Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quarta-feira 20 Outubro |
São Cornélio
Aleteia logo
home iconReligião
line break icon

Você acha que esta foto é do terremoto na Itália? Não, não é. É muito pior.

Irmãs Dominicanas de Santa Catarina de Siena - Erbil, Iraque

Philip Kosloski - Aleteia Brasil - publicado em 04/11/16

Esta imagem poderia facilmente ser confundida com a das religiosas de clausura forçadas a fugir do próprio convento que desabava - mas...

Nas últimas semanas, entre os vários tremores que têm ferido e assolado a Itália Central, tomaram os noticiários internacionais as imagens de religiosas de clausura forçadas a fugir do próprio convento que desabava.

Neste contexto, a imagem que ilustra o presente artigo poderia facilmente ser confundida, à primeira vista, com a das freiras italianas surpreendidas pelo desastre natural.

Mas não é o caso.

Esta foto, num cenário aterrador de destruição e ruínas, mostra o desastre humano, político, fanático, provocado por uma tragédia comparável a um terremoto interminável, que está varrendo o Oriente Médio há três, quatro, cinco anos.

O contexto é o de uma das operações mais esperadas dessa longa e devastadora guerra doentia: a libertação de Mossul, a segunda maior cidade do Iraque, das garras fanáticas do grupo assassino Estado Islâmico. A batalha começou em 17 de outubro, protagonizada por uma coalizão de forças iraquianas, e deu grandes passos, libertando várias cidades na planície de Nínive. Alguns cristãos já começaram a retornar à área: os sons dos sinos, nas igrejas dessas cidades, sinalizam a esperança no meio da escuridão do horror.

No entanto, os jihadistas do Estado Islâmico executaram 300 homens e meninos e estão usando cidadãos locais como escudos humanos. A total recuperação de Mossul e da planície de Nínive está longe de terminar, e, mesmo que as forças militares sejam bem sucedidas, a situação apresenta imensos desafios aos cristãos que querem retornar.

Um dos grupos que está discernindo o próprio futuro no Iraque são as Irmãs Dominicanas de Santa Catarina de Siena, que vivem hoje em Erbil. Recentemente, elas enviaram uma carta aos seus amigos e apoiadores pedindo orações para enfrentar a situação. As irmãs explicaram:

Faz dois anos e quatro meses que saímos da Planície de Nínive. Tem sido um longo tempo de deslocamento, de humilhação, de exílio… Há muitos militantes cristãos no exército, e alguns deles nós conhecemos. Eles estiveram nos enviando fotos das nossas cidades cristãs que estão sendo retomadas. As fotos são profundamente perturbadoras, pois mostram as nossas igrejas, casas, escolas, conventos e hospitais queimados e destruídos depois de terem sido saqueados. Ficamos chocadas ao ver que até os nossos cemitérios foram escavados: será possível que nem mesmo os mortos tenham ficado ilesos sob a crueldade deles?“.

Embora sejam gratas a Deus por verem as cidades sendo finalmente libertadas, as irmãs têm muitas perguntas para responder antes de fomentar a esperança do retorno. “A quem vamos pertencer, como povo e como território? Há várias forças lutando para limpar a nossa terra: o exército curdo, o exército iraquiano, as unidades de proteção da Planície de Nínive e outros. Esperamos que as nossas terras não se tornem terra de disputa. Esta é outra das questões que nos preocupam“.

Os trabalhos de reconstrução também serão imensos após tantos danos da guerra. Estradas e edifícios estão destruídos e não há mais infraestrutura. Se e quando poeira assentar, haverá lugar para os cristãos naquela região que eles chamavam de lar?

Ao concluírem sua carta, as irmãs pediram orações urgentes: “Por um lado, vemos pessoas frustradas e querendo deixar o país; por outro, pessoas ansiosas para retornar e reconstruir suas casas, não importa o quanto elas tenham sido destruídas. Algumas pessoas estão cansadas da situação indefinida, outras estão prontas para voltar e recomeçar do zero. Nós só estamos esperando o ‘decreto de Ciro’ [uma referência ao histórico documento que permitiu que o povo de Israel retornasse do exílio, ndr] para retornar e construir de novo as nossas igrejas e casas“.

Tags:
Estado IslâmicofreirasGuerraMundoTerrorismo
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
VENEZUELA
Ramón Antonio Pérez
Quando a vida surge do abuso atroz a uma jovem deficiente
2
Pe. Zezinho
Reportagem local
Pe. Zezinho faz alerta sobre orações de cura e libertação
3
AVENIDO BROTHERS
Agnès Pinard Legry
Três irmãos são ordenados padres no mesmo dia
4
COMMUNION
Philip Kosloski
Oração ao seu anjo da guarda antes de receber a comunhão
5
MARRIAGE
Matrimonio cristiano
Beijar a aliança todos os dias: uma indulgência especial aos casa...
6
Aleteia Brasil
O segredo da cidade bósnia onde jamais houve um divórcio
7
Carlo Acutis
Gelsomino Del Guercio
“Ele fechou os olhos sorrindo”: foi assim que Carlo Acutis morreu
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia