Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia
Cynthia Dermody / Redação da Aleteia
Quaresma: 5 desafios para casais

China e Japão querem estabelecer linha de comunicação militar

congress china
WANG Zhao I AFP
Delegates attend the opening session of the Chinese Communist Party's five-yearly Congress at the Great Hall of the People in Beijing on October 18, 2017.
Compartilhar

China e Japão pretendem estabelecer uma linha de comunicação militar para apaziguar as tensões sobre as disputadas ilhas do Mar da China Oriental, informou o ministério chinês das Relações Exteriores após um encontro em Pequim entre os chanceleres dos dois países.

O chinês Wang Yi recebeu neste domingo em Pequim o colega japonês Taro Kono. O objetivo do encontro era melhorar as relações entre os dois países, afetadas por divergências sobre as zonas marítimas.

Esta foi a primeira visita de um chanceler japonês a China em quase dois anos.

Os dois países se comprometeram a assinar um acordo “o mais rápido possível” para estabelecer uma linha de comunicação militar e evitar incidentes no Mar da China Oriental, anunciou o ministério em um comunicado.

As relações entre China e Japão estão em uma “fase crucial”, declarou Wang, antes de destacar que “apesar de uma evolução positiva, ainda existem muitos obstáculos”.

As pequenas ilhas controladas pelo Japão com o nome de Senkaku, e reivindicadas pela China como Diaoyu, são objetos de disputa há muito tempo entre Tóquio e Pequim.

Em 2012 as relações pioraram quando Tóquio “nacionalizou” algumas destas ilhas. Desde então, o cenário melhorou, mas persistem algumas tensões, especialmente por conta das patrulhas marítimas regulares dos dois países ao redor das ilhas.

Neste domingo, o japonês Taro Kono pediu que a China pressione ainda mais a Coreia do Norte para que o país acabe com seu programa nuclear.

Apesar da nova aproximação entre Tóquio e Pequim, o presidente chinês, Xi Jinping, e o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, ainda não se reuniram em seus respectivos territórios.

(AFP)

Aleteia Top 10
  1. Lidos