Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Donald Trump ou Hillary Clinton: qual deles é o mal menor?

Gage Skidmore-CC
Compartilhar

Eleitores dos Estados Unidos (e espectadores do mundo inteiro) mostram incerteza e desânimo diante da (falta de) opção

A disputa eleitoral para a presidência dos Estados Unidos afeta o mundo inteiro devido ao peso global do país em termos políticos, econômicos e culturais.

O partido Republicano, considerado conservador e tradicionalmente ligado à promoção do sucesso material e econômico da nação, enfrenta hoje, com o candidato Donald Trump, pelo menos dois graves problemas particularmente manifestos: primeiro, Trump tem promovido abertamente a discriminação étnica e religiosa e, com isso, a intolerância, o que agrava ainda mais os riscos tanto para a já frágil estabilidade social interna quanto para a não menos frágil segurança internacional; segundo, ele não representa o ideário político tradicional dos republicanos, já tendo feito declarações contraditórias, incoerentes e voláteis quanto aos valores mais caros ao partido – e isso está lhe rendendo a perda de apoio não só de eleitores, mas até de parlamentares do próprio partido, ofendidos pela caricatura a que o candidato voluntariamente vem se reduzindo.

Por sua vez, o partido Democrata, considerado liberal e tradicionalmente ligado à priorização do bem-estar social, abraçou indiscriminadamente uma série de ideologias relativistas, como a liberalização abrangente do aborto e das chamadas “drogas recreativas”, ou a equiparação artificial de todo tipo de união civil, hetero ou homossexual, ao matrimônio, menosprezando valores fundantes da nação como o direito intocável à vida e a proteção da família natural como instituição objetiva e irredutível. O discurso do partido se projeta como aliado das minorias, e, ao propor a defesa da obtenção individual de prazer e satisfação sem interferência do que chama de “convenções sociais”, aproxima os seus simpatizantes, perigosamente, de um relativismo moral que não distingue o essencial do acidental, o permanente do transitório – nem admite as consequências já observáveis da negação de referências morais absolutas. Quanto à candidata Hillary Clinton, já envolvida em casos graves de má gestão, parte considerável dos seus próprios eleitores admitiu, em pesquisas recentes, que não a acha autêntica, nem, portanto, confiável.

Diante da grave parcialidade antropológica dos dois grandes partidos, boa parcela dos eleitores experimenta confusão, incerteza e desânimo: eles terão de escolher entre duas alternativas igualmente populistas, radicais e perigosas para o futuro próximo das famílias, da sociedade, da nação e do mundo.

Para piorar o panorama, até instituições que deveriam orientar o povo norte-americano estão hoje desprestigiadas e carentes de autoridade moral devido aos seus próprios escândalos – o que inclui as religiões, cuja imagem perante o público sofre as consequências de comportamentos indignos (e mesmo criminosos) de alguns ou vários de seus setores.

A eleição deste ano não é entre duas propostas boas para os Estados Unidos e para o mundo; nem sequer entre uma proposta boa e uma ruim. Os eleitores estão condenados a tentar escolher o que acharem menos pior, ou, como dizem os filósofos, a eleger dos males o menor.

Este quadro medíocre escancara a decadência moral e espiritual da sociedade como um todo, e não só da norte-americana, mas das sociedades humanas em geral, divididas de modo bastante semelhante entre opções parciais, enviesadas e comprometidas com interesses particulares. Para a sociedade norte-americana, assim como para as sociedades humanas em geral, o suposto progresso social, econômico e material não tem coincidido, nem na prática, nem na teoria, com o progresso humano, moral e espiritual.

Os seus líderes, ou candidatos a líderes, são o reflexo necessário dessa decadência.

São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.