Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Terça-feira 03 Agosto |
home iconAtualidade
line break icon

Papa Francisco encerra o Ano Santo da Misericórdia

© Antoine Mekary / ALETEIA

<p> Pope Francis leads his weekly general audience in St. Peter&#039;s Square in Vatican City, October 26, 2016. &copy; Antoine Mekary / ALETEIA</p>

Agências de Notícias - publicado em 20/11/16

O papa Francisco encerrou neste domingo o Ano Santo da Misericórdia, uma qualidade que ele tenta pregar com o exemplo, ao transportar migrantes no avião papal ou recebendo no Vaticano grupos de excluídos, como presos ou moradores sem-teto.

A Porta Santa da basílica de São Pedro foi fechada na manhã deste domingo pelo pontífice.

Depois, ele permaneceu parado, rezando com uma mão sobre seu crucifixo, antes de celebrar uma missa na praça de São Pedro, diante de 70.000 fiéis e de todos os cardeais.

“Pedimos a graça de nunca fechar as portas da reconciliação e do perdão, e de saber superar o mal e as divergências”, disse Francisco durante a homilia, antes de pedir aos fiéis que “espalhem esperança e deem uma oportunidade aos demais”.

O papa abriu a Porta Santa em 8 de dezembro de 2015, ao lançar o Ano Santo da Misericórdia, ao lado do papa emérito Bento XVI.

Graças a uma tradição iniciada na Idade Média, ao entrar na basílica por este local milhões de peregrinos cristãos tiveram a possibilidade de pedir perdão por seus pecados.

Um fato inédito, o pontífice também pediu a abertura de milhares de portas santas no mundo, abrindo pessoalmente a primeira na África, na catedral de Bangui. Ele pediu na ocasião que os centro-africanos entregassem as armas e rejeitassem o “medo do outro”.

O símbolo da porta é especialmente importante para Francisco, que pede aos homens que abram “as portas de seu coração” aos demais e demonstrem “ternura”.

O papa argentino recebeu e beijou este ano milhares de peregrinos procedentes de grupos de excluídos, como os sem-teto e alguns detentos. O Vaticano instalou duchas para pessoas que dormem a céu aberto perto das pilastras da praça de São Pedro.

Uma sexta-feira por mês o pontífice visitou crianças hospitalizadas, idosos ou pessoas com problemas psíquicos.

– Prosseguir com a abertura -Os atos foram acompanhados em geral por declarações que pretendiam abalar a consciência dos fiéis, dos governos e até mesmo dos prelados. Desta maneira, Francisco denunciou o que chamou de “esclerose espiritual” ou “indiferença” de uma sociedade de consumo obcecada com o dinheiro.

“O que está ao nosso lado não apenas possui o estatuto de desconhecido, imigrante ou refugiado, mas se transforma ainda em uma ameaça, adquire o estatuto de inimigo”, criticou no sábado.

“Somos todos migrantes”, afirmou em abril na ilha grega de Lesbos este filho de emigrantes italianos nascido na Argentina, que transportou no avião papal três famílias muçulmanas sírias.

Mais de 20 milhões de pessoas visitaram Roma especificamente para este ano santo, de acordo com o Vaticano.

Os comerciantes não ficaram totalmente satisfeitos, pois recordam que no ano 2000 a cidade recebeu 30 milhões de visitantes.

O Ano Santo da Misericórdia celebrou o aniversário de 50 anos do final do Concílio del Vaticano II, que abriu a Igreja à modernidade.

Para o papa, a misericórdia é sinônimo desta abertura, única solução para este reformista que tenta convencer os fiéis que deram as costas à Igreja a retornar ao catolicismo.

Alguns círculos católicos conservadores lamentam, no entanto, que o discurso de Francisco se concentre tanto na justiça social e paz no mundo, ao invés de promover os valores tradicionais da Igreja.

Quatro cardeais desafiaram o papa esta semana sobre um de seus textos fundamentais, que indica uma tímida abertura aos casais divorciados que voltam a se casar no civil.

“Os que buscam fomentar a divisão com uma ideia ruim não impedem o sonho”, reagiu Francisco em uma entrevista publicada na sexta-feira pelo jornal católico Avvenire.

“Alguns rigorismos nascem de uma falta, de uma vontade de esconder por trás de uma couraça sua própria triste insatisfação”, completou.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
1
Batizado de Davi Henrique, 6 anos
Reportagem local
Davi, de 6 anos, reclama do padre no batizado: “Tá sabendo ...
2
Sintomas da depressão
Reportagem local
8 sintomas físicos da depressão: fique atento a si mesmo e ao seu...
3
Reportagem local
Gritos levam polícia à casa de dois idosos, que choravam copiosam...
4
SIMONE BILES
Cerith Gardiner
Simone Biles deixa as Olimpíadas com uma lição importante para to...
5
Philip Kosloski
Mesmo com ouro e glória, Michael Phelps foi ao fundo do poço – ma...
6
Pessoa idosa rezando o terço
Reportagem local
Brasil: carta de despedida de bisavó de 96 anos comove as redes s...
7
HIDILYN DIAZ
Cerith Gardiner
Olimpíadas: depois de ganhar o ouro, atleta exibe outra medalha e...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia