Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Mais essa: diocese precisou emitir nota sobre jovens que se passam por padres…

© Shutterstock
Compartilhar

Três jovens leigos estão usando vestes eclesiásticas e litúrgicas para celebrar falsas missas e sacramentos

Reproduzimos a seguinte nota da diocese brasileira de Caruaru:

__________

A Diocese de Caruaru reconhece e respeita o direito constitucional à liberdade religiosa do nosso país. Todavia, tendo recebido comunicação fidedigna sobre o uso de vestes eclesiásticas e litúrgicas por parte de cristãos leigos residentes em Gravatá – PE e Camocim de São Félix – PE e tendo em mãos fotografias que confirmam esta usurpação, a Diocese de Caruaru, no uso das suas atribuições, declara que:

  • José Lucas Carlos Pinheiro, nascido em Gravatá aos 11/02/1998
  • Jonathan Alifer Albuquerque da Silva, nascido em Apucarana – PR aos 07/06/1996
  • Carlos, de Camocim de São Felix

afastaram-se da Igreja Católica, Apostólica, Romana e vêm confundindo o povo com roupas litúrgicas da Igreja Católica, afirmando que celebram Missa e outros sacramentos, numa inequívoca afronta à legislação vigente, notadamente o Artigo 7° do Decreto n. 7.107, de 11/02/2010 (Acordo Brasil – Santa Sé), que “garante a proteção dos lugares de culto da Igreja e de suas liturgias, símbolos, imagens e objetos cultuais contra toda forma de violação, desrespeito e uso ilegítimo”.

Conclamamos os fiéis católicos a permanecerem em comunhão com a Igreja Católica, com o Papa Francisco e com o Bispo Diocesano e, portanto, a não participarem de celebrações por eles promovidas, pois as mesmas não têm nenhum valor religioso ou sacramental. O Código de Direito Canônico preceitua que “quem não é promovido à ordem sacerdotal e simula a administração de um sacramento seja punido com justa pena” (Cân. 1378 e 1379).

Declaramos também que, se os mesmos manifestarem o desejo de voltar à Igreja Católica, onde foram batizados, renovando com declaração pública o propósito de aderir à disciplina da Igreja Católica, poderão ser readmitidos à comunhão eclesial após um período de renovação espiritual.

Cúria Diocesana de Caruaru, 13 de outubro de 2017.

Pe. Emerson Mozart da Silva
Chanceler da Cúria

Dom Bernardino Marchió
Bispo diocesano de Caruaru