusadores”.

Os julgamentos dos criminosos, no entanto, não cabem à comissão, cuja missão é a que está explícita em seu próprio nome: a proteção dos menores. Ainda assim, o órgão destaca que a Igreja também está se encarregando de julgar os criminosos já identificados, o que se ressalta nas palavras que o papa Francisco pronunciou em seu discurso aos bispos dos Estados Unidos em setembro de 2015:

“Eu me comprometo com a zelosa vigilância da Igreja para proteger os menores e prometo que todos os responsáveis prestarão contas”.
Tags:
Abusos SexuaisPapa FranciscopedofiliaVaticano
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
SANDRA SABATTINI
Francisco Vêneto
Primeira noiva em processo de canonização na história foi beatifi...
2
Papa Emérito Bento XVI
Francisco Vêneto
Bento XVI: “Espero me unir logo” aos amigos que já estão na etern...
3
Papa Francisco São José Menino Jesus
Ricardo Sanches
A oração a São José que o Papa Francisco reza todos os dias há 40...
4
Transplante de rins
Francisco Vêneto
Transplante de rim de porco em humanos: a Igreja tem alguma objeç...
5
São João Paulo II
Reportagem local
A última frase de São João Paulo II antes de partir desta vida
6
Casal brasileiro com 8 filhos espera gêmeos
Francisco Vêneto
Jovem casal brasileiro com 8 filhos espera gêmeos: “cada um vale ...
7
Pe. Jonas Magno de Oliveira e sua mãe
Francisco Vêneto
Mãe de padre brasileiro se torna freira na mesma família religios...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia