Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Domingo 11 Abril |
Santo Estanislau de Cracóvia
home iconAtualidade
line break icon

Papa intercede pelos pobres e pede solução para crise na Venezuela

CARTAGENA,POPE FRANCIS

Marko Vombergar | Aleteia | I.Media

Agências de Notícias - publicado em 10/09/17

O Papa Francisco fez neste domingo, na cidade colombiana de Cartagena, um chamado contra a “violência política na Venezuela” e em favor de uma “solução para a grave crise” que atinge aquele país.

Após o Angelus, o pontífice fez uma “oração especial pela vizinha Venezuela”, e pediu que se rejeite “todo tipo de violência na vida política e se encontre uma solução para a grave crise que se está vivendo e afeta todos, principalmente os mais pobres e menos favorecidos”.

Em discurso na igreja San Pedro Claver, Francisco pediu uma saída para a situação política e econômica difícil que os venezuelanos enfrentam.

O pontífice dirigiu sua mensagem ao povo venezuelano em particular, e aos mais de 300 mil imigrantes que encontraram na Colômbia “um lugar de acolhida”, entre eles milhares que cruzaram a fronteira devido ao agravamento do confronto entre o governo de Nicolás Maduro e a oposição.

O Vaticano apoiou as tentativas de diálogo entre Maduro e seus adversários políticos, paralisadas desde antes de o presidente venezuelano apoiar a instalação da Assembleia Constituinte, que rege com plenos poderes desde 4 de agosto.

Esta foi a segunda vez em cinco dias que Francisco defendeu uma solução pacífica para a Venezuela.

O Papa Francisco pediu neste domingo uma solução para a “grave crise na Venezuela”, no último dia de sua visita à Colômbia, que dedicou aos pobres e imigrantes em Cartagena, cidade tão turística quanto castigada pela desigualdade social.

Francisco rezou o tradicional Angelus na Igreja de São Pedro Claver, jesuíta defensor dos escravos no século XVII, e, depois, dirigiu uma “mensagem especial à vizinha e amada Venezuela”.

Ele pediu que se rejeite “todo tipo de violência na vida política e se encontre uma solução para a grave crise que se está vivendo e afeta todos, principalmente os mais pobres e menos favorecidos”.

O Vaticano apoiou as tentativas de diálogo entre Maduro e seus adversários políticos, paralisadas desde antes de o presidente venezuelano apoiar a instalação da Assembleia Constituinte, que rege com plenos poderes desde 4 de agosto.

Esta foi a segunda vez em cinco dias que Francisco defendeu uma solução pacífica para a Venezuela.

O pontífice argentino também dedicou seu último dia na Colômbia a entrar em contato com os negros e pobres de Cartagena, joia turística e uma das cidades que registram a maior desigualdade social no país, que está entre os mais afetados por este fenômeno na América Latina, depois de Honduras.

Francisco fez uma visita rápida a San Francisco, subúrbio colado à pista do aeroporto internacional, com ruas desordenadas e casas precárias, e abençoou a pedra fundamental de um abrigo.

“Este é um bairro de esquecidos. Aqui há muita gente que faz apenas uma refeição por dia”, disse à AFP o pedreiro Willy Martínez, 43. “Mas o mais grave aqui é a corrupção, é pior do que os tiros da guerrilha e os paramilitares”.

“A visita do Papa foi o reconhecimento desta parte tão vulnerável da cidade, um aviso aos políticos, para lhes dizer que esta desigualdade tão grande não é boa para ninguém”, comentou o estudante de informática Carlos Acevedo, 23, enquanto secava as lágrimas.

– Uma ferida na despedida –

Antes de deixar o bairro, Francisco sofreu um leve acidente no papamóvel. Quando saudava a multidão que se aglomerava nas ruas, bateu com o rosto contra o vidro do carro durante uma freada, o que resultou em um corte no supercílio.

Apesar do acidente, o Papa continuou o trajeto de 3,5 km até a praça central de San Francisco.

Francisco irá celebrar uma missa campal, e, após se despedir no aeroporto, retornará ao Vaticano, encerrando sua quinta visita á América Latina, marcada por uma mensagem potente de apoio à paz na Colômbia, que tenta superar cinco décadas de conflito armado.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia