Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quinta-feira 29 Outubro |
São Colmano
home iconAtualidade
line break icon

Tenho um filho com síndrome de Down, não uma bomba nuclear

WALTER MONTILLO

Twitter Walter Montillo

Carmen Neira - publicado em 23/02/18

O desabafo de Walter Montillo, o jogador argentino que não encontrava escola para o filho

“Nunca pensei que, em meu próprio país, ia ser tão difícil matricular meu filho em uma escola… Tenho um filho com síndrome de Down, não uma bomba nuclear. É inacreditável, há vagas até informarmos que ‘ele tem Down’. Daí não tem mais vagas”.

Essa foi a forma como o jogador de futebol argentino Walter Montillo manifestou sua indignação no Twitter diante do que estava acontecendo.

O meia do Tigre estava procurando uma escola para seu filho portador da síndrome de Down e quis fazer a denúncia pública, imaginando o que os outros pais na mesma situação sofrem. “Estávamos procurando escola e estava sendo complicado. Foi então que fiz o post no Twitter. Foi doloroso porque você sente que estão fechando as portas para seu filho. A psicopedagoga que acompanha Santino foi quem nos sugeriu que ele deveria frequentar uma escola normal, não uma especial. E nós nos deparamos com duas escolas que nos disseram que tinha vagas. Mas, ao saberem que Santino tinha síndrome de Down, disseram que queriam se reunir conosco para conversar, pois não era tão fácil ter um filho assim… buscavam desculpas”, contou Montillo ao diário Clarín.

Ele quis que suas declarações e sua indignação fossem uma voz para os pais que, como ele mesmo explicou, “não têm câmera nem microfone”.

Felizmente tudo se resolveu e rapidamente chamaram o jogador na Secretaria de Educação da cidade e encontraram uma vaga no mesmo colégio em que o filho mais velho do jogador estuda.

Walter Montillo é um atleta famoso, que pode usar sua fama para que sua denúncia viralizasse e que seu problema fosse resolvido. Mas quantos pais, no mundo todo, estão nessa mesma situação e não conseguem ajuda?

View this post on Instagram

Quisiera agradecer toda la atención y el respeto que tuvieron con el tema de mi hijo. Es sabido que decidimos volver al país para facilitar el proceso de aprendizaje de Santino. Venimos de muchos años en el exterior y hoy estamos adaptándonos al sistema. El tema de la peregrinación por una vacante en las escuelas no es algo tan sorpresivo, ya que nos escriben muchos padres al respecto. Es real que muchas escuelas nos dijeron que no había vacantes desde el principio, otras nos dijeron después de conocer la condición de mi hijo y otras nos dieron mil y un motivos para convencernos de que su institución no era la ideal para Santino (sin conocerlo, obviamente). Creemos que los padres deben tener la posibilidad de elegir la escuela donde quieren inscribir a sus hijos. No estamos en contra de las escuelas especiales, al contrario, pero quienes no están en el tema tienen que saber que no siempre están indicadas por los profesionales que tratan a nuestros hijos. Hay momentos y situaciones en las que se opta por esas instituciones. En el caso de Santino, todas las profesionales que trabajan con él, creen que ahora necesita estar integrado en una escuela normal, porque necesita socializar e incorporar contenidos acordes a su edad. Eso no quita que en algún momento nos indiquen una escuela especial y estaremos felices de seguir acompañándolo. Hoy, con la situación un poco más clara, queremos agradecer a todos los que llamaron para informarnos, ayudarnos, recomendarnos. Gente del club @catigreoficial en especial a “Ruben Pasquini”, colegas de todos los equipos, gente de los medios, familiares, amigos, Legislatura porteña, Dirección General de Escuelas, Agencia Nacional de Discapacidad… Santino es solo una cara. No hay que olvidarse que son miles las familias que la reman cada día, que esperan un cariño, que quieren ser parte, que necesitan facilidades. Por eso, mi familia y yo, votamos por la #Inclusion

A post shared by Walter Montillo (@montillo) on

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
Síndrome de down
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Reportagem local
Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que o...
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
OLD WOMAN, WRITING
Cerith Gardiner
A carta de uma irlandesa de 107 anos sobre co...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia