Aleteia
Sábado 24 Outubro |
São Maglório
Religião

Sob ameaça de morte, é permitido fingir que renegamos a fé cristã?

DR / YouTube

deash-copts-video

Julio De la Vega Hazas - publicado em 12/07/17

Até que ponto podemos ser chamados ao martírio?

A resposta para esta questão é bastante drástica. Existe algum caso em que o cristão pode renegar a sua fé? Não. E se ele estiver sob ameaça de morte de um fanático terrorista? Também não. E se for evidente e inevitável que ele vai ser assassinado se não renegar a fé cristã? Também não. E se for só “de mentirinha”, quando, na verdade, ele conserva a fé interiormente? Também não. Mas ele vai perder a vida! Alto lá: ele vai perder esta vida, mas não A Vida! Aliás, ele vai ganhá-la de modo garantido: o sincero e autêntico martírio pela fé, afinal, nos confere indulgência plenária!

©Tony Rezk

São João Paulo II abordou esse tema na encíclica Veritatis splendor. Ela contém uma seção intitulada O martírio, exaltação da santidade inviolável da lei de Deus (números 90-94).

O número 91 nos diz:

A Igreja propõe o exemplo de numerosos santos e santas que testemunharam e defenderam a verdade moral até ao martírio ou preferiram a morte a um só pecado mortal. Elevando-os à honra dos altares, a Igreja canonizou o seu testemunho e declarou verdadeiro o seu juízo, segundo o qual o amor de Deus implica obrigatoriamente o respeito dos seus mandamentos, inclusive nas circunstâncias mais graves, e a recusa de atraiçoá-los, mesmo com a intenção de salvar a própria vida.

A última frase diz tudo.

Prossegue o texto no número 92:

No martírio, enquanto afirmação da inviolabilidade da ordem moral, refulge a santidade da lei divina e, conjuntamente, a intangibilidade da dignidade pessoal do homem, criado à imagem e semelhança de Deus: é uma dignidade que nunca é permitido aviltar ou contrariar, nem mesmo com boas intenções, sejam quais forem as dificuldades. Jesus adverte-nos, com a máxima severidade: «Que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma?» (Mc 8, 36).

Convém notar as palavras “nem mesmo com boas intenções”. A boa intenção é um elemento necessário no agir, mas não é suficiente. A boa intenção não transforma o que é mau em bom; por isso, não pode justificar o que injustificável.

No Evangelho também encontramos algumas palavras do próprio Jesus que fecham a questão:

“Todo aquele que me confessar diante dos homens, também eu o confessarei diante do meu Pai que está nos céus. Mas aquele que me negar diante dos homens, também eu o negarei diante do meu Pai que está nos céus” (Mt 10, 32).

Sim, custa entender que a mensagem de Jesus no Evangelho seja tão exigente; mas ela é. E é até o extremo.

O exemplo dos cristãos coptas martirizados pelos fanáticos do Estado Islâmico, em 2015, é certamente admirável. A Igreja copta os proclama oficialmente santos: afinal, eles deram a vida por Cristo.

Aliás, a propósito deles:

DR : YouTube

O que a mídia não mostrou sobre o vídeo da execução dos 21 cristãos egípcios

Na época do Império Romano, as perseguições foram atrozes e, algumas, generalizadas. E nunca houve dúvidas entre os fiéis cristãos de que eles eram chamados a confessar a fé até o martírio. Eles eram orientados a não procurar o martírio, mas, caso se vissem em tal situação, a encará-lo de frente, sem temer, sem hesitar, sem rejeitar a sua fé. Não havia desculpas.

O que chegou a ser discutido foi o perdão e o reingresso na Igreja daqueles que, por fraqueza, tinham cedido. A questão se resolveu sempre de acordo com o Evangelho: sim, é claro que é possível o perdão e o retorno à Igreja, pois não existe pecado que Deus não esteja disposto a perdoar a quem está sinceramente arrependido e pede misericórdia de coração contrito e confiante. Mas ninguém duvidava de que a negação da própria fé, mesmo diante de uma ameaça tão apavorante, era um pecado gravíssimo, já que não priorizava o amor a Deus acima de todas as coisas.

A história também testemunha a serena fortaleza dos mártires.

Deus sempre deu a Sua graça – extraordinária, se quisermos qualificá-la assim – para encarar essa prova suprema e esse chamado extremo a testemunhar a fé. Aliás, “martírio”, em grego, significa precisamente “testemunho”.

Tertuliano escreveu, por volta do ano 200, que o sangue dos mártires era semente de novos cristãos. Foi assim, é assim e será assim.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
História da IgrejaMártiresPerseguiçãoTerrorismoTestemunho
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
Papa Pedro João Paulo II Bento XVI Francisco
Reportagem local
Pedro, João Paulo, Bento e Francisco: 4 Papas...
SAINT MICHAEL
Philip Kosloski
Oração a São Miguel por proteção contra inimi...
Rosário
Philip Kosloski
Benefícios do Rosário: 3 virtudes que aprende...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia