Aleteia
Quarta-feira 21 Outubro |
São Bertoldo de Parma
Religião

Ele é o primeiro padre católico mongol em quase mil anos!

© Mbumba Prosper / http://www.asianews.it

Aleteia Brasil - publicado em 13/09/16

Aleteia teve a felicidade de entrevistar o recém-ordenado pe. Joseph Enkhee-Baatar

Aleteia: O senhor foi ordenado na Mongólia neste 28 de agosto de 2016, o que o torna o primeiro sacerdote autóctone do país em cerca de 1.000 anos! Como o senhor vive esse fato histórico?

Pe. Joseph Enkhee-Baatar: Estou feliz e honrado por ter sido escolhido para ser ordenado aqui na Mongólia, e por ser uma pequena parte da missão. Os primeiros missionários que vieram para o Império Mongol eram nestorianos [nota: o nestorianismo foi uma heresia que negava a união entre a humanidade e a divindade de Cristo, bem como o título de Maria como Mãe de Deus]. Eles chegaram nos séculos VII e VIII. Foi assim que várias tribos mongóis se converteram ao cristianismo. Os primeiros missionários católicos chegaram no século XIII, sob a dinastia Yuan. De acordo com alguns documentos históricos, o Império tinha naquela época cerca de 30.000 católicos mongóis. A Igreja permaneceu quase 100 anos no reinado da dinastia Yuan. Provavelmente houve padres mongóis, mas eu não encontrei quaisquer vestígios históricos evidentes. Depois da queda da dinastia Yuan, e com o surgimento da dinastia chinesa Ming, o catolicismo desapareceu do país.

Aleteia: Por que decorreu tanto tempo entre o primeiro anúncio do Evangelho no seu país e esta primeira ordenação?

Pe. Joseph Enkhee-Baatar: Várias razões explicam essa lacuna entre o primeiro anúncio do Evangelho e o reinício atual da Igreja. Primeiro, o surgimento dos muçulmanos no Oriente Médio, que impedia os missionários de virem até a Mongólia. É um país sem litoral. Além disso, nos séculos XVI e XVII, a Mongólia adotou o budismo tibetano, que acabou se tornando a religião do Estado. A Mongólia era um país teocrático até a revolução comunista. Quando o país se tornou comunista, em 1924, os planos do Vaticano para a sua evangelização foram bloqueados. Só depois da queda do comunismo, em 1990, os primeiros missionários, que eram três, chegaram à Mongólia, em 1992. No ano que vem nós vamos celebrar os 25 anos da presença da Igreja católica.

Também levou tempo para evangelizar a Mongólia porque o nosso país tem profundas raízes xamânicas (o tengriismo) e budistas, embora estas sejam mais recentes. É por isso que as pessoas continuam a ver o cristianismo como uma religião estrangeira e, às vezes, como uma ameaça à tradição e cultura mongol.

Aleteia: A Mongólia ainda tem poucos católicos. Ser mongol pode facilitar a evangelização dos seus compatriotas?

Pe. Joseph Enkhee-Baatar: Jesus disse que “a messe é grande, mas os trabalhadores são poucos” (Lucas 10, 2). Nós precisamos de mais padres, irmãs e leigos missionários para trabalhar no serviço do Reino de Deus. Se você servir a Deus e ao seu povo de todo coração com as palavras, ações e com a vida, a sua nacionalidade ou congregação não importa. Você vai ser uma grande ajuda e o instrumento de evangelização para o seu país e para o mundo inteiro.

Mas precisamos de mais sacerdotes do nosso país, mesmo assim, porque eles vão saber melhor como ensinar sobre Jesus e a Igreja. Os mongóis vão compreender e aceitar melhor, não como uma religião estrangeira, mas como uma religião que é próxima da sua tradição, cultura e estilo de vida.

Aleteia: Quanto a números: pode nos falar sobre o tamanho da sua paróquia, o número de fiéis, a porcentagem de católicos na Mongólia?

Pe. Joseph Enkhee-Baatar: Em todo o país, temos cerca de 1.200 católicos, que representam apenas 0,04% da população. Mas a porcentagem total de cristãos no país é de cerca de 2%. Nós temos seis paróquias e várias “sub-paróquias” [nota: das 21 províncias da Mongólia, 17 não têm nenhuma presença católica].

Aleteia: Quais são os desafios pastorais que esperam por você nestes primeiros meses?

Pe. Joseph Enkhee-Baatar: Eu fui ordenado faz pouco mais de uma semana e fiquei na casa da Missão da Igreja Católica. Por enquanto, tenho que esperar a carta oficial que vai me dizer onde eu vou realizar o meu primeiro trabalho pastoral.

Entrevista feita por Louis Plantier-Vassal

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
evangelizacaoMissionáriossacerdotes
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
CARLO ACUTIS
John Burger
Como foram os últimos dias de vida de Carlo A...
violência contra padres no Brasil
Francisco Vêneto
Outubro de cruz para padres no Brasil: um per...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
SAINT JOSEPH SLEEPS
Philip Kosloski
Durma em paz com esta breve oração a São José
Pe. Gilmar
Reportagem local
Padre é encontrado após três dias desaparecid...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia