Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

O aumento silencioso da anorexia e bulimia

ANOREKSJA
Shutterstock
Compartilhar

Mulheres jovens são as mais propensas a sofrer transtornos alimentares

A tentativa de se adaptar aos modelos culturais aceitos pela maioria é uma dos principais gatilhos para o surgimento de patologias como anorexia e bulimia entre os jovens. Ambos os males tiveram um crescimento alarmante nos últimos anos.

Há duas décadas, os transtornos alimentares eram tratados quase de forma exclusiva por nutricionistas. No entanto, o constante crescimento desses casos levou ao questionamento sobre a forma de tratamento. Atualmente, os pacientes são atendidos por uma equipe multidisciplinar, integrada por médicos, psicólogos e psiquiatras.

O problema se tornou muito mais complexo, pois, ao enfoque meramente nutricional foi preciso somar especialistas que analisassem os componentes socioculturais, psicológicos e inclusive genéticos dessas doenças. Para a maioria dos especialistas, a rigidez nos padrões estéticos da sociedade moderna, bem como a autoestima frágil dos que padecem dessas doenças, são os fatores mais importantes.

Um dado relevante é que estas patologias se apresentam predominantemente nas mulheres (apenas 10% são homens). A bulimia também costuma de apresentar no final da adolescência e no início da vida adulta.

Cerca de 5-10% da população padece deste problema, e este número não para de crescer, segundo especialistas da Universidade de Concepción, no Chile.

Estas patologias se apresentam de igual forma nos diversos níveis socioeconômicos. Isso se opõe à crença de que tais males atingem apenas os segmentos mais favorecidos.

Os anoréxicos são pessoas que não se conformam com sua imagem, porque seu ideal não se relaciona jamais com o que veem de si mesmos. Ficam obcecados por alcançar o peso que para eles é adequado.

Os que sofrem de bulimia, por sua vez, gostam de comer, mas querem ser magros, razão pela qual, para eliminar o que ingerem, provocam vômitos ou diarreias.

Tais práticas, obviamente, repercutem de forma negativa na saúde, podendo provocar desequilíbrio metabólico por carência de vitaminas e minerais, além de problemas gastrointestinais, desgaste do esmalte dos dentes e da gengiva, desnutrição grave e inclusive morte por paradas cardiorrespiratórias, no caso da anorexia. A isso se somam as sequelas endocrinológicas, hematológicas, nervosas e psiquiátricas.

É importante levar em consideração que tanto a anorexia quanto a bulimia são patologias crônicas, ou seja, as pessoas que as sofrem podem controlá-las, mas dificilmente curá-las. Daí a importância do trabalho preventivo que precisa ser feito no contexto familiar para apoiar e sustentar quem manifesta estas doenças tão perigosas para a saúde. A ação mais eficaz é procurar ajuda profissional de um psicólogo ao identificar algum sintoma.