Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

2 modelos de santidade para os millennials

CARLO ACUTIS, NUNZIO SULPIRIZI
Wikipedia
Compartilhar

O beato Nunzio Sulprizio e o Venerável Carlo Acutis sofreram muito na juventude, mas encontraram forças na Eucaristia

No dia 3 de outubro, começou o Sínodo sobre os jovens, a fé e o discernimento vocacional; por isso, apresentamos dois jovens cujo testemunho foi proposto pela Igreja como modelos de santidade para os millennials, como se denominam os jovens da geração atual.

Trata-se do Beato Nunzio Sulprizio e do Venerável Carlo Acutis, cujas vidas estão na seção de “Jovens testemunhos” do site oficial do Sínodo.

O primeiro será canonizado em 14 de outubro pelo Papa Francisco e o segundo foi declarado venerável em julho deste ano.

Nunzio é considerado o padroeiro das crianças exploradas e dos trabalhadores, enquanto Carlo é conhecido como o “ciberapóstolo da Eucaristia”.

Embora Nunzio tenha nascido no começo do século XIX e Carlo no final do século XX, as vidas de ambos estão unidas pela devoção à Eucaristia e ao Rosário, pela nacionalidade italiana e porque morreram por causa de câncer.

Nunzio Sulprizio

Nunzio se distinguiu por sua alma forte, que o ajudou a resistir às dificuldades e sofrimentos que atravessou durante sua vida.

Nasceu em 1817 e ficou órfão aos seis anos. Foi enviado para viver com sua avó, uma mulher de fé que cuidou dele até que faleceu, quando ele tinha nove anos.

Sem se importar que estivesse doente e com um pé gangrenado, Nunzio tinha que trabalhar; entretanto, enfrentou sua dolorosa e penosa situação com uma atitude santa.

Uma biografia sua publicada no site dos salesianos de Turim revela que, quando podia, o jovem se refugiava em uma igreja para buscar consolo em Jesus Eucarístico, a quem considerava seu grande amigo; e participar da Missa dominical era para ele um grande alívio.

Além disso, oferecia seus sofrimentos “em reparação pelos pecados do mundo”, para “fazer a vontade de Deus” e “ganhar o Paraíso”.

Nunzio teve que ser hospitalizado devido às infecções que sofria. Ali, o tio de seu pai ficou sabendo das condições desumanas com as quais havia sido tratado e o colocou sob o cuidado do coronel Felice Wochinger, conhecido por sua caridade para com os pobres.

No hospital, Nunzio recebeu sua Primeira Comunhão e conheceu São Gaetano Errico, fundador dos Missionários dos Sagrados Corações de Jesus e Maria, que disse ao jovem que podia ingressar em sua ordem quando tivesse a idade indicada.

A saúde do beato melhorou, mas não por muito tempo, pois descobriu que padecia de um câncer nos ossos. Antes de morrer, quando tinha 19 anos, Nunzio disse ao coronel Wochinger: “Alegra-te. Do céu, sempre vou te ajudar”.

O jovem faleceu em 5 de maio de 1836, em Nápoles, e foi beatificado em 1963 pelo Beato Paulo VI, no Vaticano.

Durante a cerimônia, o Pontífice indicou aos jovens que “o período da juventude não deve ser considerado como a idade da libertinagem, das quedas inevitáveis, de crises invencíveis, de pessimismos desanimadores e de egoísmos exacerbados”.

“Demonstrará que vós, jovens, podeis regenerar em vós mesmos o mundo onde fostes chamados a viver pela Providência, e que cabe a vós, em primeiro lugar, consagrar-vos à salvação de uma sociedade que tem precisamente necessidade de espíritos fortes e decididos”, afirmou o Santo Padre.

Carlo Acutis

Carlo Acutis nasceu no dia 3 de maio de 1991, em Londres (Inglaterra), onde sua família residia por motivos profissionais. Anos mais tarde, mudaram-se para Milão.

Recebeu a Primeira Comunhão aos 7 anos de idade e, desde então, sua vida foi marcada por um profundo amor à Eucaristia, a qual considerava como “rodovia para o céu”.

Participava todos os dias da Missa e também rezava o terço, impulsionado por sua devoção à Virgem Maria, a qual considerava sua confidente. Além disso, dava aulas de catecismo às crianças e ajudava os mais necessitados.

Sua intensa vida espiritual o levou a criar o que alguns chamaram o “kit para tornar-se santo”, que era composto por Missa, Comunhão, Terço, leitura diária da Bíblia, confissão e serviço aos outros.

Uma biografia dele recolhe as palavras que pronunciou sobre os seus ideais: “A nossa meta deve ser o infinito, não o finito. O Infinito é a nossa Pátria. Desde sempre o céu nos espera”.

Por outro lado, Acutis desenvolveu desde pequeno o seu talento pela informática e os adultos que o conheciam o consideravam um gênio.

Assim, uniu o seu hobby pela informática com seu zelo evangelizador e criou exposições virtuais sobre temas da fé. Um dos mais destacados foi realizado quando tinha 14 anos e trata sobre milagres eucarísticos no mundo inteiro.

Quando foi diagnosticado com leucemia, Carlo decidiu oferecer seus sofrimentos pelo Papa e pela Igreja Católica. Faleceu em 12 de outubro de 2006, dia da festa da Virgem do Pilar, aos 15 anos.

 

(ACI DIgital)