Aleteia
Quarta-feira 21 Outubro |
São Bertoldo de Parma
Atualidade

Donald Trump ou Hillary Clinton: qual deles é o mal menor?

Mario Paredes - Francisco Vêneto - publicado em 03/08/16

Eleitores dos Estados Unidos (e espectadores do mundo inteiro) mostram incerteza e desânimo diante da (falta de) opção

A disputa eleitoral para a presidência dos Estados Unidos afeta o mundo inteiro devido ao peso global do país em termos políticos, econômicos e culturais.

O partido Republicano, considerado conservador e tradicionalmente ligado à promoção do sucesso material e econômico da nação, enfrenta hoje, com o candidato Donald Trump, pelo menos dois graves problemas particularmente manifestos: primeiro, Trump tem promovido abertamente a discriminação étnica e religiosa e, com isso, a intolerância, o que agrava ainda mais os riscos tanto para a já frágil estabilidade social interna quanto para a não menos frágil segurança internacional; segundo, ele não representa o ideário político tradicional dos republicanos, já tendo feito declarações contraditórias, incoerentes e voláteis quanto aos valores mais caros ao partido – e isso está lhe rendendo a perda de apoio não só de eleitores, mas até de parlamentares do próprio partido, ofendidos pela caricatura a que o candidato voluntariamente vem se reduzindo.

Por sua vez, o partido Democrata, considerado liberal e tradicionalmente ligado à priorização do bem-estar social, abraçou indiscriminadamente uma série de ideologias relativistas, como a liberalização abrangente do aborto e das chamadas “drogas recreativas”, ou a equiparação artificial de todo tipo de união civil, hetero ou homossexual, ao matrimônio, menosprezando valores fundantes da nação como o direito intocável à vida e a proteção da família natural como instituição objetiva e irredutível. O discurso do partido se projeta como aliado das minorias, e, ao propor a defesa da obtenção individual de prazer e satisfação sem interferência do que chama de “convenções sociais”, aproxima os seus simpatizantes, perigosamente, de um relativismo moral que não distingue o essencial do acidental, o permanente do transitório – nem admite as consequências já observáveis da negação de referências morais absolutas. Quanto à candidata Hillary Clinton, já envolvida em casos graves de má gestão, parte considerável dos seus próprios eleitores admitiu, em pesquisas recentes, que não a acha autêntica, nem, portanto, confiável.

Diante da grave parcialidade antropológica dos dois grandes partidos, boa parcela dos eleitores experimenta confusão, incerteza e desânimo: eles terão de escolher entre duas alternativas igualmente populistas, radicais e perigosas para o futuro próximo das famílias, da sociedade, da nação e do mundo.

Para piorar o panorama, até instituições que deveriam orientar o povo norte-americano estão hoje desprestigiadas e carentes de autoridade moral devido aos seus próprios escândalos – o que inclui as religiões, cuja imagem perante o público sofre as consequências de comportamentos indignos (e mesmo criminosos) de alguns ou vários de seus setores.

A eleição deste ano não é entre duas propostas boas para os Estados Unidos e para o mundo; nem sequer entre uma proposta boa e uma ruim. Os eleitores estão condenados a tentar escolher o que acharem menos pior, ou, como dizem os filósofos, a eleger dos males o menor.

Este quadro medíocre escancara a decadência moral e espiritual da sociedade como um todo, e não só da norte-americana, mas das sociedades humanas em geral, divididas de modo bastante semelhante entre opções parciais, enviesadas e comprometidas com interesses particulares. Para a sociedade norte-americana, assim como para as sociedades humanas em geral, o suposto progresso social, econômico e material não tem coincidido, nem na prática, nem na teoria, com o progresso humano, moral e espiritual.

Os seus líderes, ou candidatos a líderes, são o reflexo necessário dessa decadência.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
IdeologiaMundoPolítica
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
CARLO ACUTIS
John Burger
Como foram os últimos dias de vida de Carlo A...
violência contra padres no Brasil
Francisco Vêneto
Outubro de cruz para padres no Brasil: um per...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
SAINT JOSEPH SLEEPS
Philip Kosloski
Durma em paz com esta breve oração a São José
Pe. Gilmar
Reportagem local
Padre é encontrado após três dias desaparecid...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia