Aleteia
Terça-feira 27 Outubro |
São Fulco
Atualidade

Argentina freia corrida cambial com taxa de juros a 40%

PROLIFE

Marko Vombergar-ALETEIA

Agências de Notícias - publicado em 06/05/18

O aumento excessivo das taxas de juros nesta sexta-feira (4) pelo Banco Central da Argentina, com rendimento de 40%, persuadiram os mercados a dar uma trégua no ataque especulativo contra o peso.

O banco já tinha elevado sua taxa básica de juros na quinta-feira a 33,25%, e ampliou a 40% nesta sexta. A reação do mercado foi imediata: a moeda argentina se valorizou 4,58% e fechou a semana a 22,28 pesos por dólar, após ter desvalorizado mais de 7% na véspera.

A Argentina vive momentos de grande tensão cambial e incerteza financeira em mais de dois anos de governo do presidente Mauricio Macri, justamente quando são negociados os ajustes salariais para 2018 e os protestos sociais e sindicais contra os aumentos de tarifas se espalham.

O governo ainda decidiu reduzir mais os gastos para melhorar o déficit das contas públicas.

“Após a decisão do Banco Central, baixamos nossa meta de déficit fiscal de 3,2% para 2,7% para 2018. Faremos isso com mais recursos, economias e postergação de obras públicas de infraestrutura”, anunciou o ministro da Fazenda, Nicolás Dujovne, em coletiva de imprensa.

“A Argentina não pode continuar vivendo de empréstimos”, destacou.

A resposta da central sindical CGT foi denunciar que “a alta do dólar impactará nos preços, quando o salário das pessoas já não chega ao fim do mês”, segundo um de seus líderes, Juan Carlos Schmid.

“Mais ajuste fiscal é igual a mais demissões, mais fechamentos de fábricas”, disse Schmid, à frente de uma marcha dos sindicatos ao Congresso para rechaçar as altas de tarifas.

– Maior percepção de risco –

Desde o início da turbulência financeira, no fim de março, a autoridade monetária precisou vender quase oito bilhões de dólares de suas reservas, agora em 54 bilhões.

A desvalorização do peso tinha acumulado, até quinta-feira, 10% no mês. Em seu afã por sufocar a corrida, o BCRA tinha elevado a taxa a 30,25% na sexta-feira passada e a 33,25% na quinta.

Mas os mercados acompanharam um relatório da revista Forbes, segundo o qual “pode ser hora de sair” da Argentina. Eles temem uma nova crise como a de 2001.

Dujovne admitiu à imprensa que o aumento das taxas para trocar dinheiro “afetará o nível de atividade (PIB), mas teria sido mais recessivo não dar sinais nesta situação”.

A economia avançou 4,7% no primeiro bimestre, após ter se recuperado 2,8% em 2017. A recuperação é desigual entre os setores, com mais força nos setores automotivo, cimenteiro e financeiro; mas queda no têxtil e em eletrônicos, de acordo com o instituto de estatística estatal Indec.

O governo projeta crescimento econômico de 3,5% no PIB até 2018.

Gabriel Torres, vice-presidente e administrador de crédito sênior da classificadora de risco Moody’s, avaliou que as medidas anunciadas “ajudarão a reduzir a volatilidade”, mas considerou que “a recente desvalorização do peso reflete uma maior percepção de risco para ativos argentinos”.

“Isto constitui um acontecimento negativo em termos creditícios para a Argentina, que depende de fluxos de capital externos para financiar o déficit fiscal e o de conta corrente”, acrescentou em comunicado.

– Bola de neve –

A autoridade monetária e Dujovne também ratificaram a meta de 15% para o índice de inflação em 2018, apesar de, depois da escalada do dólar, a pesquisa de quinta-feira do Banco Central sobre expectativas dos mercados ter elevado pelo menos a 22%, índice ainda menor do que o calculado por consultorias privadas.

“Existe uma bola de neve. O mercado perdeu confiança. É inflacionário mexer no dólar e nas tarifas ao mesmo tempo. A Argentina está muito exposta à incerteza internacional e ao ‘ruído’ (inquietação) local”, disse à emissora TN o economista Federico Furiase, da privada Universidade Di Tella.

Dujovne disse que “a meta de inflação não vai mudar. Se mantém em 15% para 2018, 10% para 2019 e 5% para 2020”.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
SAINT MICHAEL
Philip Kosloski
Oração a São Miguel por proteção contra inimi...
São Padre Pio de Pietrelcina
Oração de cura e libertação indicada pelo exo...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia