Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

As metas religiosas de Bolsonaro

Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
O presidente Jair Bolsonaro passa em revista a tropa em frente ao Congresso Nacional.
Compartilhar

Eis alguns pontos nos quais Bolsonaro muito se aproxima da Doutrina Católica

Prezado(a) leitor(a), Jair Messias Bolsonaro, presidente da República, é, dentre os últimos chefes do Executivo, o que mais tem metas próximas da Doutrina Católica, ainda que alguns fiéis digam sentir “vergonha” do novo presidente. Cabe-nos, de modo breve, examinar a questão de perto.

Comecemos pela sensação de vergonha. Se ela existe, é fruto da omissão de não poucos católicos brasileiros, segundo o Pe. Dr. Luiz Carlos Lodi da Cruz, do Pró Vida Anápolis (GO), ao escrever que a Providência Divina é soberanamente livre para escolher seus instrumentos. ‘Ao Senhor nosso Deus a justiça, mas a nós a vergonha no rosto’ (Br 2,15). Vergonhoso para nós não é a ascensão de Bolsonaro. Vergonhoso é que entre os que professam a fé católica não se tenha encontrado nenhum outro político com a coragem dele. Enfim, em tudo Deus seja louvado” (O messias brasileiro? Aborto: faça alguma coisa pela vida. Boletim 232, 05/10/18). Isso posto, destaquemos quatro pontos positivos nas metas do novo presidente.

O primeiro tópico é o potente não ao socialismo. O Papa Pio XI declarou, em 15/05/1931, na Encíclica Quadragesimo Anno, que “o socialismo, quer se considere como doutrina, quer como fato histórico, ou como ‘ação’, se é verdadeiro socialismo, mesmo depois de se aproximar da verdade e da justiça, não pode conciliar-se com a doutrina católica, pois concebe a sociedade de modo completamente avesso à verdade cristã” (s/n). Dom Estevão Bettencourt, OSB, esclarece que “o Não dito por Pio XI, em 1931, é válido até hoje na medida em que o Socialismo conserva até nossos dias a identidade que ele tinha naquela época” (Curso de Doutrina Social da Igreja. Rio de Janeiro: Mater Ecclesiae, 1992, p. 168).

O segundo é a luta pelo “Estado mínimo” para dar espaço à iniciativa privada. Isso, na Doutrina Social da Igreja, é o chamado princípio de subsidiariedade. Que é ele? – Assim bem sintetiza o Compêndio do Catecismo da Igreja Católica: “Este princípio indica que uma sociedade de ordem superior não deve assumir uma tarefa que diga respeito a uma sociedade de ordem inferior, privando-a das suas competências, mas deve, antes, apoiá-la em caso de necessidade” (n. 403). Só um Estado com viés ideológico autoritário, como a Venezuela, sufoca, cada vez mais, a livre iniciativa a fim de – estatizando tudo – ter cada um dos cidadãos como seus miseráveis e famintos escravos.

O terceiro é o não à ideologia de gênero. A palavra gênero substitui – por uma ardilosa e bem planejada manipulação da linguagem – o termo sexo. Tal substituição não se dá, porém, como um sinônimo, mas, sim, como um vocábulo novo capaz de implantar na mente e nos costumes das pessoas conceitos e práticas inimagináveis. Nesse modelo inovador de sociedade, não existiria mais homem e mulher distintos segundo a natureza, mas, ao contrário, só haveria um ser humano neutro ou indefinido que a sociedade – e não o próprio sujeito – faria ser homem ou mulher, segundo as funções que lhes oferecer. Se é a sociedade quem cria o homem e a mulher e não a natureza, será preciso forjar um novo modelo educacional no qual os comportamentos específicos das meninas vá sendo assimilado pelos meninos (e vice-versa) desde a mais tenra idade.

O quarto é a promoção da legítima defesa. A Igreja apoia o direito natural à legítima defesa. Alguém pode, às vezes, ter de desferir um golpe fatal no injusto agressor para preservar a própria vida. Em suma, a doutrina católica diz que: 1. Quem mata em legítima defesa não comete pecado de homicídio, pois o injusto agressor é quem, no caso, procurou a própria morte ao tentar, de modo censurável, tirar a vida do outro. 2. Só cometerá pecado aquele que extrapolar sua ação na legítima defesa (um tiro bastava para conter o agressor, mas ele lhe fez dez disparos, por exemplo). 3. Quem mata em legítima defesa, se depender apenas desse ponto para ganhar o céu, pode trazer a firme esperança de sua salvação, pois tem “ficha limpa” diante de Deus. 4. Isso porque a própria vida é dom precioso de Deus a ser defendido (cf. Catecismo da Igreja Católica n. 2263-2265).

Eis alguns pontos nos quais Bolsonaro muito se aproxima da Doutrina Católica.