Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Domingo 17 Janeiro |
home iconHistórias Inspiradoras
line break icon

28 anos depois, médico vira colega de trabalho da enfermeira que cuidou dele quando bebê

BRANDON AND VILMA

Stanford Children's Health - Lucile Packard Children's Hospital Stanford | Facebook | Fair Use

Elizabeth Pardi - publicado em 13/09/18

Um reencontro muito especial e cheio de esperança

Quando um bebê recebe alta da UTI neonatal é um acontecimento feliz não só para os pais, mas para todos os profissionais do hospital que, com muita dedicação, acompanharam o pequeno em sua viagem até o bem-estar. Por isso, quando esses profissionais recebem notícias de como esses bebês prosperaram como adultos, é muito reconfortante. Foi o que aconteceu com Vilma Wong, uma enfermeira de UTI neonatal dos Estados Unidos.

Recentemente, Vilma estava na metade do seu turno de trabalho no Hospital Infantil Lucile Packard, na Califórnia, onde trabalha há 32 anos. Um residente de neurologia pediátrica chamado Brandon Seminatore estava acompanhando a equipe naquele dia. “Eu perguntei quem ele era é o sobrenome dele me soou familiar”, disse a enfermeira.

A conversa continuou e ela se lembrou de um bebê prematuro de que ela tinha cuidado há décadas e que tinha o mesmo sobrenome. Por isso, Vilma perguntou a Brandon se o pai dele era um agente da polícia. Então, “produziu-se um grande silêncio”, contou Vilma. “Depois, ele mesmo me perguntou se eu era a Vilma. E eu disse que sim…”

Brandon passou mais de um mês na UTI neonatal, pois nasceu prematuro (com 29 semanas de gestação). Quando, já adulto, começou a trabalhar no mesmo hospital em que nasceu, a mãe dele sugeriu que procurasse a enfermeira que cuidou tão bem dele.

No entanto, Brandon pensava que Vilma já tivesse se aposentado. Nunca esperava dar de cara com ela dessa forma.

“Conhecer Vilma foi uma experiência surreal. Quando ela reconheceu meu nome, compreendemos de imediato que eu era um daqueles bebês. Eu completei o círculo e agora estou cuidando de bebês ao lado da enfermeira que cuidou de mim”, comemorou Brandon.

O médico declarou que a sua história “é uma esperança para as famílias de crianças que tiveram um começo difícil”. E quem melhor para ilustrar essa esperança do que um neurologista infantil que nasceu na mesma unidade onde, agora, ajuda outros bebês a seguirem suas vidas?

Tags:
BebêsEsperançaMaternidade
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
Aleteia Brasil
Na íntegra: as três partes do Segredo de Fáti...
UNPLANNED
Jaime Septién
Filme contra o aborto arrasa nas bilheterias ...
BABY BAPTISM
Padre Reginaldo Manzotti
Por que é tão importante batizar uma criança?
Deserto de Negev
Francisco Vêneto
Pedra de 1.400 anos com inscrição mariana é e...
KRZYŻYK NA CZOLE
Beatriz Camargo
60 nomes de bebês que carregam mensagens pode...
Reportagem local
Papa Francisco: cuidado com os cristãos que s...
POPE JOHN PAUL II
Philip Kosloski
"Não tenhais medo": a frase mais usada por Sã...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia