Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

EUA e Coreia do Sul iniciam manobras; Pyongyang faz ameaça nuclear

AFP/AI
Compartilhar

As forças sul-coreanas e americanas iniciaram nesta segunda-feira as manobras conjuntas mais importantes organizadas até a data na península coreana, e Pyongyang ameaçou responder com ataques nucleares “às cegas”.

Estes exercícios anuais dos dois aliados agravam sistematicamente as tensões entre o Norte e o Sul.

Neste ano ocorrem em um momento particularmente tenso, dois meses após o quarto teste nuclear da Coreia do Norte e um mês após o lançamento norte-coreano de um foguete de longo alcance, duas ações condenadas pelo Conselho de Segurança da ONU, que acaba de adotar uma nova série de sanções contra o regime mais isolado do mundo.

As manobras conjuntas, batizadas de “Key Resolve” e “Foal Eagle”, têm desta vez uma envergadura nunca antes vista na Coreia do Sul, com a participação de 15.000 americanos, quatro vezes mais que em 2015.

Também estão mobilizados 300.000 militares sul-coreanos, assim como elementos chave do exército americano, entre eles uma brigada de combate e uma esquadra conduzida por um porta-aviões e submarinos de propulsão nuclear.

Em um comunicado divulgado horas antes do início dos exercícios, a poderosa Comissão de Defesa Nacional da Coreia do Norte disse estar pronta para uma contraofensiva total.

– Em nome da justiça –

“As manobras militares conjuntas organizadas pelos inimigos são encaradas como exercícios de guerra nuclear não dissimulados destinados a minar a soberania (da Coreia do Norte), sua resposta militar será efetuar ataques nucleares preventivos e ofensivos”, adverte o comunicado.

Em uma declaração recolhida na sexta-feira pela agência oficial KCNA, o líder norte-coreano Kim Jong-un já deu o tom, depois da adoção de sanções na ONU: “Devemos estar sempre prontos, a cada instante, para utilizar nosso arsenal nuclear”.

A retórica belicosa é uma constante do regime mais isolado do mundo quando as tensões aumentam com Seul. Pyongyang dispõe certamente de um pequeno arsenal de ogivas nucleares, mas os especialistas estão divididos quanto a sua capacidade para instalá-las em mísseis.

A Comissão de Defesa Nacional afirma que planos de “ataque nuclear preventivo em nome da justiça” foram elaborados pelo Comando Supremo do Exército Popular Coreano, validados por Kim, e estão prontos para ser aplicados “mesmo no caso da mínima ação militar” dos inimigos do Norte.

“O ataque nuclear às cegas (…) mostrará claramente aos entusiastas da agressão e da guerra a determinação” do Norte, prossegue a Comissão.

– Oceanos de chamas –

Os alvos, afirma, podem ser sul-coreanos, mas os ataques também podem apontar contra as bases americanas da região Ásia-Pacífico e inclusive Estados Unidos.

“Se apertarmos os botões para aniquilar nossos inimigos (…), todas as origens das provocações ficarão reduzidas em um instante a oceanos de chamas e cinzas”, acrescenta.

Os lançamentos de foguetes permitiram avançar com o programa norte-coreano de mísseis balísticos, mas a maioria dos especialistas pensam que Pyongyang não domina a tecnologia de entrada na atmosfera, depois da fase de voo balístico, que seria necessária para alcançar um território tão distante quanto os Estados Unidos.

(AFP)