Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sexta-feira 15 Janeiro |
Santo Arnoldo Janssen
home iconEm foco
line break icon

Mulheres, violência e religião em ‘Game of Thrones’

HBO 2016

Miriam Diez Bosch - publicado em 29/04/17

A religião se torna uma fonte de poder, também ligada ao poder feminino

A religião permeia a popular série da HBO Game of Thrones. Do culto religioso dos Sparrows, com suas semelhanças com a Inquisição, à conexão entre a adoração do Deus da Luz e os fundamentos do Zoroastrismo.

No começo da série, os territórios sobre o qual aprendemos são disferenciados pela religião, já que a religião é que organiza os reinos: o norte é a terra dos deuses velhos e de seus weirwoods; a capital de Westeros é a sede do Great Sept, onde as mais altas autoridades da Fé dos Sete se reúnem. Uma vez que a religião serve para contextualizar a história, a série mostra a estética e rituais das religiões, de protagonistas como Ned Stark orando aos Deuses Antigos nos bosques, e os funerais em King’s Landing.

No entanto, a religião vai além de ser o contexto (histórico, mas remanescente dos tempos medievais e da idade moderna) de Game of Thrones, para se tornar uma fonte de poder, também ligada ao poder feminino.

À medida que os homens começam a escassear (devido às baixas diretas da guerra e a várias outras mortes na guerra para governar os Sete Reinos), as mulheres – e sua relação com a espiritualidade – começam a assumir maior importância.

A guerra tem minado parcialmente fontes anteriores de legitimidade para o poder, como as relações familiares ou o carisma daqueles que procuram o poder, e por isso há líderes que começam a buscar o endosso das autoridades religiosas para apoiar a sua causa. No entanto, figuras religiosas como o High Sparrow e as sacerdotisas do Senhor da Luz também têm ambições próprias. Como resultado, a série mostra negociações constantes entre autoridades públicas e religiosas.

Nesta série – especialmente a versão na tela (mais do que nos livros) – sexo, mulheres e religião estão conectados. As sacerdotisas que servem ao Senhor da Luz, como Melisandre, usam sua sensualidade para seduzir o povo e seus líderes políticos; os Sparrows, ao contrário, impõem uma visão da sexualidade feminina basicamente limitada à reprodução e subordinação ao desejo dos homens. Como resultado, os corpos das mulheres recebem um novo significado: para Melisandre e as outras sacerdotisas, seus corpos são uma fonte de poder, enquanto o High Sparrow força Cersei Lannister, a Rainha Regente na época, a andar nua diante de todo o povo de King’s Landing como penitência pelos seus pecados.

Daenerys Targaryen: Um papel messiânico?

A Mãe dos Dragões, Daenerys Targaryen, é – como John Snow – um personagem com uma trama messiânica ao longo de toda a série. Ela tem direito ao Trono de Ferro, porque pertence à dinastia que governou Westeros por três séculos, e ela tem três dragões que lhe dão tanto simbólico (por causa de sua natureza mágica) quanto o poder militar. No entanto, Daenerys também deve cuidar deles, a ponto de, às vezes, eles parecerem mais como um fardo do que uma fonte de poder.

Os dragões nascem quando ela perde seu filho biológico e seu marido, que era o líder de uma poderosa tribo de nômades guerreiros. Assim, a perda de seu filho e sua desassociação de uma figura de autoridade masculina coincidem com sua ascensão ao poder. Ela compartilha esse tipo de situação com Cersei Lannister, que finalmente é coroada Rainha dos Sete Reinos após a morte de seus três filhos, dois dos quais eram, por sua vez, reis.

Estas são algumas das ideias que foram apresentadas na Conferência Internacional sobre Religião e Espiritualidade na Society at the Imperial College in London, de Marta Roqueta, jornalista, editora da revista Zena e aluna do programa de Mestrado em Estudos de Gênero da Escola de Estudos Orientais e Africanos de Londres.

A apresentação faz parte de um estudo mais amplo que está sendo realizadopelo Observatório Banquerna sobre Mídia, Religião e Cultura da Universidade Ramon Llull. Ele será publicado mais tarde, incluindo exemplos de todas as estações da série da HBO.

Tags:
ArteCinemaReligião
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Na íntegra: as três partes do Segredo de Fáti...
UNPLANNED
Jaime Septién
Filme contra o aborto arrasa nas bilheterias ...
BABY BAPTISM
Padre Reginaldo Manzotti
Por que é tão importante batizar uma criança?
Deserto de Negev
Francisco Vêneto
Pedra de 1.400 anos com inscrição mariana é e...
KRZYŻYK NA CZOLE
Beatriz Camargo
60 nomes de bebês que carregam mensagens pode...
Reportagem local
Papa Francisco: cuidado com os cristãos que s...
POPE JOHN PAUL II
Philip Kosloski
"Não tenhais medo": a frase mais usada por Sã...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia