Aleteia
Segunda-feira 26 Outubro |
São Fulco
Atualidade

Reunir pais e filhos separados na fronteira EUA-México será árdua e complexa tarefa

BORDER

qbac07-(CC BY-NC 2.0)

Agências de Notícias - publicado em 21/06/18

Mais de 2.300 crianças foram separadas de seus pais e detidas em centros da patrulha fronteiriça

Os imigrantes que foram separados de seus filhos agora olham para o vazio, ainda perdidos, sem conseguir acreditar que o governo americano levou seus filhos – relatam advogados que duvidam que as famílias se reúnam em um curto prazo, devido ao caos reinante na vida na fronteira com o México.

“Quando converso com os pais, sinto que eles olham através de mim, porque não conseguem entender, não conseguem aceitar, não conseguem acreditar que não saibam onde estão seus filhos e que o governo americano os tenha levado”, disse à AFP Jodi Goodwin, uma advogada de migração no Texas.

“É incrivelmente dilacerante e um terrível desprezo pelo devido processo”, acrescentou a advogada do Migrant Center for Human Rights, que trabalha como voluntária na fronteira desde 1995.

Mais de 2.300 crianças foram separadas de seus pais e detidas em centros da patrulha fronteiriça desde que o presidente Donald Trump implementou, em abril, uma política de “tolerância zero”, com a ideia de desestimular os imigrantes que chegam pela fronteira sul.

As críticas ao quão imoral é prender crianças e até bebês sozinhos, em jaulas, sem ninguém para reconfortá-los, alcançaram um nível tão grande que o presidente republicano assinou um decreto que reverte esta medida e ordena o fim da separação familiar.

A crise humanitária das últimas semanas está longe de de ser nova, porém, e ainda mais distante de ter acabado.

“O simples fato de que seja tão difícil rastrear onde estão os pais e onde estão os filhos impede que se resolva o problema da noite para o dia”, explicou Goodwin, que trata do caso de seis demandantes de asilo que perderam há semanas o rastro de seus filhos.

“Reunificar a unidade familiar será uma tarefa difícil”, acrescentou, explicando que a instituição que tem a guarda das crianças retidas em abrigos não está sincronizada com as autoridades migratórias para que a informação flua com rapidez.

“O sistema é muito desorganizado, caótico”, descreveu.

“Todos – da patrulha de fronteira até os tribunais federais, passando pelos defensores públicos, pelos juízes, pelos promotores, pela migração, pelo centro de reassentamento de refugiados -, todos estão correndo para tentar apagar um incêndio atrás do outros para que as coisas continuem mais ou menos operando”, completou a advogada.

– Não resolve o problema –

Os advogados agradecem pela atenção da imprensa, mas dizem que os jornais alertam agora para uma situação que acontece há anos. A separação familiar na fronteira remonta a dez anos, mas apenas no último mês e meio alcançou esse nível sem precedentes.

Por isso, olham sem grande entusiasmo o decreto de Trump, que, segundo eles, ataca apenas uma parte dos problemas, já que não elimina a detenção arbitrária, nem a detenção de crianças.

“Separar filhos de seus pais é horrível e revoltante, mas detê-los com eles continua sendo horrível e revoltante, embora estejam junto com seus pais”, denunciou a diretora legal da ONG de defesa dos imigrantes Houston Immigration Legal Services Collaborative, Andrea Guttin.

O problema do decreto – apontou Guttin – é que, agora, as famílias serão detidas por prazos mais longos do que antes da implementação da medida de “tolerância zero”.

Andrea Guttin disse ainda que isso não porá fim à separação dos avós que vieram com seus netos, de irmãos que chegaram desacompanhados de adultos, de tios que cruzaram a fronteira com seus sobrinhos.

“Estes casos foram historicamente separados e, com certeza, continuarão a ser”, lamentou a advogada.

A ex-professora de Direito da Universidade do Texas Barbara Hines compartilha essa análise: “Não acredito que o decreto de Trump seja uma solução para a crise que ele e o procurador-geral Jeff Sessions criaram”.

Para ela, um dos principais problemas na fronteira é a violação de leis nacionais e internacionais que os agentes da patrulha de fronteira cometem quando tratam os demandantes de asilo como criminosos, ao prendê-los e separá-los de seus filhos.

As autoridades “continuarão processando os demandantes de asilo por crimes menores como a entrada ilegal, quando eles, de fato, podem pedir asilo dentro do que a lei exige”, completou.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
Mundo
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Papa Francisco
Francisco Vêneto
Papa Francisco e casais homossexuais: o que e...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
SAINT MICHAEL
Philip Kosloski
Oração a São Miguel por proteção contra inimi...
Rosário
Philip Kosloski
Benefícios do Rosário: 3 virtudes que aprende...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia