Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Receba diretamente no seu email os artigos da Aleteia.
Cadastrar-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Tudo o que você precisa saber sobre fantasmas

LiliGraphie | Shutterstock
Compartilhar

Os católicos acreditam em três tipos diferentes de fantasmas, incluindo um tipo que devemos evitar

Freqüentemente, fantasmas são retratados na cultura popular como criaturas bonitinhas e fofas como Gasparzinho, o Fantasminha Camarada ou seres assustadores que assombram um lugar ou pessoa em particular. No entanto, em geral, a maioria das pessoas acredita que os fantasmas são objeto de ficção, não reais.

Mas qual é a verdade sobre fantasmas? Eles são reais?

De acordo com a Igreja Católica, sim, os fantasmas são reais, exceto que a definição de “fantasma” da Igreja é ligeiramente diferente da visão do mundo e inclui três tipos diferentes.

Fantasmas sagrados

Em primeiro lugar, a palavra “fantasma” é tradicionalmente definida como “espírito”. Nesse aspecto, a Igreja Católica afirma que existe um mundo espiritual ao nosso redor. Esses espíritos são normalmente identificados como “anjos”.

Anjos, semelhantes a Deus, são puro “espírito” e existem. É uma “verdade de fé” e somos obrigados a acreditar neles como católicos.

Sempre que um anjo aparece para alguém na Bíblia, a pessoa pode ter medo no início, mas o anjo fala e pede para que não tenha medo.

O anjo parece dar uma mensagem específica de encorajamento e ajudar uma pessoa em particular a aproximar-se de Deus. Seu propósito é levar uma alma no caminho que Deus estabeleceu para ela, na esperança de alcançar a vida eterna.

Além disso, um anjo não procura enganar e não fica tentando se esconder de alguém. Sua missão é muito específica e muitas vezes eles dão assistência sem sequer sabermos que eles são um anjo. Às vezes eles podem ter uma aparência humana, mas a aparência deles não é para assustar ou amedrontar, mas para nos ajudar.

Demônios enganosos

Por outro lado, embora existam anjos bons, também existem anjos maus. O Catecismo da Igreja Católica afirma: “Satanás ou Diabo e os outros demônios são anjos decaídos por terem livremente recusado servir a Deus e ao seu desígnio” (CIC 414).

Este tipo de “fantasma” cai na definição de criaturas espirituais que são apresentadas em reality shows paranormais. Os relatos de tais fantasmas sempre giram em torno de algo que assusta um indivíduo. Pode ser um objeto em movimento ou uma casa assombrada. Às vezes é um relato de uma figura aterrorizante. Muitas vezes, a pessoa que acredita ter visto um fantasma só tem um vislumbre disso, mas a experiência é arrepiante.  

Essa tática é certamente uma reminiscência do que os demônios querem fazer conosco: eles querem nos assustar. Os demônios querem nos enganar e fazer acreditar que são poderosos, além de conquistar nossa submissão. É uma tática antiga. O diabo quer nos afastar de Deus e quer que tenhamos um fascínio pelo demoníaco.

É provável que, se alguém vir um fantasma ou estiver envolvido com “caçar fantasmas”, o que eles viram foi na verdade um demônio.

Espíritos dos mortos

A terceira categoria de “fantasmas” não se encaixa na definição de um anjo ou demônio. Tem havido inúmeras histórias ao longo dos séculos de santos ou almas no purgatório que visitam as pessoas na Terra.

Os santos aparecem para as pessoas para persuadi-las e dar-lhes esperança de vida eterna, e as almas do purgatório geralmente vêm pedir orações ou agradecer a alguém por orações.

Os santos têm atestado através dos séculos ver almas do purgatório, mas essas almas sempre buscam as orações daqueles para quem elas apareceram e então agradecem ao santo quando são admitidas no céu. Almas no purgatório têm um propósito por trás de sua aparência e não procuram nos assustar ou intimidar.

A Igreja oficialmente não tem nada escrito em definitivo sobre as almas que aparecem após a morte, embora as histórias e a experiência comum das pessoas pareçam confirmar esse fenômeno. É possível que alguns fantasmas sejam os espíritos de parentes falecidos que procuram nos dar uma palavra de conforto ou mesmo advertência, mas a Igreja não disse de qualquer maneira se isso poderia ser o caso ou não.

A Igreja sugere que, se você for atormentado por fantasmas que estão tentando assombrá-lo e assustá-lo, não chame os CaçaFantasmas. Fale com o seu padre local. Pode haver algo muito mais sinistro que os investigadores paranormais não terão poder sobre isso.