Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Por que você precisa começar a ser a mãe que estabelece limites

Upset Child
Shutterstock
Compartilhar

Realmente está prejudicando meus filhos tentar dar-lhes a infância mais incrível de todos os tempos

Eu não sei sobre você, mas acho difícil dizer “não” aos meus filhos. Às vezes é porque eu odeio decepcioná-los, particularmente quando eles estão passando por um momento difícil na escola ou com amigos. Às vezes é porque eu queria poder dizer “sim” e me sinto culpada de não poder. Mas, na maioria das vezes, é porque simplesmente não quero lidar com isso.

Você sabe o que quero dizer… o choramingo, a súplica, o choro. As intermináveis e intermináveis ​​​​negociações. E o pior de tudo, a pergunta: “Por que você é tão , mamãe?”.

É por isso que eu estremeci quando eu li esta publicação na Scary Mommy, recordando-me de forma útil a minha culpa pelos filhos mimados.

“Você está fazendo o seu melhor porque quer que eles sejam felizes. Você está muito envolvida porque quer saber o que está acontecendo na vida deles. Você quer que eles se sintam especiais e importantes. Você nunca chegou atrasada para buscá-los. Você agenda, organiza e sugere atividades. Você gira em torno deles como um helicóptero. Você faz um milhão de perguntas. Você quer que suas vidas sejam incríveis e enriquecidas. Você não quer que eles se decepcionem. Sempre”.  

“Mas, você está cometendo erros, e eu também. E agora nossos filhos são mimados”.

É, a verdade dói.

A verdade é: eu faço todas essas coisas até certo ponto. Mas eu tento e me certifico de que eles têm atividades para fazer e amigos para brincar e projetos para preencher seu tempo, mesmo quando essas atividades e amigos e projetos atrapalhem toda a minha agenda. Às vezes eu digo “não, é impossível hoje, porque eu tenho muito coisa para fazer”, mas então eu costumo me sentir culpada e encontro uma maneira de fazer o que eles pedem.

Como resultado, meus filhos se queixam. Muito. Eles ficam desapontados com pequenas coisas porque sabem que eu odeio decepcioná-los.

Mas aqui está o problema – a vida implica frustrações. Simplesmente é assim. Ela não é sempre incrível e enriquecedora – na verdade, muitas vezes não é. Isso é o que torna as partes impressionantes e enriquecedoras tão especiais. Ao não prepará-los para lidar com a realidade da frustração, não os preparo para lidar com a realidade da vida.

Realmente está prejudicando meus filhos tentar dar-lhes a infância mais incrível de todos os tempos. Esse não é o meu trabalho. Meu trabalho como mãe é ajudar a formá-los como seres humanos plenos, que enfrentarão com coragem e cabeça erguida o que a vida lhes propor.

Isso significa ensinar-lhes que a vida dá trabalho. Isso significa dar-lhes tarefas e responsabilidades, e cobrá-los nisso, então eles aprendem a se orgulhar de um trabalho bem feito.

Significa ensinar-lhes que a vida não se curva em torno das suas mínimas vontades e caprichos. Eles têm que aprender que a vida está cheia de limites.

E todas essas lições exigem que eu me torne a mãe que sabe dizer não e estabelecer limites, com firmeza. A mãe que sabe o seu lugar, e perante a qual os filhos sabem que espernear é perda de tempo.

Eles podem pensar que eu sou a mãe limitadora agora, e eles podem até pensar isso por muitos anos. Mas quando eles crescerem vão perceber a mamãe não era má; ela realmente estava tentando cumprir sua tarefa, para o próprio bem deles.

Então, da próxima vez que seus filhos se irritarem por você não ser uma fada que atende a todos os pedidos, não se preocupe. Você não está sendo uma mãe cruel, mas simplesmente uma boa mãe, e um dia eles ainda vão agradecer por isso.

(PS: Obrigada, mãe!)