Aleteia

Ser feliz é uma escolha, sofrer faz parte

eakkaluktemwanich
Compartilhar
Comentar

Enfrentar os desafios da vida com alegria aumenta a disposição e revigora as energias

A felicidade deve estar entre nossas maiores prioridades de vida. Já ouvi muita crítica sobre vivermos uma época em que a felicidade virou uma obrigação e que nunca se falou tanto nela. Oras, ninguém consegue ser feliz por obrigação, a felicidade é sentimento, tem que surgir lá no íntimo, onde não há como se enganar, muito menos servir de aparência.

Felicidade aparente é ilusão passageira

Entretanto, é preciso que estejamos alertas para que a busca pela felicidade não se torne a busca apenas pela aparência. A exposição nas redes sociais, por exemplo, incentiva pessoas que cultivam o gosto de demonstrar sentimentos que nem sempre são verdadeiros e, por outro lado, isso causa certo descontentamento em quem “assiste” a tanta satisfação. Duas situações muito negativas; a primeira porque quem vive de aparência não se dedica à essência e, portanto, não é feliz realmente; a segunda porque quem vive reparando na vida dos outros, não tem tempo de investir na própria vida.

A felicidade é a realidade vista com otimismo

Muitos já estão percebendo que enfrentar os desafios da vida com alegria aumenta a disposição e revigora as energias. A autoconfiança, consequência da boa autoestima, tem se mostrado fundamental para o bom desempenho, tanto na vida pessoal, como profissional. Mas não se pode entender que a opção pela felicidade nos livre das dificuldades e perdas que causam sofrimento e fazem parte da vida de qualquer pessoa. Buscar a felicidade não é ignorar a realidade, e sim enxergá-la sob um ângulo otimista, afinal, a maneira como encaramos qualquer situação definirá como iremos nos sentir. Todos nós temos nossas dificuldades e nem tudo é cor de rosa na vida de ninguém, mas é possível encarar os momentos difíceis como aprendizado, buscando agir sempre de forma a sentir-se satisfeito consigo mesmo.

A gratidão gera felicidade

Assim, penso que a felicidade deve ser aclamada, mas principalmente vivida de forma real e verdadeira. Quem é realmente feliz não tem necessidade de aparências; demonstra em atos, na forma de viver, e inspira outras pessoas. A felicidade depende, pois, de cada um, da forma como busca exemplos e se dedica a vivenciá-los em sua alma. Acredito na felicidade como consequência da gratidão, que nos faz valorizar tanto as coisas boas, que as outras ficam em segundo plano.

Ser feliz não é um luxo ou trivialidade; é uma necessidade e um direito incondicional de todo o ser humano. Experimente!

(via Suely Buriasco)

Boletim
Receba Aleteia todo dia