Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Terça-feira 27 Julho |
São Galactório
home iconEstilo de vida
line break icon

Você pode aprender a ser mais resiliente – veja como

KOBIETA NA LEŻAKU

Pexels | CC0

Calah Alexander - publicado em 10/12/17

O treinamento para isso é semelhante ao esporte e outros desafios físicos

Quando você pensa em resiliência, qual imagem vem à sua mente? Uma montanha, forte e inflexível? Um elástico que pode ser esticado, impossível de arrebentar?

A maioria das pessoas tende a pensar em resiliência como a qualidade de poder passar por tempos difíceis saindo ileso, mas isso não é resiliência. A resiliência é a capacidade de se adaptar ao trauma, tragédia e estresse sem ser destruído por eles. E não é uma qualidade inata – é algo que pode ser (e muitas vezes é) aprendido.

Um artigo recente no Washington Post analisou vários estudos feitos de crianças que enfrentaram trauma de infância e a superaram e descobriram que “a resiliência é uma batalha contínua, uma maneira de se aproximar da vida, não um salto reparador”. E não é apenas uma habilidade que as crianças aprendem – um estudo descobriu que os prisioneiros políticos que haviam sido torturados eram mais propensos a sofrer de TEPT (transtorno de estresse pós-traumático) se abandonassem a luta internamente e externamente. Os prisioneiros que continuaram desafiando suas próprias mentes, mesmo que fizeram isso externamente, eram muito menos propensos a sofrer de TEPT. Isso porque a resiliência é uma espécie de dureza que pode ser aprendida através da prática.

Lidar com o estresse é muito parecido com o exercício: nos tornamos mais fortes com a prática. O psicólogo da Universidade de Nebraska, Richard Dienstbier, explica como isso funciona com seu “modelo de resistência”, publicado pela primeira vez em 1989 na revista Psychological Review.

O Dr. Dienstbier reuniu provas de uma ampla gama de estudos humanos e animais que demonstram que a exposição a estressores intermitentes, como temperaturas frias e exercícios aeróbicos, tornaram os indivíduos fisiologicamente “mais resistentes”. Eles ficaram menos oprimidos por subsequentes dificuldades e por sua própria excitação de luta ou fuga. Isso faz a diferença, porque quando um estressor parece gerenciável, percebemos isso como um desafio, e a adrenalina – que impulsiona energia, foco e enfrentamento – é lançada. No entanto, quando um estressor parece incontrolável, percebemos isso como uma ameaça e nossos níveis de cortisol aumentam também, suprimindo nosso sistema imunológico e nos tornando mais vulneráveis ​​a doenças.

Além do mais, escreveu o Dr. Dienstbier, os indivíduos resistentes procuram cada vez mais experiências que os estimulam e proporcionam oportunidades para mais domínio e sucesso. É um círculo virtuoso.

Quando penso em resiliência, penso em um dos torneios de taekwondo da minha filha. Ela lutou com um pulso torcido que foi atingido no meio da luta, e as lágrimas começaram a derramar em seu rosto. Ela queria sair. Por alguns segundos ela desistiu e deixou cair a guarda, foi onde ela levou um rápido golpe no nariz.

Ela não parou de chorar – de fato, as lágrimas chegaram muito rápido. Mas a derrota nos olhos deu lugar à raiva, e ela começou a lutar de novo. Ela passou da “fuga” para a “luta”, e ganhou.

Eu vi crianças no ringue que não conseguem superar sua própria resposta de luta ou fuga. Eles tentam correr, mas são encurraladas pelos limites. Correr da luta é uma penalidade. Você pode perder uma competição dessa maneira, mas o perigo real está em se machucar. Se você não pode correr e você não luta, você está com problemas.

A parte mais difícil de aprender a lutar é superar-se. Você tem que se sentar com a náusea, o medo e a adrenalina e aprender a deixar sua resposta de luta ou fuga funcionar a seu favor ao invés de funcionar contra você. É, de longe, a parte mais difícil da luta.

O trauma e o estresse da vida podem ser esmagadores, mas você pode optar por não se deixar dominar. Você pode treinar para a vida da mesma maneira que os lutadores treinam – encontrando experiências que o desafiarão e o estimularão e dominar isso. Seja uma corrida de 3 km ou uma aula na faculdade, escolha o desafio que é certo para você e acredite que você pode ter sucesso. Então continue, todos os dias, até você conseguir.

Mas você não pode parar com um desafio. Encontre algo novo depois disso. Continue procurando, continue tentando, continue lutando. Esse é o treinamento da resiliência.

Tags:
EsporteSaúde
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Reportagem local
A arrepiante oração de uma mulher no corredor da morte por ser ca...
2
st charbel
Reportagem local
Por acaso não está acontecendo o que São Charbel disse?
3
Aleteia Brasil
Sorrisão e joelhos: 2 pais brasileiros e seus bebês que emocionar...
4
CROSS;
Reportagem local
O que significa o sinal da cruz feito sobre a testa, os lábios e ...
5
JENNIFER CHRISTIE
Jeff Christie
Minha mulher engravidou de um estuprador – e eu acolhi o bebê nas...
6
CONFESSION, PRIEST, WOMAN
Julio De la Vega Hazas
Por que não posso me confessar diretamente com Deus?
7
Anna Gębalska-Berekets
O que falar (e o que não falar) a um ente querido com câncer
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia