Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Segunda-feira 12 Abril |
home iconAtualidade
line break icon

Argentina luta por ganhar confiança, mas peso acentua sua queda

OLYMPICS

buenosaires.gob.ar

Agências de Notícias - publicado em 31/08/18

Na quarta-feira, a moeda recuou 6,99%, em um dos piores dias do mercado cambial neste ano

A moeda argentina teve sua queda acentuada nesta quinta-feira (30), com uma desvalorização de 3,66% na abertura do mercado e de 12% nesta semana, sem que o governo do presidente Mauricio Macri consiga recuperar a confiança apesar do apoio explícito do FMI.

Uma hora e meia depois da abertura, a taxa de câmbio chegou a 39,33 o dólar, o que equivale a uma depreciação de 12,33%.

O Banco Central reagiu elevando para 60% a taxa básica de juros, que já era de 45%, uma das mais altas do mundo. Ao mesmo tempo, aumentou os depósitos compulsórios dos bancos para assim reduzir a liquidez de moeda na praça.

Afetada pelo contexto internacional, a Argentina, que ocupa a presidência pro tempore do G20, luta contra a depreciação de sua moeda e a inflação, mas desde que o ano começou o peso já se desvalorizou em 50% e não parece que seu valor vai parar de cair.

Na quarta-feira, a moeda recuou 6,99%, em um dos piores dias do mercado cambial neste ano, logo depois que Macri anunciou que o Fundo Monetário Internacional (FMI) adiantará desembolsos do programa de ajuda de 50 bilhões de dólares acordado em junho.

Com esses adiantamentos, Buenos Aires garantiria o pagamento de seus compromissos da dívida até o final de 2019, segundo o governo.

“Não estamos diante de um fracasso econômico. É uma mudança profunda (do país), estamos bem encaminhados”, disse o chefe de Gabinete, Marcos Peña, antes da abertura do mercado.

“Estamos muito convencidos de que há um caminho claro, de que dessa crise vamos sair fortalecidos”, acrescentou.

– Cenário internacional –

O cenário internacional não ajuda. As moedas das economias emergentes sofreram pelo aumento dos juros nos Estados Unidos para onde os capitais migraram em busca de mais segurança. Argentina e Turquia foram os mais prejudicados.

A diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde, disse nesta quarta-feira que as condições internacionais se tornaram “mais adversas” e não teriam sido contempladas no momento de assinar o acordo de ajuda à Argentina em junho. Por isso, expressou sua disposição em fortalecer o programa de ajuda a Buenos Aires.

– Dívida e déficit –

O governo de Macri recorreu ao FMI em busca de apoio quando em abril começou a corrida cambiária que ainda não chegou ao fim.

O organismo lhe deu a mais alta ajuda de sua história. Do total de 50 bilhões de dólares, o país já recebeu uma primeira parcela de15 bilhões.

Em troca, a Argentina se comprometeu a reduzir seu déficit fiscal para 2,7% do PIB em 2018 e 1,3% em 2019. Mas para isso, é preciso fechar um acordo com a oposição, maioria no parlamento, para o orçamento do ano que vem.

Além disso, a dívida argentina é calculada em 45% do Produto Interno Bruto (PIB), segundo a empresa Capital Economics, e boa parte se encontra em bônus e letras do Tesouro com vencimentos próximos.

“Os investidores nos Estados Unidos estão rejeitando os títulos argentinos”, disse à AFP o economista Héctor Rubini da Escola Superior de Administração.

“Não se acredita no programa econômico, há incerteza sobre seu cumprimento”, explicou.

O próprio Peña reconheceu nesta quinta-feira que é difícil recuperar a confiança.

“Somos o país que mais vezes violou contratos internacionais no mundo, que mais vezes mentiu e enganou o resto e que demonstra uma vez ou outra, até agora, que não está disposto a buscar o equilíbrio fiscal para depender de seus próprios recursos”, lamentou.

Além disso, o governo teve que modificar várias vezes suas metas este ano e já se projeta que a economia terá uma queda de 1% e que a inflação superará 30% em 2018, um panorama que coloca em risco a reeleição de Macri em 2019.

“Nesses tempos, a incerteza abarca tanto o plano da economia como o da política”, apontou Víctor Beker, diretor do Centro de Estudos da Nova Economia, da Universidade de Belgrano.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia