Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Mochilas, muletas e a vida humana

School bag
Shutterstock
Compartilhar

Descubra o que te paralisa e dê passos para superar suas fraquezas e ser luz ao mundo

Essa semana fizemos alguns box de perguntas em nosso Instagram e com base nisso detectamos uma questão que de 100 stories, 90 tinham: medo.

Isso nos fez refletir sobre o quanto o medo tem paralisado as pessoas e é sobre isso que quero conversar um pouco.

Inicio com duas referências, para que esse texto seja o mais prático possível:

Primeiro, traço um paralelo com a minha experiência em canto coral. Explico. As músicas têm divisão por vozes, onde cada grupo de pessoas faz uma melodia, geralmente elas são bem diferentes umas das outras, mas juntas, quando executadas da maneira correta, formam os acordes. Se um erra, toda a música perde sua beleza, fica uma coisa destoada, horrível de se ouvir. E, acreditem, não é fácil “segurar” sua voz enquanto há outras 10 pessoas cantando coisas diferentes. É então que você precisa tomar uma decisão: ser muleta ou ser mochila.

No canto, muleta seria aquela pessoa que sustenta as notas, que estudou a música e só precisa do maestro para dar as entradas e os tons, de resto ela vai sozinha. A mochila é aquela pessoa que se você deixar sozinha cantando, nada sai. Ela precisa de alguém de seu naipe ali do lado para que ela pegue uma “caroninha”. Não raro, quando um erra, os maestros falam: ê, mochila!

Demorei dois parágrafos para contextualizar e então lhe perguntar: na sua vida afetiva/espiritual/profissional, você está sendo mochila ou muleta?

Outra referência é a que um dia um Padre me falou (provavelmente ele leu num outro lugar, qual não sei, por isso ele é minha fundamentação aqui): existem dois tipos de pessoas: as que encontram problemas e as que os resolvem.

E o que tudo isso tem a ver com o medo que muitos de nossos leitores relataram? Tem tudo a ver!

Esse medo tem paralisado muita gente e servido de muleta para que a vida siga.

Ao invés de ter medo, deveríamos encontrar formas de superá-lo. No lugar de parar e reclamar, deveríamos mexer o corpo e ir atrás daquilo que precisamos ter hoje para que amanhã sejamos melhores.

Dou exemplos, pois nos pediram para ser práticas nos textos.

Alguns rapazes disseram que têm medo de não fazerem as moças felizes. Ora, não é mais fácil você primeiro ter uma namorada, conhecê-la e então buscar formas de que ela seja muito feliz com você? Para isso você precisa abdicar de muita coisa, de muitas manias, para agradá-la. Está disposto? Alguém disposto a isso, não deve sentir medo, deve dar sua vida em jogo para encontrar alguém. Pode começar fazendo sua mãe feliz, amando-a, servindo-a, a ela e às suas irmãs. Seja um homem virtuoso em casa, não sendo apenas gerador de boletos, mas pagando-os também (para citar uma resposta da Thais Schmidt em uma questão num box de pergunta certa vez).

Umas mulheres falaram do medo de não encontrar um marido, de não conseguir cuidar da família, dar uma boa educação aos filhos. Mas então, o que está fazendo com essa angústia? Parada contra a parede de cócoras repetindo: eu sou inútil, pobre de mim, estou sozinha, não sou capaz? É óbvio que esse não é o caminho. O medo aí precisa ser o gás que você precisa para formar-se desde já para ser essa mulher que você quer ser. Comece cuidando da casa que você mora, não seja uma menina mimada que nem a louça do almoço lava, que não sabe sequer pagar uma conta, que a tudo tem os pais para resolverem. Pare agora, e seja mulher desde já. Não seja mochila na sua família, seja muleta! Mas, lembre-se, seu homem pode nunca chegar, você pode nunca ter filhos, isso pode acontecer. Quem garante que não? A Deus cabe nossa vocação e futuro. Portanto é primordial que não se viva a vida buscando esses dias chegarem. Não use como muleta um futuro que você nem sabe se virá. Viva o que você tem hoje, faça o seu melhor na sua condição hoje, e tenha foco na vida eterna.

Não espere casar para ter uma vida de oração, tenha-a hoje! Seu futuro parceiro pode precisar de você forte.

Devemos pensar mais nos outros, sair do nosso mundinho e olhar ao nosso redor. O que preciso fazer para ser um amigo melhor? Preciso estar mais presente? Então, esteja e comece hoje! Como posso ser um filho que honre mais os pais? Lavando minha roupa, ajudando em casa na limpeza e nas contas? Pois façamos! Como posso ser um companheiro melhor para minha namorada ou para minha futura namorada (e vice versa para mulheres)? O que for necessário para que você seja mais maduro e menos mimado, faça! Na vida profissional o que falta para que você seja alguém que soluciona problemas? Na vida espiritual há algo que você precisa parar de esperar para começar a ser melhor?

Chamo-os para o hoje, o agora! Saiamos do nosso mundo paralelo de vida futura. Corra de volta, antes que se perca tempo demais.

Tenha metas claras de vida, para que aproveite melhor seus dias. Algo que pode ajudar são as lives de fim de ano do Dr. Ítalo Marsili. Veja aqui a primeira parte e aqui a segunda.

Precisamos acordar do nosso egoísmo e começar a viver para ser muleta aos outros, e ao mesmo tempo abandonar nossas próprias muletas que nos servem de desculpas para não sermos melhores pessoas hoje. Siga o lema do Dr Ítalo: Trabalhe, sirva, seja forte e não encha o saco.

(via Modéstia e pudor)