Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia
María Álvarez de las Asturias
Como ajudar um casal que se separou?
Padre Reginaldo Manzotti
Oração para pedir luz ao Senhor
Padre Reginaldo Manzotti
5 lições de vida para ser feliz
Prosa e Poesia
Os recomeços
Vatican News / Redação da Aleteia
Papa aos juízes: não buscar interesse pessoal

A tristeza pode ser boa ou má: São Francisco de Sales explica a diferença

Shutterstock
Compartilhar

A tristeza tem 2 efeitos bons e 6 ruins

A tristeza pode ser boa ou má. A tristeza que vem de Deus, diz São Paulo, opera a penitência para a salvação; e a tristeza que vem do mundo opera a morte.

A tristeza pode, pois, ser boa ou má, segundo os efeitos que em nós produz. É verdade que há mais efeitos maus do que bons; porque só há dois bons: misericórdia e penitência; e seis maus: angústia, preguiça, indignação, inveja, impaciência e ciúme. É por isso que diz o sábio: “A tristeza mata muita gente e nada com ela ganhamos“; porque há dois bons regalos que dela provém, mas seis maus efeitos.

O inimigo serve-se da tristeza para exercitar a perseverança dos bons; porque, assim como procura alegrar os maus no pecado, procura entristecer os bons nas boas obras; e assim como não pode atrair para o mal senão tornando-o agradável, também não pode afastar do bem senão tornando-o odioso.

O demônio só pede tristeza e melancolia; porque, assim como ele está para toda a eternidade triste e melancólico, assim desejaria que todos também estivessem.

A tristeza má perturba a alma e a inquieta, lhe incute temores desregrados e a afasta da oração; atormenta o cérebro e priva a alma de conselho, resolução, juízo e coragem, absorvendo-lhe completamente as forças. Em breve tempo ela estará como um rigoroso inverno, que apaga toda a beleza da terra e atormenta os animais; porque priva a alma de toda consolação e torna impotentes as suas faculdades.

Já a tristeza boa deixa grande paz e tranquilidade no espírito. É por isso que Nosso Senhor, dizendo aos seus apóstolos: “Vós estareis tristes“, acrescenta: “Não se perturbe o vosso coração; nada temais“.

A tristeza má vem como saraiva, com uma mudança inopinada e grandes terrores e impetuosidade, e de repente, sem que se possa dizer de onde vem, porque não se deixa adivinhar. Entretanto, a tristeza boa chega docemente à alma, como uma chuva fina, que tempera os ardores das consolações, e com algumas razões precedentes.

A tristeza má perde o coração e o atormenta, tornando-o inútil, fazendo-lhe perder o cuidado das boas obras, como diz o salmista, e como Agar, que deixou o filho debaixo da árvore para chorar. A tristeza boa dá força e coragem, e não deixa nem abandona um bom desígnio; esta foi a tristeza de Nosso Senhor, que, embora fosse a maior que existiu, não lhe impediu a oração nem o cuidado dos seus apóstolos. E Nossa Senhora, tendo perdido seu Filho, ficou muito triste, mas nem por isso deixou de procurá-Lo com diligência, como também o fez Madalena, sem se demorar a lamentar-se e chorar inutilmente.

A tristeza pecaminosa obscurece o entendimento, priva as almas de conselho, de resolução e discernimento, como sucede àqueles de quem diz o salmista que “os perturbaram e abalaram como um ébrio, e ficaram privados de sabedoria” (Salmo CVI, 27). Procuram-se remédios aqui e além, confusamente, sem tino e às apalpadelas. A tristeza santa abre o espírito, torna-o claro e luminoso, e, como diz o salmista, dá inteligência.

A pecaminosa impede a oração e a contemplação e faz desconfiar da benignidade divina; pelo contrário, a santa tristeza nos fortalece na bondade de Deus e nos impele a invocar a Sua misericórdia. “As tribulações e angústias me perturbaram, mas os vossos mandamentos foram a minha meditação”.

Em suma, os que estão possuídos da tristeza pecaminosa mergulham numa infinidade de horrores, erros e temores inúteis, receando ser abandonados por Deus. Tudo lhe parece contrário à sua salvação; são como Caim, que pensava que todos os que encontrava o queriam matar. Julgam que Deus será injusto e severo só com eles por toda a eternidade; pensam que os outros são muito mais felizes do que eles. É da soberba que provém tal crença, que lhes persuade que deveriam ser muito melhores do que os outros e mais perfeitos que ninguém.

A tristeza santa, porém, discorre assim: “Sou uma criatura miserável, vil e abjeta: mas Deus usará de misericórdia para comigo; porque a virtude se acrisola na doença e não se aflige por ser pobre, miserável“.

Ora, o fundamento da oposição que se oferece entre a boa e a má tristeza é que o Espírito Santo é o autor da tristeza santa e, por ser o único Consolador, as suas operações trazem consigo luz e claridade. Por consequência, essas operações são inseparáveis do verdadeiro bem; porque os frutos do Espírito Santo, diz São Paulo, são caridade, alegria, paz, paciência, benignidade, longanimidade.
Pelo contrário, o espírito maligno, autor da má tristeza (porque não aludo à tristeza natural que tem mais necessidade de medicina do que de teologia), é um verdadeiro estrago, tenebroso e aniquilador, e os seus frutos só podem ser ódio, tristeza, inquietação, pesar, malignidade e desalento. Ora, todos os sinais da má tristeza são os mesmos que os do mau temor.

___________

São Francisco de Sales, em Filoteia.

Aleteia Top 10
  1. Lidos