Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

9 hábitos dos casais altamente resilientes

COUPLE
Ivanko80
Compartilhar

Veja se você já tomou estas atitudes em sua vida conjugal

Atingir a solidez e a estabilidade no casamento não é da noite para o dia. Aliás, este é o grande paradoxo da vida matrimonial: quanto mais coisas difíceis a gente passa e conseguimos atravessá-las com sucesso, mais forte será nossa relação. Ou seja: os problemas nos unem; não nos separam.

Isso não significa dizer que, quando atravessamos maus bocados, a gente não se desestabilize, que não tenha vontade de sair correndo e jogar tudo para o alto. Mas, por outro lado, temos, nestes momentos, a capacidade de contornar as vicissitudes pessoais e as do casal. Sempre de mãos dadas.

Em artigo anterior, falamos que a resiliência é uma arma interior que deve ser levada em conta no plano matrimonial. Mas o que fazem os casais altamente resilientes?  Aqui estão alguns de seus hábitos:

  1. Sabem rir da vida. O lema dos casais resilientes é: “vamos rir da vida antes que ela ria de nós”. Eles encaram os problemas e não permitem que as dificuldades os afundem. Você sempre vai ver esses casais alegres e quase sempre com um sorriso no rosto;
  2. Não se sentem culpados. Eles entendem que o problema de um é o de ambos, pois eles são “uma mesma carne”. Esses casais não focam tanto em quem foi o causador do problema, mas sim em qual é o compromisso de ambos para sair dele e, sobretudo, refletem sobre o que poderiam ter feito diferente e quais lições aprenderam da situação;
  3. Possuem simpatia e empatia. Estão juntos tanto em sentimento quanto em ação. Cada um faz o que lhe corresponde. Eles se permitem ficar tristes e um respeita o espaço do outro sem tomar nada como pessoal. Cada um é responsável pelo que sente. No entanto, o amor que os une é tão grande e eles são tão apaixonados emocionalmente que o apoio mútuo é naturalmente impositivo.
  4. Têm liberdade para falar. São casais que não têm medo de desnudar a alma um com o outro. Sabem expressar mutuamente os sentimentos, medos e inquietudes sem o temor de serem julgados. Enquanto um se expressa, o outro recebe com compaixão cada palavra, lágrima, alegria ou gesto que está sendo compartilhado;
  5. São comprometidos em encontrar soluções. Eles não estão focados na vitimização nem em ignorar os problemas, mas em solucioná-los. Porém, isso tudo tem que ser feito pelos dois. Não existe o “seu problema” nem o “meu problema”. Os problemas são “nossos”;
  6. Um sempre é a prioridade do outro. Geralmente, diante dos problemas, o que menos se espera é que um lembre o outro do quanto eles se amam. Mas é precisamente nesses momentos que mais devemos nos esforçar para lembrar o amor que temos pelo nosso cônjuge. É isso que fazem os casais altamente resilientes: não deixam de expressar o amor por meio de mensagens ou detalhes simbólicos carregados de amor e aceitação;
  7. Têm atitudes positivas. Eles sabem que tudo passa e que isso também passará. Têm muito claro que o “mal” é o problema; não eles. Esses casais vivem na esperança de um futuro melhor e trabalham hoje para conseguir este promissor amanhã;
  8. Buscam apoio. Casais resilientes sabem que, às vezes, não conseguem ir adiante sozinhos. Eles têm humildade suficiente para buscar ajuda profissional quando necessitam;
  9. Quando têm problemas, ajoelham-se diante de Deus.

Definitivamente, isso é o que diferencia o casal forte do fraco: a capacidade de se recuperar depois de uma situação difícil e saber sorrir na adversidade.