Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Presidente de Angola desiste de tentar reeleição após 37 anos no poder

Parlamento iraquiano, em Bagdá, durante sessão em 8 de setembro de 2014

Compartilhar

O presidente angolano, José Eduardo dos Santos, no poder há 37 anos, desistiu de tentar um novo mandato em 2017 e cederá o lugar como líder do Movimento Popular de Libertação de Angola ao seu ministro da Defesa, João Lourenço, anunciou a rádio oficial.

Um comunicado do MPLA, lido na rádio do governo, reportou a decisão do chefe de Estado de 74 anos. Citando fontes do partido, a emissora avançou na nomeação do ministro da Defesa.

Pouco depois, João Pinto, membro do Comitê Central, confirmou à AFP que “o presidente José Eduardo dos Santos não será candidato” à sua sucessão.

A Constituição de Angola contempla que a Presidência corresponde ao líder do partido que tenha obtido mais votos nas eleições legislativas.

A candidatura do ministro da Defesa seria oficialmente anunciada no sábado, 10 de dezembro, por ocasião do 60º aniversário de criação do MPLA.

Há semanas circulavam boatos em Angola sobre a eventual retirada de Santos por questões vinculadas à saúde do presidente septuagenário.

O MPLA chegou ao poder em 1975, após a independência de Angola de Portugal.

Santos tomou o poder quatro anos depois da morte do líder histórico do MPLA, Agostinho Neto. Desde então, Santos tem conduzido este país, um dos mais pobres do mundo, apesar de ser o principal produtor de petróleo da África subsaariana.

Durante o primeiro quarto de século de vida independente, Angola foi palco de uma guerra civil com intervenções estrangeiras, entre elas de tropas cubanas.

(AFP)