Aleteia
Sexta-feira 23 Outubro |
São Paulo Tong Viet Buong
Estilo de vida

Meu filho foi diagnosticado com TDAH. E agora?

Boy with Fidget Spinner

Shutterstock

Inma Alvarez - publicado em 25/09/18

A cooperação entre pais, professores, médicos de família e psicólogos é fundamental

O Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) parece ser a doença dos dias de hoje. Quando uma criança está inquieta, não gosta de estudar, ou tem dificuldade em prestar atenção, os educadores geralmente sugerem que o TDAH pode ser o problema.

A realidade é que o TDAH, definido como tal no início do século XX, recentemente começou a ser estudado de forma sistemática. A pesquisa científica está fazendo grandes progressos, e muitas conferências em todo o mundo continuam a atualizar as mais recentes descobertas.

Mas pais e educadores muitas vezes enfrentam um grande desconhecido: talvez eles tenham repreendido demais o filho porque ele não prestou atenção, ou talvez eles foram diagnosticados porque sua filha continuava recebendo notas ruins ou por causa da tensão em casa, ou simplesmente tiveram a intuição de que “algo” estava acontecendo, mas eles não sabiam como nomear isso.

O primeiro passo é obter um bom diagnóstico. A cooperação entre pais, professores, médicos e psicólogos é muito importante.

O que esperar da medicina

Um ponto crucial a ter em mente é que os medicamentos não curam o TDAH. Eles são apenas um meio – e nem sempre essencial – para ajudar a criança a aprender a gerenciar sua dificuldade. O que mais importa é a forma como a criança é educada, o que significa que os pais, médicos, psicólogos e professores devem concordar entre si.

Crianças ou adolescentes que apresentam sinais de TDAH precisam de atenção e paciência de seus educadores, professores e pais. A ajuda mais eficaz para educar e apoiar essas crianças sempre será uma atenção pessoal e paciente, especialmente devido às dificuldades objetivas que elas têm que enfrentar cada dia apenas para aprender.

Por exemplo, é muito importante que a professora se lembre de:

  • Valorizá-los para além do TDAH.
  • Trabalhar com outras atividades que lhes permitam se levantar e se mover um pouco.
  • Ajudá-los a se destacar no que sabem fazer bem.
  • Transmitir calma: falar lentamente, suavemente, ter algum contato físico leve etc.
  • Conscientizá-los de suas dificuldades.
  • Não privá-los do recreio ou da atividade física.

O professor deve:

  • Ter uma atitude positiva.
  • Ser capaz de resolver problemas de forma organizada.
  • Perceber que as crianças com TDAH não se comportam dessa maneira porque querem, mas por causa de sua desordem.
  • Manter uma estrutura de sala de aula consistente.
  • Fornecer instruções breves e simples.
  • Adaptar os métodos de ensino para atender às suas necessidades.
  • Estar munido de informações e conhecimentos sobre TDAH.

E em casa?

Essas indicações são importantes também para os pais, uma vez que alguns estudos mostram que em uma família onde um ou mais membros têm TDAH, há estresse e irritabilidade significativamente maiores. Em casa, é muito importante adotar as seguintes estratégias:

  • Estabelecer rotinas. Isso ajuda as crianças com TDAH a se concentrarem.
  • Não dar mais do que uma ordem por vez.
  • Ter e transmitir calma.
  • Evitar a reação excessiva e o estresse: estar ciente de que a criança não é culpada por ser assim.
  • É essencial que as crianças e adolescentes com TDAH tenham relacionamentos saudáveis ​​e carinho na família, porque a desordem – especialmente quando não é entendida ou aceita pelos pais e pelo resto da família – pode afetar muito sua autoestima ou fazê-los se sentirem “rotulados”.
  • Lembrar-se de que mesmo que uma criança com TDAH possa ter dificuldades na escola, isso não significa que ela é menos inteligente ou capaz. Crianças com este transtorno possuem outras qualidades cognitivas que precisam ser exploradas. Todas as crianças estão cheias de recursos e habilidades. Você precisa saber como identificá-los.
  • Muitas vezes, há uma grande diferença entre a forma como os pais veem seus filhos e como seus filhos veem e compreendem o relacionamento de seus pais com eles. A comunicação é fundamental para ajudar os pais e as crianças a se entenderem melhor e a descobrir o que os motiva.
  • Às vezes, os pais sentem que crianças com TDAH não estão respondendo aos seus esforços para ajudá-las. Por outro lado, as crianças geralmente acreditam que estão cooperando da melhor forma possível, mas sentem que seus pais não lhes dão a atenção que precisam. O diálogo é uma forma muito concreta de amor, que é crucial nesses casos.
  • Outra das principais responsabilidades dos pais de crianças com TDAH é ler sobre o transtorno para que eles possam entender o que está acontecendo e procurar ajuda de associações e grupos de pais com o mesmo problema. Nem todas as terapias são aceitáveis, nem todos os medicamentos ou recursos são benéficos. Nesse sentido, é uma boa ideia estar atualizado sobre a pesquisa do TDAH e ler fontes especializadas. A melhor coisa que você pode fazer pelo seu filho é procurar a associação de pais do TDAH mais perto de você e se inscrever para seus cursos de treinamento.

Escrito em colaboração com Javier Fiz Pérez, psicólogo, professor de psicologia da Universidade Europeia de Roma, delegado para o Desenvolvimento Científico Internacional e chefe da Área de Desenvolvimento Científico do Instituto Europeu de Psicologia Positiva (IEPP).

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
DoençaPaternidadePsicologiaSaúde
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
nuvens sinais
Reportagem local
Estão sendo fotografados "sinais do céu"?
Extremistas queimam igrejas no Chile
Francisco Vêneto
Por que queimam igrejas: Dom Henrique e Pe. J...
Rosário
Philip Kosloski
Benefícios do Rosário: 3 virtudes que aprende...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia