Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Dezenas de mortos na Faixa de Gaza provocam indignação

PUSTYNIA JUDZKA
Compartilhar

As dezenas de manifestantes palestinos mortos pelo Exército israelense na fronteira da Faixa de Gaza provocaram nesta segunda-feira (14) indignação e apelos por moderação por parte da comunidade internacional.

Muitos países, incluindo Grã-Bretanha, França e Rússia, condenaram a abertura da embaixada americana em Jerusalém, cuja transferência foi negada por 128 dos 193 Estados-membros da ONU.

A inauguração nesta segunda-feira provocou uma manifestação de dezenas de milhares de pessoas na Faixa de Gaza. Mais de cinquenta foram mortas por soldados israelenses na fronteira. O presidente palestino, Mahmud Abbas, denunciou um “massacre”.

“A morte chocante de dezenas de pessoas e os centenas de feridos por tiros de munição real em Gaza devem parar imediatamente, e os autores dessas violações flagrantes dos direitos humanos devem ser responsabilizados”, reagiu o alto comissário para os Direitos Humanos da ONU, Zeid Ra’ad Al-Hussein.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, disse estar “particularmente preocupado” com a situação em Gaza.

A Anistia Internacional denunciou uma “violação abjeta” dos direitos humanos e “crimes de guerra” em Gaza, enquanto a Human Rights Watch (HRW) denunciou “um banho de sangue”.

– Grã-Bretanha :

“Estamos preocupados com relatos de violência e perda de vidas em Gaza. Pedimos calma e moderação para evitar ações destrutivas para os esforços de paz”, declarou um porta-voz da primeira-ministra Theresa May.

– França :

“A França mais uma vez apela às autoridades israelenses para que exercitem o discernimento e a contenção no uso da força”, disse o ministro das Relações Exteriores, Jean-Yves Le Drian, destacando “o direito dos palestinos de se manifestarem pacificamente”.

Paris desaprova a transferência da embaixada americana para Jerusalém, que “viola a lei internacional”, declarou o chanceler.

AFP / Thomas SAINT-CRICQ Faixa de Gaza

– União Europeia:

“Pedimos a todas as partes que ajam com a máxima moderação, a fim de evitar mais perdas de vidas humanas”, afirmou a chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini.

Ela lembrou a “posição clara e unida” da UE, segundo a qual a transferência das embaixadas de Tel Aviv para Jerusalém não deveria acontecer até que o status da Cidade Santa seja acertado em uma resolução de conflito.

– Rússia:

Perguntado se a transferência da embaixada americana faz a Rússia temer um agravamento da situação na região, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse: “Sim, nós temos isso”.

“Estamos convencidos de que não devemos reverter unilateralmente as decisões da comunidade internacional. E o destino de Jerusalém deve ser decidido pelo diálogo direto com os palestinos”, disse o ministro das Relações Exteriores, Sergei Lavrov.

– Turquia:

“Nós rejeitamos essa decisão, que viola a lei internacional e as resoluções da ONU”, declarou o presidente Recep Tayyip Erdogan. “Com essa decisão, os Estados Unidos escolheram fazer parte do problema e perdem seu papel de mediador no processo de paz” no Oriente Médio.

O porta-voz do governo, Bekir Bozdag, denunciou um “massacre” na fronteira com a Faixa de Gaza, cuja “administração americana é tão responsável quanto Israel”.

– Brasil:

“Lamento profundamente os terríveis episódios de violência na fronteira entre Israel e a Palestina. Nossa solidariedade com os feridos e as famílias dos mortos. O Brasil faz um apelo à moderação, um chamado à paz”, escreveu o presidente Michel Temer no Twitter.

– Espanha:

“O governo da Espanha está consternado pelo elevado número de manifestantes mortos e feridos hoje na Faixa de Gaza que se somam às vítimas das manifestações das últimas semanas e faz um apelo urgente à contenção de todos os envolvidos”, indicou o comunicado do ministério das Relações Exteriores.

– Kuwait:

“Condenamos o que aconteceu. Haverá uma reação da nossa parte”, disse o embaixador do Kuwait na ONU, Mansour al-Otaibi, cujo país é um membro não permanente do Conselho.

O Kuwait pediu uma reunião do Conselho de Segurança sobre a situação no Oriente Médio após as mortes em Gaza.

– Marrocos:

O rei Mohammed VI denunciou uma “decisão unilateral”, que “se opõe ao direito internacional e às decisões do Conselho de Segurança”.

– Egito:

O Ministério das Relações Exteriores expressa “sua forte denúncia aos disparos israelenses contra civis palestinos desarmados”, chamando os mortos de “mártires” e advertindo contra uma “escalada”.

O grande mufti Shawki Allam denunciou, com a abertura da embaixada americana, “uma afronta direta e clara aos sentimentos de mais de um bilhão e meio de muçulmanos na terra”, o que “abre as portas para mais conflitos e guerras na região”.

– Bélgica:

“Peço que se evite qualquer uso desproporcional da força e retomem o diálogo para uma solução duradoura para o conflito o mais rápido possível”, escreveu o ministro das Relações Exteriores, Didier Reynders.

– Noruega:

A ministra das Relações Exteriores, Ine Eriksen Søreide, disse estar “extremamente preocupada com a espiral de violência que estamos testemunhando agora na fronteira entre Israel e Gaza”. “É inaceitável disparar munição real contra os manifestantes”, acrescentou ela.

(AFP)