Aleteia
Sexta-feira 23 Outubro |
São Paulo Tong Viet Buong
Atualidade

Odebrecht, um escândalo de corrupção que se espalhou pela AL

VENEZUELA

Red San Alberto Hurtado

Agências de Notícias - publicado em 09/12/18

Em alguns países, atingiu políticos, que já foram detidos e condenados

O escândalo protagonizado pela empreiteira Odebrecht irradiou do Brasil para o continente e além, depois que a empresa admitiu o equivalente a cerca de US$ 788 milhões em propinas pagas em 12 países, incluindo dois africanos.

Em alguns países, atingiu políticos, que já foram detidos e condenados, ou estão sendo processados. Confira abaixo uma síntese das repercussões do escândalo:

– Brasil –

A Odebrecht é protagonista da Operação Lava Jato, com subornos de US$ 349 milhões, com funcionários de alto escalão do governo sendo investigados: dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff ao atual, Michel Temer.

A investigação, que estima um montante de US$ 1,647 bilhão, registra, até o momento, 215 condenações de 140 réus. Em um desdobramento desse caso, o ex-presidente Lula cumpre, desde abril passado, uma pena de 12 anos e um mês de prisão.

– Peru –

Foram pagos US$ 29 milhões em propina. O Ministério Público investiga quatro ex-presidentes e a líder da oposição.

Em março, Pedro Pablo Kuczynski (2016-2018) renunciou à presidência, em meio à suspeita de conexão com a Odebrecht quando era ministro de Alejandro Toledo (2001-2006). Ele fugiu para os Estados Unidos, mas o Peru pediu sua extradição, acusando-o de receber US$ 20 milhões.

Também se investiga Alan García (1985-1990, 2006-2011) por irregularidades no metrô de Lima. Cinco ex-funcionários já foram detidos. Ollanta Humala (2011-2016), que esteve preso junto com a esposa, é suspeito de receber US$ 3 milhões para sua campanha. Pelo mesmo motivo, Keiko Fujimori cumpre prisão preventiva desde outubro. Ela é acusada de receber US$ 1,2 milhão.

– Argentina –

Ainda não se abriu nenhum caso pelas propinas de US$ 35 milhões. Os Ministérios Públicos de Brasil e Argentina selaram um acordo para que esta última tenha acesso ao caso, envolvendo ex-funcionários do governo e empresários.

A Odebrecht participou de empreendimentos, como gasodutos com a petroleira estatal YPF, ou entrando com US$ 3 bilhões para o soterramento da ferrovia Sarmiento, em Buenos Aires, associada a uma empresa de um familiar do atual presidente, Mauricio Macri.

– Panamá –

A construtora reconheceu pagamentos de US$ 59 milhões. O Ministério Público investiga três governos: Martín Torrijos (2004-2009), Ricardo Martinelli (2009-2014) e o atual, Juan Carlos Varela (2014-2019). Até agora, cinco intermediários foram condenados neste caso envolvendo 76 réus.

O governo de Martinelli, que segundo o MP recebeu US$ 96 milhões, é o mais comprometido. Dois filhos do ex-presidente – detidos em Miami e que tiveram sua extradição solicitada pelo Panamá – e vários ex-ministros foram indiciados, entre outros ex-funcionários. Alguns chegaram a ficar detidos, mas foram soltos. O partido da situação é acusado de receber recursos.

– Venezuela –

Com US$ 98 milhões, a Venezuela é o segundo país em montante de propina paga pela Odebrecht. O escândalo atingiu o presidente Nicolás Maduro e funcionários de alto escalão, como Diosdado Cabello, mas a Justiça se negou a investigar “especulações”.

Em 2017, Maduro mandou prender quem recebeu suborno e, depois disso, o Ministério Público, solicitou a captura de quatro lideranças locais.

O líder da oposição Henrique Capriles foi apontado pela imprensa como tendo recebido dinheiro para sua campanha em 2012. Ele nega a acusação.

– Colômbia –

Há seis condenados no caso. Embora a companhia tenha admitido o pagamento de US$ 11 milhões, o MP estima que tenham sido US$ 32,5 milhões. O funcionário de mais alto escalão já detido é o ex-vice-ministro dos Transportes Gabriel García, que recebeu suborno para aprovar a maior obra viária do país. Três ex-diretores da Odebrecht têm mandados de prisão contra eles.

Espera-se a nomeação de um procurador especial para a investigação, depois que Néstor Martínez e seu vice se declararam impedidos por conflito de interesses. O auditor financeiro do consórcio construtor garantiu que Martínez sabia dos subornos e não os denunciou. A morte do auditor por um aparente infarto e de seu filho, envenenado com cianureto, estão sob investigação.

– México –

A Odebrecht reconheceu ter repassado US$ 10,5 milhões. O caso de maior repercussão foi o de Emilio Lozoya, ligado ao ex-presidente Enrique Peña Nieto e diretor da estatal Pemex, que teria recebido US$ 10 milhões. Lozoya foi intimado a depor, mas sem maiores consequências.

Após sua posse, Andrés Manuel López Obrador defendeu transparência no processo: “Sobre a Odebrecht há instruções (…) para que se divulguem todas as informações”.

– Ecuador –

As propinas chegaram a US$ 40 milhões, acima dos US$ 33,5 milhões estimados inicialmente. Segundo o MP, há 22 detidos e 24 processos abertos por associação ilícita, captação ilegal de recursos, enriquecimento ilícito e outros delitos. O ex-vice-presidente do Equador Jorge Glas (2013-2018) foi o primeiro funcionário de alto perfil sentenciado (2017). Ele foi condenado a seis anos de prisão por receber US$ 13,5 milhões em propina.

O ex-empreiteiro Carlos Pólit, agora foragido, foi condenado a seis anos de prisão por fraude, enquanto um ex-ministro recebeu penas de cinco anos de prisão.

– Guatemala –

A Odebrecht repassou US$ 17,9 milhões para uma obra e para a campanha presidencial do empresário Manuel Baldizón.

No primeiro caso, a empresa entregou US$ 9 milhões ao então ministro das Comunicações, Alejandro Sinibaldi, que está foragido. A única condenação foi para seu concunhado, sentenciado a três anos de pena comutada por colaborar na investigação. Além disso, seis pessoas estão sendo processadas, e há um mandado de prisão expedido contra pelo menos outras quatro.

– República Dominicana –

A Odebrecht admitiu ter entregue US$ 92 milhões. A Justiça processou sete pessoas. Em 23 de janeiro, haverá uma audiência.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
nuvens sinais
Reportagem local
Estão sendo fotografados "sinais do céu"?
Extremistas queimam igrejas no Chile
Francisco Vêneto
Por que queimam igrejas: Dom Henrique e Pe. J...
Rosário
Philip Kosloski
Benefícios do Rosário: 3 virtudes que aprende...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia