Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Uma ótima razão para manter em segredo o sexo do seu bebê

NEWBORN BABY
Lea Csontos | Stocksy United
Compartilhar

O que poderia ser mais maravilhoso do que uma verdadeira surpresa?

Não é frequente você ficar completamente desprevenido de uma forma que encanta todo o seu coração – mesmo que você possa pensar em uma festa surpresa realmente boa, provavelmente não acontece com você todos os anos, certo? Mas, sério, o que poderia ser mais maravilhoso do que uma verdadeira surpresa?

O autor Ronald Rolheiser nos lembra: “O oposto da depressão é um prazer, sendo espontaneamente surpreendido pela bondade e beleza da vida”. Mas isso não é algo que a maioria de nós pode fazer acontecer em nossas vidas. É algo que acontece para nós.

Como C.S. Lewis sugere no título de sua autobiografia, Surpreendido pela Alegria, o prazer deve nos convencer, num lugar onde não estamos racionalizando que estamos felizes. E… surpresa! O próprio Lewis escolheu esse título de sua autobiografia antes de conhecer a mulher chamada Joy, que se tornaria seu verdadeiro amor e esposa, sua maior surpresa no final da vida.

Na minha vida, recentemente decidi adicionar uma surpresa alegre que eu poderia controlar: esperar o meu bebê nascer para descobrir qual seria o sexo dele. No processo, percebi que a verdadeira alegria pode ser realizada no mistério da gravidez.

Dito isto, não julgo quem escolhe descobrir o sexo de seu bebê. Na nossa cultura de hoje, muitas mulheres descobrem o sexo de seu feto assim que é possível; minha melhor amiga é uma delas.

Houve momentos em que eu queria descobrir, e quase decidi. É difícil adiar esse tipo de excitação. Mas, para mim, pessoalmente, teria sido semelhante a abrir meu presente muito cedo. Então eu escolhi, quando estava grávida do primeiro filho, e novamente no meu segundo filho, não descobrir o sexo até o nascimento, aceitando o sentimento de curiosidade que ficou comigo ao longo do caminho e a expectativa de esperar ansiosamente a surpresa que seria apenas o bebê que nossa família precisava.

Mas quando eu estava grávida do meu segundo filho, eu me surpreendi: foi muito difícil esperar a notícia do sexo do bebê porque não era meu primeiro bebê! Eu me encontrava tentado espiar durante o ultrassom, e eu poderia pensar ainda mais razões para descobrir o sexo antes do nascimento. Além disso, o maior incômodo foi a curiosidade de todos. Quando é seu primeiro bebê, ninguém tem uma opinião tão grande em relação ao sexo que “deveria” ter porque não há precedentes.

Quando eu estava grávida do meu segundo filho, a metade dos meus entes queridos esperava o sexo oposto, então eu teria “um de cada”, e a outra metade esperava pelo mesmo sexo para que as crianças pudessem ser amigas daquela maneira especial única que os irmãos do mesmo sexo têm quando eles têm uma idade próxima.

Enquanto isso, eu me perguntava se eu deveria ir ao sótão para reunir todas as roupas de bebê que eu já possuía e lavá-las. Ou eu precisava fazer compras? Eu estaria enfrentando um bebê que era um pouco familiar ou totalmente diferente? Isso estava me deixando louca… e qualquer mãe sabe que a gravidez é tão desafiadora quanto possível!

Como num exercício zen, eu continuei a escolher não saber. E lentamente desisti da ilusão de controle e praticava paciência, quase como um exercício espiritual. (Nota: eu sofro de impaciência e gosto de planejar com antecedência! Isso é parte do porquê eu sabia que era uma boa prática para mim.) E quanto mais eu não sabia, mais eu percebi que não importava, que minhas esperanças ou os medos não estavam na equação.

Em última análise, uma criança é um presente de Deus e aquele que nascer será o melhor para a nossa família. A rendição de não saber me desafiou a não esperar um sexo específico, o que parece mais justo para a criança. As conversas que tinha, como “Você está esperando por um garoto desta vez?”, ou, “Você finalmente conseguirá sua garota?”, deixavam-me pálida em comparação com a virtude do mistério. Espero encontrar a criança que Deus projetou, minha alma respondeu, apesar de toda a especulação.

No meu caso, no meu quarto ou quinto mês, parecia que todos estavam convencidos do sexo do meu bebê e que todos estavam de acordo. Um membro da família trouxe uma linda hortênsia que era a cor tradicional associada ao sexo que eles esperavam que eu tivesse. Nós a plantamos bem na porta da frente de casa. Como eu admirava isso, e escutava a especulação dos meus entes queridos, logo também eu me senti convencida do sexo do bebê. Apesar de escolher não saber, eu realmente pensei que sabia. Que loucura! Ainda me faz rir.

Você pode imaginar minha surpresa quando depois de um trabalho de parto árduo, o médico declarou “É um…” e era o oposto da expectativa de todos. Eu quase não podia acreditar. Meu marido sorriu de orelha a orelha e fiquei estupefata, com certeza que eu tinha sido mal informada. Então, quando eu vi o rosto do bebê e acariciei a beleza quente e doce, eu conheci o nosso significado para ser e senti um choque de prazer incrível. Nosso bebê nasceu na manhã do Domingo do Jubileu, o terceiro domingo após a Páscoa, na qual a Missa começa com o Salmo: “Jubilate Deo omnis terra”, um convite à alegria universal em Cristo.

Pensei em Gênesis, quando Sarah riu depois de ter dito que ela teria um filho. Eu ainda dou risada quando penso em quão certos todos estavam sobre o sexo do bebê que eu teria, e como eu pensei que seria certo na minha profecia… e ainda estou tão feliz por não ter descoberto. Nasceu com covinhas profundas e um enorme sorriso, minha surpresa é uma lembrança constante do lindo e profundo humor de Deus. Esta criança preciosa me lembrou do privilégio de entregar-se; uma razão sagrada para o “júbilo”, a qual nossa família comemorará com gratidão e humildade todos os dias os Jubileus que virão.

Ah, lembra-se da hortênsia? Virou a cor oposta, não muito tempo depois do nascimento do bebê. Azul, em vez de rosa… Ou era rosa e não azul?