Aleteia
Quinta-feira 22 Outubro |
São Moderano
Religião

Indulgências em breves palavras

MAN,CHURCH,PEWS

Lea Fabienne | CC0

Padre Bruno Roberto Rossi - publicado em 20/01/19

As indulgências são a remissão diante de Deus da pena temporal devida aos pecados

Apresento, hoje, um tema oportuno: as Indulgências na vida da Igreja.

No Compêndio do Catecismo da Igreja Católica, n. 312, se lê: “As indulgências são a remissão diante de Deus da pena temporal devida aos pecados, já perdoados quanto à culpa, que, em determinadas condições, o fiel adquire para si ou para os defuntos mediante o ministério da Igreja, a qual, como dispensadora da redenção, distribui o tesouro dos méritos de Cristo e dos Santos”. Detalho.

“As indulgências são a remissão diante de Deus da pena temporal devida aos pecados, já perdoados quanto à culpa”. Importa, aqui, deixar claro o seguinte: a Confissão sacramental perdoa todos os nossos pecados e o castigo eterno (o inferno) merecido por termos cometido o pecado. No entanto, resta a pena temporal devida ao pecado, ou seja, além de pedir e receber o perdão, devo reparar o erro cometido.

Sim, quem rouba um relógio, pede perdão pelo roubo e é perdoado. Volta à amizade com o Senhor (não mais merecendo o inferno, castigo que o próprio pecador merece; não é Deus quem lhe dá), mas há de reparar o pecado devolvendo, ainda que escondido, o relógio ao dono. O ladrão restaura, assim, a ordem estabelecida por Deus, mas que ele, com seu roubo, quebrou. É a penitência ou a satisfação pelo erro cometido. Daí o sacerdote ordenar ao penitente que, após a Confissão, reze, por exemplo, 1 Pai-Nosso e 3 Ave-Marias a fim de apagar a culpa temporal pelo erro praticado e que deve ser restaurada, interna e externamente no e pelo penitente.

“Em determinadas condições, o fiel adquire para si ou para os defuntos”. Para ganhar uma indulgência são necessárias quatro condições: 1) estar em estado de graça, por meio da Confissão sacramental; 2) comungar; 3) rezar nas intenções que estão no coração do Papa e 4) praticar a obra indulgenciada com profundo horror ao pecado (ler a Bíblia por ao menos meia hora garante uma indulgência plenária; por menos tempo, ela é parcial). Sim, a indulgência pode ser plenária (redime toda pena temporal devida ao pecado já perdoado; deixa-nos zero quilômetros) ou parcial (redime parte da pena temporal devida ao pecado já perdoado). Tais indulgências posso lucrar para mim ou aplicá-la, por caridade, aos falecidos a fim de que se libertem, logo, do purgatório.

“Mediante o ministério da Igreja, a qual, como dispensadora da redenção, distribui o tesouro dos méritos de Cristo e dos Santos”. A Igreja pode conceder indulgências pelo poder que tem (cf. Mt 16,16-19; 18,18; Jo 20,22-23) de administrar os tesouros que Nosso Senhor, a Virgem Maria e os Santos deixam à disposição d’Ela a fim de que Ela os conceda a quem preenche as condições citadas. Ao contrário do que poderia se pensar, no entanto, não é fácil lucrar indulgência plenária. Afinal, quem garante que preencho, verdadeiramente, as condições necessárias para isso? – No entanto, devemos aproveitar desse rico manancial à nossa disposição na Igreja.

“O novo catálogo de indulgências assinala várias obras de piedade como indulgenciadas. Antes do mais, porém, propõe três grandes concessões: a)  É concedida indulgência parcial a todo cristão que, no cumprimento de seus deveres e no suportar as tribulações da vida presente, levante a mente a Deus com humildade, confiança, proferindo ao mesmo tempo alguma invocação piedosa (com os lábios ou só com a mente); b) É concedida indulgência parcial ao cristão que, movido por espírito de fé e misericórdia, coloca a sua pessoa ou os seus bens ao serviço dos irmãos que padecem necessidade e c)  É concedida indulgência parcial ao cristão que, movido por espírito de penitência, se abstenha espontaneamente de algo que lhe seja lícito e agradável.”

“Mediante estas três normas, a Igreja visa a estimular os seus filhos a uma vida fervorosa, animada por espírito de fé, de amor e de configuração a Cristo” (Pergunte e Responderemos, n. 437, out/1998, p. 462).

Aprofundamento: Catecismo da Igreja Católica n. 1471- 1473. Prof. F. Aquino. O que são as indulgências? Cléofas, 1998.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
CARLO ACUTIS
John Burger
Como foram os últimos dias de vida de Carlo A...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
nuvens sinais
Reportagem local
Estão sendo fotografados "sinais do céu"?
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
st charbel
Reportagem local
Por acaso não está acontecendo o que São Char...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia