Aleteia
Sexta-feira 23 Outubro |
São Paulo Tong Viet Buong
Atualidade

Estado Islâmico cada vez mais pressionado no Iraque e na Síria

AP/EAST NEWS

Agências de Notícias - publicado em 07/03/17

Em Mossul, a segunda cidade do Iraque, as forças iraquianas se aproximam da cidade velha

Os extremistas do grupo Estado Islâmico (EI) se encontravam em dificuldades nesta segunda-feira diante das forças iraquianas em Mossul (Iraque) e no leste da Síria, onde uma aliança árabe-curda apoiada pelos Estados Unidos bloqueou um eixo estratégico.

O cerco se aperta cada vez mais nos dois principais redutos dos extremistas, Mossul, no Iraque, e Raqa, na Síria, onde os militantes desta organização ultraviolenta criaram em 2014 seu califado em um amplo território entre os dois países.

Em Mossul, a segunda cidade do Iraque, as forças iraquianas se aproximam da cidade velha avançando a partir de diferentes direções rumo ao bairro das administrações, às margens do rio Tigre que cruza a cidade.

As Forças de Intervenção Rápida iraquianas, que dependem do ministério do Interior, “avançam nos setores de Dawasa e Dindan para libertar os edifícios administrativos e abrir um caminho para permitir que as famílias deixem” seus bairros e fujam dos combates, declarou à AFP o coronel Abdelamir Mohammedawi.

O objetivo é tomar o controle dos edifícios do governo local da província de Nínive, situados perto da ponte Al Hurriya, um dos cinco que Mossul possui. “Ainda não alcançamos a ponte, estamos a alguns metros”, explicou o coronel.

As forças iraquianas lançaram no dia 19 de fevereiro uma ofensiva para reconquistar os bairros do oeste de Mossul e finalizar a tomada total da cidade, cuja parte oriental caiu em janeiro.

Os combates no oeste de Mossul obrigaram 45.000 pessoas a abandonar a cidade, segundo a Organização Internacional para as Migrações (OIM).

Mas a maior parte dos 750.000 habitantes deste setor permanecem na cidade, onde carecem de alimentos e atendimento médico.

A operação contra Mossul havia começado no dia 17 de outubro com o apoio crucial da aviação de guerra americana e de conselheiros militares enviados por Washington.

“Eixo estratégico”Na Síria, os Estados Unidos apoiam ativamente as Forças Democráticas Sírias (FDS), que “conseguiram nesta segunda-feira bloquear a principal via de abastecimento do EI entre a cidade de Raqa e a província de Deir Ezzor”, segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH).

Um dirigente das FDS confirmou à AFP que esta “estrada estratégica para o Daesh (EI) foi bloqueada nesta manhã” (segunda-feira). Trata-se de uma “vitória estratégica de nossas forças para reforçar o cerco” ao EI, ressaltou.

O eixo, de 140 km, é o único no vale do Eufrates que une Raqa com o norte de Deir Ezzor, situada mais ao sudeste em meio a uma região desértica e petroleira.

As FDS lançaram em novembro uma operação para cercar e tomar Raqa, com o apoio dos bombardeios da coalizão liderada pelos Estados Unidos.

Estes combatentes constituem “uma força irregular de infantaria leve, que se desloca a bordo de caminhonetes” e que tem “poucas armas pesadas”, explicou recentemente o chefe militar da coalizão contra os extremistas, o general americano Stephen Townsend.

O grupo é composto em 60% por combatentes árabes e em 40% por milícias curdas, em particular as Unidades de Proteção do Povo (YPG), o braço armado do Partido da União Democrática (PYD), segundo o general.

O EI também retrocede no noroeste da Síria. No dia 23 de fevereiro perdeu a cidade de Al Bab, na província de Aleppo, tomada pelas forças turcas aliadas a grupos rebeldes sírios após semanas de combates.

Paralelamente, os extremistas defendem suas posições no sudeste da província, diante do avanço das tropas do regime de Bashar al-Assad.

Os combates nesta região provocaram a fuga de 66.000 pessoas, indicou no domingo o Escritório da ONU para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA). Uma grande quantidade destes deslocados se refugiam na cidade de Minbej, nas mãos do FDS.

O Pentágono anunciou nesta segunda-feira que enviou soldados americanos próximo a esta localidade com o objetivo de evitar combates entre as diferentes forças presentes na área.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
Estado IslâmicoGuerraMundoTerrorismo
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
nuvens sinais
Reportagem local
Estão sendo fotografados "sinais do céu"?
Extremistas queimam igrejas no Chile
Francisco Vêneto
Por que queimam igrejas: Dom Henrique e Pe. J...
Rosário
Philip Kosloski
Benefícios do Rosário: 3 virtudes que aprende...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia