Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Receba o nosso boletim

Aleteia

Quando até a Ferrari chorou a morte de São João Paulo II

Rabih Moghrabi | DPA | AFP
Compartilhar

Seus carros “vestiram” luto pelo pontífice em corrida de Fórmula 1

Em janeiro de 2005, a equipe da Ferrari foi recebida por São João Paulo II no Vaticano. Participaram da audiência, entre outros, o presidente do grupo, Luca de Montezemolo, e os pilotos Michael Schumacher, Rubens Barrichello e Luca Badoer.

Todos eles declararam ter sentido algo especial.

Rubinho Barrichello afirmou que conversar com o Papa João Paulo II era um dos seus sonhos. Michael Schumacher destacou que foi “belíssimo ver a força do pontífice”.

A visita ficou tão marcada na scuderia que, quando São João Paulo II faleceu, em 2 de abril do mesmo ano, a equipe fez questão de lhe prestar uma homenagem. No dia seguinte ao falecimento do Papa, os carros da Ferrari disputaram o Grande Prêmio do Bahrein com o “bico” destacado em preto como sinal de luto.

O carinho da Ferrari por São João Paulo tinha se intensificado em 1988, quando o pontífice visitou as instalações do grupo em Maranello. A Ferrari, na ocasião, doou um novo “papamóvel” ao Vaticano. Esse mesmo carinho se impôs aos critérios do “grande show midiático” da Fórmula 1 e ousou manifestar o luto por um Papa onde tal manifestação não seria esperada.