Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Receba o nosso boletim

Aleteia

Ela ingressou na vida religiosa vestida de noiva

SOR MARIA VITTORIA DELLA CROCCE
Arquidiocese de Trani-Barletta-Bisceglie
Compartilhe este artigo para ter a chance de ganhar uma peregrinação a Roma
Compartilhar
Compartilhei
Compartilhamentos

Um ritual que não acontecia desde a década de 1940 em um mosteiro da Itália

As mulheres que vão se casar não são as únicas que usam vestido de noiva; também o vestem aquelas que entram em certas congregações religiosas, como foi o caso da Irmã Maria Vittoria della Croce, cujo recente “casamento com Jesus” causou sensação nas redes sociais.

A cerimônia de ingresso da Irmã Maria Vittoria della Croce no mosteiro beneditino de San Ruggero Barletta (Itália) foi realizada em 27 de abril, na Catedral Basílica de Santa Maria Maggiore, e foi presidida pelo Arcebispo de Trani-Barletta-Bisceglie, Dom Leonardo D’Ascenzo.

O responsável pelas comunicações da Arquidiocese de Trani-Barletta-Bisceglie, o Diácono Riccardo Losappio, explicou ao Grupo ACI que, “para as irmãs beneditinas, apresentar-se vestida de noiva, faz parte do ritual da vestição das religiosas”.

“Elas sempre entram na igreja vestidas assim porque são as esposas de Cristo, que vão ao seu encontro e se vestem de noivas para antecipar na história, o que amanhã será na plenitude de Deus”, indicou Losappio.

Durante a cerimônia, assim como fez Irmã Maria Vittoria della Croce, as noviças “tiram o vestido de noiva, cortam o cabelo, vestem o hábito beneditino e recebem o crucifixo para indicar a sua alegre renúncia a tudo o que é efêmero”.

Losappio destacou que a vestição da Irmã Maria Vittoria della Croce – que tem 27 anos e cujo nome de batismo é Carmen D’Agostino – foi “um rito que não se realizava em Barletta desde a década de 1940, devido à falta de vocações à vida consagrada segundo a regra de São Bento”.

“O mosteiro de San Ruggero foi reduzido a poucas religiosas que envelheceram e há três anos foi refundado com a chegada de várias irmãs jovens, que o revitalizaram com novas vocações”, contou ao Grupo ACI.

O Diácono indicou que estas religiosas, entre as quais está a atual abadessa, vêm do mosteiro beneditino de Santa Maria das Rosas, localizado na cidade de Sant’Angelo in Pontano, na região de Las Marcas, no leste da Itália.

Atualmente, com a chegada da Irmã Maria Vittoria della Croce, “a comunidade monástica beneditina de San Ruggero é composta por seis religiosas que fizeram as profissões solenes, quatro freiras que fizeram a profissão temporal, duas noviças e uma postulante”.

Uma “pedra preciosa” para Jesus

Losappio compartilhou com o Grupo ACI o testemunho da Irmã Maria Vittoria della Croce, que também foi publicado no jornal da Arquidiocese, chamado ‘In Comunione’.

A própria religiosa escreveu a sua história. Nasceu em 17 de janeiro de 1991 na cidade italiana de Melfi e, em 2014, terminou os seus estudos de enfermagem na Universidade de Foggia.

Além disso, indicou que cresceu em uma família católica que pertence ao Caminho Neocatecumenal e tem três irmãos.

“Quando eu tinha 15 anos, a minha mãe foi para o céu depois de uma longa doença que viveu com fé. Não foi fácil para mim, mas posso dar testemunho que o Senhor sempre cuida da minha família e de mim”, expressou.

“Pensar na minha mãe me ajuda a olhar para o céu, para o paraíso. Mais do que ter feito uma escolha, eu fui escolhida por Ele: em um encontro de jovens, e depois também através de outras pessoas, senti o amor de Cristo manifestado na cruz”, assinalou.

Este chamado vocacional “abriu os céus para mim”, disse Irmã Maria Vittoria della Croce.

“Simplesmente aceitei este amor, esse chamado para lutar pelo reino dos céus e, com a ajuda da Igreja para discernir esse chamado, ingressei no mosteiro”, indicou. Ela ainda disse que a cerimônia foi um “pequeno passo à frente na vida monástica com a certeza de que Jesus é fiel”.

Outras congregações religiosas na qual as mulheres se vestem de noivas para fazer os seus votos são as Clarissas, as Irmãs Escravas do Imaculado Coração de Maria e a Congregação de Maria Rainha Imaculada.

 

(ACI Digital)

Selecione como você gostaria de compartilhar.

Compartilhar
* O crédito para artigos compartilhados será fornecido somente quando o destinatário do seu artigo compartilhado clicar no URL de referência exclusivo.
Clique aqui para mais informações sobre o Sorteio da Aleteia de uma Peregrinação a Roma

Para participar do Sorteio, você precisa aceitar os Termos a seguir


Ler os Termos e Condições