Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Alimente o seu espírito. Receba grátis os artigos da Aleteia toda manhã.
Inscreva-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia
Cynthia Dermody / Redação da Aleteia
Quaresma: 5 desafios para casais

Atentado com bomba deixa 70 mortos em hospital do Paquistão

© STR / AFP
Compartilhar

Ao menos 70 pessoas morreram e mais de 100 ficaram feridas nesta segunda-feira (8) quando um terrorista suicida detonou os explosivos que carregava em meio a uma multidão reunida em sinal de luto em frente a um hospital no sudoeste do Paquistão.

A explosão provocou um banho de sangue em frente ao setor de emergência do hospital civil de Quetta, onde 200 pessoas estavam reunidas para compartilhar seu pesar pelo assassinato poucas horas antes de um famoso advogado da região.

“O balanço alcançou os 70 mortos e 112 feridos”, disse o médico Masood Nausherwani, chefe dos serviços de Saúde da província do Baluchistão, cuja capital é Quetta.

Trata-se do segundo atentado mais letal cometido no Paquistão neste ano, depois do ataque suicida que no fim de março matou 75 pessoas, entre elas muitas crianças, em um parque de Lahore (leste), onde a minoria cristã celebrava a Páscoa.

Pouco depois o grupo Taleban reivindicou o ataque contra o hospital.

Um porta-voz do Jamaatul Ahara, braço local do grupo Taleban paquistanês Tehreek-e-Taliban, informou por e-mail que sua facção “reivindica a responsabilidade” pelo atentado contra o hospital na cidade de Quetta, e prometeu mais ações como essa “até a imposição de um sistema Islâmico no Paquistão”.

O exército foi mobilizado nos hospitais da cidade e em seus arredores, segundo as autoridades.

Os corpos jaziam em meio a um mar de sangue e de cacos de vidro, e os sobreviventes, em estado de choque, tentavam se reconfortar mutuamente, segundo um jornalista da agência de notícias AFP.

Muitas das vítimas vestiam terno e gravata.

“Tudo se tornou escuro”

O jornalista estava a 20 metros do local da explosão quando ela ocorreu.

“Havia uma grande fumaça preta e poeira”, disse. “Voltei correndo ao lugar e vi corpos espalhados e muitos feridos chorando. Havia muitas poças de sangue, pedaços de carne e membros”, acrescentou.

Integrantes da equipe médica se dirigiram rapidamente ao local do atentado para ajudar as vítimas.

Pervez Masi, que ficou ferido por fragmentos de vidro, afirmou que a explosão foi tão potente que as pessoas presentes não entenderam o que estava acontecendo. “Muitos dos meus amigos morreram”, disse.

A polícia confirmou que se tratava de um atentado suicida.

A explosão ocorreu quando os advogados se reuniram diante do setor de emergência. Alguns entraram no hospital e outros permaneciam junto à porta de entrada, segundo o médico Adnan, do hospital civil de Quetta.

“Houve uma grande explosão e tudo ficou escuro. No início achei que tinham derrubado um edifício. Depois houve gritos”, acrescentou.

Muitos advogados e jornalistas se dirigiram ao hospital depois do assassinato do presidente do colégio de advogados do Baluchistão, Bilal Anwar Kasi, morto por dois indivíduos armados quando saía de casa.

O primeiro-ministro paquistanês, Nawaz Sharif, condenou o atentado e ordenou o reforço das medidas de segurança.

“Não deixaremos que ninguém perturbe a paz desta província, que conseguimos restaurar às custas de tantos sacrifícios das forças de segurança, da polícia e da população”, afirmou o chefe de governo em um comunicado divulgado por seu gabinete.

As forças de segurança e os edifícios governamentais paquistaneses são alvos frequentes dos grupos insurgentes.

Os atentados contra hospitais têm precedentes: em 2010, treze pessoas morreram na explosão de uma bomba na unidade de emergências de um hospital de Karachi, onde as vítimas de um atentado cometido pouco antes recebiam atendimento médico.

(AFP)

Aleteia Top 10
  1. Lidos