Aleteia

Estado Islâmico reivindica ataque ao hospital de Cabul

Moradores observam ônibus, alvejado por atirador enquanto carregava funcionários de um hospital militar, em 15 de junho de 2014, em Adem, no Iêmen.

Compartilhar
Comentar

"Rezem por nós", escreveu um médico no Facebook

O ataque contra o maior hospital militar do Afeganistão em Cabul terminou depois de seis horas de troca de tiros, indicaram nesta quarta-feira várias fontes das forças de segurança à AFP.

“O ataque terminou e todos os criminosos foram abatidos”, informou à AFP Sediq Sediqqi, porta-voz do ministério do Interior.

O grupo Estado Islâmico (EI) reivindicou o ataque.

“Um homem-bomba detonou explosivos diante do hospital militar. Vários criminosos entraram em seguida no edifício e continuam no local”, afirmou mais cedo à AFP uma fonte militar que pediu anonimato.

Os criminosos, com uniformes da equipe médica, entraram no hospital e atiraram à queima-roupa, afirmaram testemunhas.

“Estava trocando de quarto quando vi um homem com roupa de médico e que atirava com um fuzil AK-47 contra os guardas e os pacientes no terceiro andar. Consegui escapar, mas um amigo ficou ferido”, declarou à AFP o enfermeiro Abdul Qadeer.

“Estamos levando os pacientes para áreas seguras”, disse à AFP Abdul Hakim, um dos diretores do centro médico.

“O hospital Sardar Daud Khan está sendo atacado. Sabemos que vários criminosos vestidos com uniformes médicos entraram no local”, afirmou o porta-voz do ministério da Defesa, o general Daulat Waziri.

“Enviamos reforços”, completou o porta-voz, que citou “vítimas” no local.

Os primeiros tiros e uma explosão foram ouvidos às 9H10 locais (1H40 de Brasília). Uma hora e meia depois o ataque prosseguia.

Às 10h35 e 10H45 novas explosões foram registradas.

“Estava preparando meus pacientes para uma cirurgia quando vi três homens armados vestidos como médicos”, contou um médico a um canal de televisão.

“Atiraram na minha direção, mas consegui escapar. Os criminosos estão no hospital, tentamos controlar a situação”, completou.

“Rezem por nós”, escreveu outro médico no Facebook.

O hospital atende tanto os integrantes das forças de segurança como os insurgentes.

O primeiro-ministro Abdullah Abdullah citou “várias vítimas”, sem revelar detalhes.

O ataque acontece uma semana depois dos atentados suicidas de 1º de março contra duas sedes das forças de segurança de Cabul – da polícia e do Serviço de Inteligência (NDS) -, que deixaram 16 mortos e mais de 100 feridos.

A ação da semana passada foi reivindicada pelos talibãs.

(AFP)

Compartilhar
Comentar
Boletim
Receba Aleteia todo dia