Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quinta-feira 21 Janeiro |
São Sebastião
home iconPara Ela
line break icon

O que aconteceu quando eu não pude amar meu filho recém-nascido

Halfpoint - Shutterstock

Luz Ivonne Ream - publicado em 20/08/18

É mais comum do que você pensa, e existe ajuda para isso

É importante entender que os bebês, mesmo no útero, são como uma esponja que absorve nossas emoções, e que aquilo que sentimos continuará impresso em sua memória emocional.

Tudo é gravado, incluindo nossa reação quando eles foram colocados em nossos braços pela primeira vez.

Para as mulheres, o nascimento de uma criança é um dos eventos mais importantes da vida. Assumimos que a maternidade vem cheia de emoções positivas, sensações agradáveis ​​e momentos maravilhosos. Mas sabemos que nem sempre é assim.

Na verdade, para muitas mulheres, o instinto materno não surge imediatamente, o que faz com que essas mães se sintam culpadas, como se fossem “mães ruins”.

Assim que seu bebê nasce e é colocado em seus braços, no peito… o que elas sentem? Nada! Felizmente, a natureza é sábia, e em muito pouco tempo esse “nada” se torna “tudo”.

Uma gravidez inesperada

Eu me lembro do nascimento de Tommy, meu primeiro filho. Para começar, era uma gravidez que eu não esperava. Poucas semanas depois de me casar, descobri que estava grávida e chorei – de medo! Como me arrependo desse momento.

Naquele momento, eu não sabia que meu filho já podia sentir se ele estava sendo rejeitado ou aceito. Eu estava recém-casada, morando fora do meu país de origem e longe da minha família; tornar-me mãe tão logo me fez sentir medo, angústia… pavor!

Da parte do meu marido, ele era o homem mais feliz da Terra, e seu apoio era fundamental para me ajudar a transformar minhas emoções negativas em felicidade e alegria. Eu queria que esses nove meses voassem para ter aquela criança em meus braços.

Decidimos retornar ao nosso país para que nosso filho pudesse nascer perto de nossas famílias. Depois de estar casada por 9 meses e 15 dias, entrei em trabalho de parto. Após quase 12 horas de dor indescritível, eu estava tão exausta que parecia que simplesmente não podia continuar.

Somente quem é mãe vai entender quando eu digo que eu jurei que esta seria a última vez que eu passaria por essa agonia. Com cada criança, dizemos o mesmo!

Enquanto isso, meu marido estava tão feliz como sempre, curtindo e gravando todos os momentos – enquanto eu queria matá-lo porque ele era a causa do meu sofrimento. Lá estava ele, gravando tudo, enquanto eu estava desesperada, exausta.

O que quer dizer “nós” estamos em trabalho de parto?

“Aqui no hospital, já estamos vivenciando as dores de parto. Sorria para a câmera. Diga algumas palavras, querida…”. Enquanto eu respondi: “Nós?… imbecil!”. Na verdade, eu acho que usei uma linguagem muito mais forte, porque “nós” não estivemos em trabalho de parto: quem se contorcia era eu!

Finalmente, depois de receber a epidural, meu filho nasceu. E assim que ele nasceu, sem limpá-lo ou qualquer coisa, eles o colocaram no meu peito.

Eu estava com medo e exausta, e a expressão no meu rosto dizia: “O quê?”. Foi um desses sentimentos que passam rapidamente. Dentro, eu estava me perguntando: “O que eu deveria fazer com ele? Qual deve ser minha reação? Devo abraçá-lo, ou o quê? Socorro!”.

Lá estava ele, meu bebê, colocado sobre o meu peito, coberto… enquanto o médico estava ocupado finalizando seu trabalho.

Uma onda de emoções

Muitas emoções, sensações e pensamentos pareciam me sobrecarregar como um tsunami em um piscar de olhos. Eu não podia abraçá-lo. Olhava e tocava-o com as pontas dos meus dedos. Eu não podia expressar de nenhuma outra forma meu amor por ele – e como me arrependo disso.

Eu estou entre essa porcentagem de mães cujo instinto maternal não explodiu ipso facto (“pelo próprio fato”) com a chegada de seu primeiro filho, e isso fez-me sentir muito culpada. Mais tarde, entendi que não havia nada de errado em não sentir alegria naquele momento.

Uma vez em casa, por muitas noites não dormimos – literalmente. Meu marido e eu ficamos colados ao bebê para monitorar sua respiração. Poucos dias depois, meu filho ficou muito irritado; ele não queria comer, embora não estivesse doente. Ele continuava chorando – e eu com ele.

Lágrimas e mais lágrimas

Lembro-me de sentir como se noites e dias fossem infinitos. Sempre que ele dormia, eu me trancava em um quarto e chorava. Fiquei incomodada com a presença de pessoas. Os amigos me visitavam e eu os deixava sentados na sala conversando com minha mãe porque não podia tolerar estar na companhia de ninguém.

Eu particularmente me permiti chorar no chuveiro, de modo que o funcionamento da água afogasse meus gritos e lágrimas. Eu pensei que estava perdendo a cabeça. Não entendia o que estava acontecendo comigo. Eu só sabia que algo estava errado, mas não entendia o quê e por quê.

Quão aterrorizantes foram essas sensações! Senti uma terrível solidão. Sempre que eu olhava meu bebê, eu chorava ainda mais; eu sentia ingratidão por não curtir esse enorme presente que recebi da vida.

Realmente queria sentir alegria e felicidade, mas não podia. As lágrimas vinham contra a minha vontade.

A mudança

De repente, eu me senti obrigada – embora ninguém tivesse me pedido para fazer isso – a falar com meu bebê, para expressar como eu me sentia e acariciá-lo com frequência. Eu o colocava no meu peito para que ele ouvisse o meu coração bater, e eu continuamente lhe dizia que ele não era responsável por eu me sentir assim, pedindo perdão por lhe transmitir minha tristeza.

Naquela época, eu não sabia que a “depressão pós-parto”, experimentada por algumas mães pela primeira vez, era um fenômeno conhecido, e que isso incluiu mudanças de humor, irritabilidade, choro sem motivo ou aumento da sensibilidade emocional. Também não sabia que devia observar essas mudanças em mim e ver se elas não se estendiam nem se tornavam mais intensas.

Logo percebi que, se eu estivesse em paz, meu bebê não chorava, e dormia a noite toda. Todas as minhas atitudes, meus modos, e mesmo o que eu comia, afetavam meu filho. Eu entendi que ele e eu tínhamos uma conexão emocional impressionante e que eu era seu termômetro.

Tudo o que fiz ou não fiz com o meu filho naquela época tem repercussões até hoje. Na verdade, desenvolvi o hábito de tocar música de fundo, uma canção em particular, onde o som da água corrente e o chilrear dos pássaros podem ser ouvidos no fundo.

O efeito foi tão positivo que, até hoje, quando meu filho se sente triste, ansioso ou irritado, se ele ouvir a mesma melodia, seu nível de estresse diminui automaticamente. Ele diz que ele se sente calmo e que o chilrear dos pássaros o faz lembrar-se de mim, porque cada vez que ele acordava e chorava, eu assobiava para ele, como um sinal que eu tinha ouvido seu choro e estava no caminho para resgatá-lo do berço.

Esteja preparada

É importante que as mulheres que desejam ser mães estejam preparadas para passar por isso. O mais importante é ser informada sobre o que é – e o que não é – normal sentir ou experimentar, e o que deve ser feito.

Isso não precisa ser difícil; podemos começar por conversar com nossas próprias mães, ou com irmãs ou amigas que já tiveram filhos – há uma boa chance de terem experimentado “depressão pós-parto” ou conhecer alguém que tenha. Existem também abundantes recursos hoje em dia.

Também é importante ter consciência de que os bebês sentem e ouvem absolutamente tudo, mesmo no útero: amor, rejeição, aceitação, tristeza, raiva, gritos, humor… tudo!

Portanto, as mães devem fazer todo o possível para levar sua gravidez tão saudável quanto possível, emocional e fisicamente. Igualmente, elas devem tentar viver o período pós-parto em um ambiente de tranquilidade, amor e paz.

Você sofrerá os efeitos das mudanças hormonais, e você não pode controlá-las, porque é um processo natural em seu corpo. Mas o que você pode controlar são as consequências, tornando-as tão suportáveis ​​quanto possível. Isso impedirá que você passe da “depressão pós-parto” normal para uma condição muito mais grave.

Tags:
BebêsFamíliaFilhosGravidezMaternidade
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Larry Peterson
Ela se divorciou duas vezes, teve 8 filhos, virou freira e levou ...
2
FETUS
Francisco Vêneto
Abortos no mundo em 2021 já superam mortes por covid em toda a pa...
3
POPE AUDIENCE
Reportagem local
A oração de cura que pode ser dita várias vezes por dia
4
Aleteia Brasil
O testemunho de São Sebastião, o soldado mártir do Império Romano
5
Aleteia Brasil
Na íntegra: as três partes do Segredo de Fátima - e uma interpret...
6
Pope Audience Wednesday
Vatican News
A importância de ir à Missa aos domingo, segundo o Papa Francisco
7
JOE BIDEN
Francisco Vêneto
Joe Biden nomeia defensora do aborto para dirigir ações humanitár...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia