Aleteia

O dia em que uma bomba caiu na igreja e as hóstias ficaram manchadas de sangue

Facebook Latin Parish St. Francis in Aleppo
Fray Ibrahim con monjes franciscanos en Alepo
Compartilhar
Comentar

Um frade de Alepo interpreta isso como um sinal da presença de Deus

No dia 25 de outubro de 2015, um projétil dos jihadistas atingiu a paróquia de São Francisco em Alepo, na Síria, enquanto o frade Ibrahim dava a comunhão. A bomba não estourou, mas houve feridos. “As hóstias ficaram manchadas com o sangue dos fiéis. Fiquei muito impressionado. Foi um sinal irrevogável da presença do Senhor em comunhão conosco”.

“Não me permita ver as necessidades sem poder enfrenta-las”, pediu o franciscano a Deus antes de chegar a esta cidade. E foi ouvido. Desde que chegaram, os franciscanos entregam pacotes de comida cada vez mais completos e a mais famílias. Dão todo o dinheiro que têm para pagar remédios, aluguéis e até para quitar hipotecas atrasadas.

Em fevereiro de 2015, os bancos fecharam o cerco contra  as famílias de Alepo que ainda viviam em suas casas, embora elas estivessem danificadas e mesmo que muitos deles tivessem perdido seus trabalhos e negócios por causa da guerra. Os bancos ameaçavam despejar os moradores com pagamentos atrasados.

Durante a guerra de Alepo, que terminou em dezembro, os religiosos ajudavam depois de cada bombardeio, arrumando as casas que tinham perdido paredes e até as que foram destruídas.

E quando corta a água – antes da Semana Santa, faltou água durante 70 dias – eles deixam as portas do convento abertas durante todo o dia. Lá há dois canos que levam água do poço para a rua. Eles compraram recipientes para as casas e um grupo leva o líquido para quem não pode carregar.

O franciscano é consciente de que, sem a força de Deus e da oração nada acontece.  “Cristo está presente no meio do seu povo e o ajuda através de seus pastores. A fadiga que sentimos não é um obstáculo”, diz Ibrahim.

Com olheiras, o frade reconhece que dorme pior agora. Em princípio, as bombas não o acordavam. Agora, ele acorda com qualquer barulhinho. Um dia de 2016, depois de horas visitando famílias, um coroinha lhe disse: “Quando o senhor chegou aqui, o senhor sempre sorria. Agora, não”.

Não poucas vezes, as palavras dele transparecem a perplexidade: “Já não temos a percepção do que acontece e não sabemos de quem é a culpa. Já não somos capazes de encontrar um significado para isso. Ficamos sem palavras”.

Houve dias especialmente extenuantes, como o do funeral de Bassam, um menino de 8 anos que foi atingido com uma bala na cabeça enquanto brincava. “Para mim foi uma luta terrível contra o caos e o despreparo da família e da comunidade”, desabafa o frade.

Ao mesmo tempo em que ele acompanhava os pais da criança, tentava acalmar o resto dos familiares e os escuteiros, que queriam fazer protestos com o caixão.

Alguns dias, o frade chegou a se sentir “rasgado” com todos os pedidos que chegavam: “ficávamos sem palavras diante de tudo o que  tínhamos a fazer pela frente. Tive que confiar completamente na Providência, na certeza de Deus não me abandonaria”.

A confiança dos frades em Deus é acompanhada dos próprios sacrifícios. Ainda hoje, eles tomam banho com apenas um litro de água e jejuam. “Decidimos experimentar o que significa a fome”, diz.

Em meio a tanta atividade, os franciscanos de Alepo de desdobram para manter a fé dos fiéis. A paróquia de São Francisco oferece duas Missas diárias, catequese e diversos grupos e direção espiritual.

___

 

Por María Martínez López

Artigo originalmente publicado por Alfa y Omega, traduzido e adaptado ao português

Boletim
Receba Aleteia todo dia