Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Deve-se priorizar o casamento acima dos filhos?

LOVING FAMILY
Shutterstock
Compartilhar

Apesar do que a maioria dos especialistas recomenda, a vida familiar não é uma competição

Você deve priorizar seu casamento acima dos seus filhos? A sabedoria secular e o pensamento cristão tendem a concordar que sim.

Um artigo na Focus on the Family explica:

As crianças precisam saber que seus pais amam não apenas a elas, mas também os outros. Sua sensação de segurança aumenta à medida que os pais se amam. Colocar seu casamento em modo de espera por 18 anos – ou mesmo um ano – enquanto você cria os filhos, não é apenas prejudicial para o seu casamento, mas também é devastador para os seus filhos.

Eu tenho visto conselhos sobre este tópico que vão desde noites obrigatórias semanais sem as crianças, até “Papai sempre beija a mamãe primeiro quando chega em casa do trabalho”.

E, honestamente, acho que isso é um absurdo.

Em primeiro lugar, a questão de quem priorizar já pressupõe que as necessidades de seus filhos e as necessidades de seu cônjuge são fundamentalmente conflitantes. Nós não estamos falando sobre quem deveria receber o último pedaço de pão em nossa aldeia arruinada pela fome. Amor, atenção, carinho e respeito são recursos renováveis. Não vão acabar.

Sim, é importante não esquecer que o seu cônjuge também tem necessidades, mesmo quando você já está se afogando nas necessidades das crianças. Sim, é importante manter o romance vivo. Sim, é uma boa ideia ter algum tempo a sós apenas com o seu cônjuge de vez em quando. Nada disso está em questão. Mas isso não é “priorizar” seu cônjuge; isso é apenas amá-lo. Você pode fazer todas essas coisas ao mesmo tempo que amar seus filhos.

Todo aquele conselho sombrio sobre certificar-se de priorizar seu casamento para que ele não desmorone acidentalmente no chão enquanto você cuidava de seus filhos? Eu sei que é para lembrar as pessoas de não se perderem tanto no papel de pais que elas esquecem o papel de cônjuges. Isso é justo. Mas outra mensagem soa clara através dos terríveis avisos – que ter filhos torna especialmente difícil amar seu parceiro.

As crianças não colocam o seu casamento em modo espera. Elas podem mudar a forma como você expressa amor uns pelos outros, mas elas não sufocam esse amor. Em um casamento saudável, na verdade é o oposto que acontece. Criar filhos juntos, mesmo quando é difícil e desgastante, pode ser uma das formas mais importantes pelas quais os cônjuges se apaixonam diariamente e sustentam esse amor.

Se o aviso fosse: “Não fique tão envolvido em sua carreira ou hobbies de modo que você nunca tenha tempo para a pessoa com quem se casou”, eu seria a favor. Você obviamente não pode gastar toda a sua energia emocional em algo que seu cônjuge não compartilha e esperar que seu cônjuge não se sinta abandonado. Mas as crianças não são um hobby. Quando você tem filhos, eles não são um acessório; eles são fundamentais para o seu casamento.

Falar sobre as crianças como se elas fossem prejudicar seu relacionamento coloca você em uma luta de poder perpétua com elas. O que, eu garanto, é uma ótima maneira de promover exatamente o tipo de ressentimento que tornará sua família inteira infeliz.

Quando eu era criança, meus pais sempre levavam todos os sete filhos com eles para a comemoração do aniversário de casamento deles (eu tenho memórias vívidas dessas comemorações). Minha mãe sempre fez questão de nos dizer: “Você é o fruto do nosso casamento e somos muito gratos por nossa família. Faz sentido que todos nós celebremos esse casamento juntos”.

Na época, ficávamos eufóricos por uma oportunidade de jantar fora. Agora, vejo o que eles estavam tentando nos mostrar: que as crianças existem no coração de um casamento. Eles não as separam de fora, mas nutrem de dentro.