Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quinta-feira 25 Fevereiro |
Beato Sebastião Aparício
home iconEstilo de vida
line break icon

O que fazer quando você quer crescer profissionalmente e seu chefe não ajuda?

Minerva Studio

Aleteia Brasil - publicado em 02/02/17

Uma parábola moderna com vários finais. Escolha o seu!

Tenho reparado em um mecanismo bastante recorrente em muitos líderes jovens, de minha idade. Eles têm desejo de mudança, de viver grandes coisas; sonham, leem artigos em blogs, livros, assistem tutoriais, participam de conferências e armazenam uma grande quantidade de conhecimento. No fundo, se perguntam: “Por que não eu? Estou certo que sou capaz, com um pouco de esforço posso conseguir.”

Depois, o clássico cenário: eles compartilham os projetos com seus mentores nas empresas e as reações recebidas podem ser diferentes. O mentor ou o líder pode se sentir motivado por ver um jovem tomar tais inciativas, ou, por outro lado, ser totalmente relutante com este tipo de atitude.

Em 80% dos casos, o resultado é mais ou menos o mesmo: frustração do jovem líder porque não consegue o impacto que esperava. E, então, tende a pensar: “O problema está no meu mentor, é um antiquado e não é capaz de compreender a importância dos meus objetivos e do que quero fazer, não é suficiente para mim por isso e por aquilo…” Mas como quer respeitar seu líder, fica como está, e acredita que, com o tempo, as coisas vão mudar.

Permita-me contar uma parábola para explicar a minha ideia:

Desde pequeno, Julián joga em um time de futebol na comunidade em que vive. É um dos melhores jogadores da equipe, e seu treinador está muito orgulhoso dele. Julián é torcedor do Real Madrid, assiste a todos os vídeos do time, segue os jogadores no Facebook, lê as biografias deles, absorve tudo, absolutamente tudo!

Um dia, Julián tem a oportunidade de assistir a uma partida do Real Madrid. É um grande momento em sua vida! O rapaz volta visivelmente aflito. Seu treinador pede que ele conte como foi a experiência e Julián diz, cheio de segurança: um dia serei como aqueles jogadores e nosso time será tão grande e famoso como o Real Madrid! O técnico não sabe muito bem o que responder diante da ambição e da determinação de Julián; ele escuta o rapaz, o motiva, mas não se posiciona, porque não quer decepcioná-lo.

As semanas passam, e Julián leva aquela ideia cada vez mais a sério. Começa a explicar as estratégias novas que o clube deve colocar em prática, quer aumentar o número de treinos, queria que o treinador investisse em equipamentos novos, que comprasse materiais.

O treinador tenta seguir o nível de exigência do garoto, mas, no fundo, está cansado. Tem outro trabalho e também uma família para se preocupar. Sua mulher, inclusive, fica brava  quando ele passa os fins de semana com o time. Quando ele era jovem, não havia equipe de futebol no povoado, foi ele quem criou, quem investiu dinheiro e quem dedicou tempo e sacrifícios. O treinador está contente com sua rotina e com o desempenho dos jovens.

Julián, de sua parte, está frustrado, Conhece os métodos de treinamento, estuda técnicas de publicidade para tentar encontrar patrocinadores e dar visibilidade ao time. Mas o técnico não compartilha de seu entusiasmo. E parece que não enxerga a verdade.

Uma diferença de ambições

Na maioria das vezes, o que acontece é que o líder jovem erra de campeonato: joga no regional e quer se transformar em um clube internacional. Sua preocupação está no fato de que o seu treinador não está disposto a pagar o preço da mudança. Ele já se sacrificou bastante. O líder jovem vai querer trocar de líder ou pressionar para que ele mude.

O líder, então, pode decidir tentar, mesmo que se conforme com sua experiência passada. E não há nada de errado com ele, pois cada geração se constrói sobre a base da anterior; sejamos líderes, chefes ou padres, devemos nos assegurar que nosso teto seja o chão deles. O desafio aparece quando o líder jovem erra de combate e, então, deverá analisar se seu líder está preparado para os sacrifícios que a nova mudança implica (mudanças de mentalidade, formação, tempo, dinheiro…). Se não for o caso, seria melhor mudar de contexto.

E o final da história? Na realidade, há vários finais

Pode ser que Julián fique como está por acreditar que é possível que seu treinador mude e que, quando chegar o momento, eles poderão avançar juntos. Mas, os anos passam e Julián desanima e acaba por ficar estancado na rotina do dia a dia. Logo, ele se transformará em treinador e atuará da mesma forma, com um discurso parecido com este: “Eu também fui jovem como você, cheio de motivação e determinação. Mas, na realidade, isso não funciona; eu já tentei de tudo.”

A segunda opção é Julián forçar a barra com seu treinador. O técnico se coloca na defensiva porque, apesar da boa vontade, não consegue mudar. A história termina em conflito e, como consequência, o time fica dividido. Então, Julián abandona seu sonho e fecha esta porta.

No entanto, também há duas opções positivas: o técnico decide se juntar a Julián nesta nova aventura. Aceita mudar seus métodos porque não pode confiar em ter resultados diferentes e mais satisfatórios conservando a mesma maneira de atuar.

Ou, melhor, Julián decide mudar de um time local para um regional, depois a outro nacional, e por fim, a um europeu. Desta maneira, ele se beneficiará de um treinamento mais adaptado a seus objetivos e a um nível totalmente novo.

Não podemos culpar nossos líderes por nossa própria falta de crescimento. Na maioria das vezes, temos a escolha e a possibilidade de avançar profissionalmente. Podemos decidir esperar e aprender a ser pacientes, ou tomar as rédeas e agir.

Não podemos ser muito exigentes com nossos líderes. Temos que aprender a celebrar tudo o que eles nos transmitem e reconhecer, mesmo que seja anos depois, seu trabalho por nós.

_

Por David Bonhomme

Tags:
TrabalhoVirtudes
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Eucaristia
Reportagem local
Diocese afasta padre que convidou pastor para “concelebrar&...
2
Padre Paulo Ricardo
Nossos tempos são os últimos? A Irmã Lúcia responde
3
OPERA SINGER
Cerith Gardiner
Cantora de ópera faz apresentação incomum e homenageia Maria e as...
4
DOMINIKANIN, SZCZEPIONKA COVID
Jesús V. Picón
Padre desenvolve vacina contra Covid-19 para os pobres
5
SPANISH FLU
Philip Kosloski
Os poderosos conselhos do Padre Pio durante uma pandemia na Itáli...
6
FATHER RANIERO CANTALAMESSA
Vatican News
Cuidado com a hipocrisia: a pureza de coração é condição para ver...
7
NIEPOKALANE POCZĘCIE
Reportagem local
Nossa Senhora se ajoelha no Céu toda vez que rezamos esta oração
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia