Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sexta-feira 30 Outubro |
Santo Angelo de Acri
home iconAtualidade
line break icon

Notícias falsas, um pesadelo para os candidatos no Brasil

Marcelo Camargo-Agência Brasil-CC

Agências de Notícias - publicado em 28/09/18

A checagem de fatos é uma contenção de danos. O estrago já está feito

Bolsonaro foi realmente esfaqueado? Haddad acha que as crianças são propriedade do Estado? As notícias falsas viralizam nas redes sociais brasileiras rapidamente, enquanto autoridades tentam limitar os danos.

“Fato comprovado: Jair Bolsonaro FORJOU o atentado contra si mesmo para ganhar o coração dos eleitores indecisos”, diz uma das mensagens difundidas após a facada recebida em 6 de setembro pelo candidato de extrema direita, favorito nas pesquisas para o primeiro turno das eleições de 7 de outubro.

A teoria da conspiração sobre a “fake facada” (facada falsa) foi registrada em 40,5% dos perfis que comentaram o evento, segundo um estudo da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

As “fake news”, que dominaram o cenário político americano durante a campanha que elegeu Donald Trump em 2016, tomaram conta da campanha brasileira e apontam contra todos os candidatos.

“Ao completar 5 anos de idade, a criança passa a ser propriedade do Estado! Cabe a nós decidir se menino será menina e vice-versa”, afirma uma declaração atribuída ao esquerdista Fernando Haddad em um meme compartilhado mais de 150.000 vezes no Facebook de 23 a 26 de setembro, quando foi retirado.

O serviço de verificação da AFP com apoio do projeto Comprova determinou que não há indícios de que o candidato tenha feito tal declaração.

As notícias falsas são “uma outra ferramenta do jogo político, como é a propaganda eleitoral”, explicou à AFP Pedro Burgos, criador do projeto Impacto.jor, de análises mediante robôs da repercussão de notas jornalísticas.

“Agora aparecem mais [graças à Internet], porque as notícias falsas fazem parte da história de todas as eleições”, afirmou.

– “O dano está feito” –

Embora todos os partidos tenham assinado um compromisso de colaboração contra as fake news, é difícil controlar esse tsunami de desinformação.

“A checagem de fatos é uma contenção de danos. O estrago já está feito, e você vai tentar diminuir um pouquinho aquele dano. Provavelmente aquilo vai continuar se espalhando”, disse Fabricio Benevenuto, professor adjunto do Departamento de Ciência e Computação da Universidade Federal de Minas Gerais e coordenador do projeto “Eleições Sem Fake”.

A Justiça eleitoral realiza campanhas educativas e montou equipes de Inteligência para controlar a propaganda virtual.

Já os políticos desmentem histórias no valioso horário eleitoral televisivo, ou por meio de seus próprios serviços de checagem: “Não, Ciro Gomes nunca agrediu [sua ex-mulher] Patrícia Pillar”; “Tem mentira das grandes circulando na Internet: Geraldo Alckmin NÃO vai apoiar o PT”.

Para detectar notícias falsas, funcionam, no Brasil, ao menos nove núcleos de análise.

Estes se dividem entre aqueles que verificam conteúdos audiovisuais, como o Comprova (que engloba 24 meios locais, incluindo a AFP no Brasil); e as agências que corroboram os discursos de pessoas públicas.

O Comprova desmente uma média de 11 por semana, e as agências de checagem, sete.

Ainda que a tia no grupo da família no WhatsApp não tenha divulgado notícias falsas de propósito, “eu vou pegar uma checagem e dizer: ‘tia, isso está errado’. Talvez ela não vá fazer de novo. (…) É uma forma de vacinar a sociedade contra esse mal”, explicou Benevenuto.

Mas, dado que 48% dos brasileiros usam a Internet para se informar sobre os candidatos, segundo o Ibope, as consequências desta desinformação nas urnas serão difíceis de medir.

– ‘Fakes’ para ‘reforças as diferenças’ –

Para Burgos, as notícias falsas “têm uma influência bem menor do que as pessoas acreditam”, já que “têm aderência em pessoas que já estão normalmente hiperpolitizadas”. Seu papel é “reforçar as divisões tribais, sem mudar necessariamente o voto”.

As fake news costumam ser criadas no âmbito de uma campanha de desinformação e podem incluir imagens e vídeos.

Por trás dessas campanhas pode haver grandes grupos econômicos, empresas, mas também “ativistas, pessoas que realmente acreditam em um determinado candidato”, apontou Benevenuto.

A campanha brasileira se caracterizou pela radicalização do eleitorado, que, de acordo com as pesquisas, dá preferência a dois candidatos de polos opostos: Bolsonaro e Haddad.

“Esta eleição não só está polarizada, também é muito negativa de maneira geral: um clima de ‘se você não gosta do meu partido, você é contra mim’. E isso não tem nada a ver com robôs”, ou programas criados para dar visibilidade a publicações no Facebook, ou transformá-las em tendência no Twitter, afirmou Burgos.

Em média, 37,4% dos seguidores dos presidenciáveis no Twitter são perfis “bots”, como aponta uma pesquisa do instituto InternetLab.

“Se a nossa eleição fosse muito no Twitter, poderia acreditar que os robôs têm um papel importante. Mas acontece muito no WhatsApp. (…) Acho que o boca a boca, a palavra do seu amigo no WhatsApp tem muito mais influência do que 80.000 bots no Twitter”, considerou.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
Política
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
OLD WOMAN, WRITING
Cerith Gardiner
A carta de uma irlandesa de 107 anos sobre co...
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
Reportagem local
Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que o...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia