Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

A verdadeira história de Santo Antão e suas lutas contra o diabo

Santo Antão x desfile carnaval
Bautista Mayno (Domínio Público) / Captura de Tela YouTube (Reprodução)
Compartilhar

Os combates relatados por seu biógrafo Santo Atanásio são bem diferentes da suposta “releitura” encenada no sambódromo de São Paulo

O desfile da escola de samba Gaviões da Fiel, no carnaval de 2019 em São Paulo, apresentou contradições que passaram muito longe de ser engolidas pelos cristãos ofendidos por cenas como as de um demônio em postura triunfante sobre o corpo caído ao chão de um passista caracterizado como Jesus Cristo. A escola alegou tratar-se de Santo Antão, o que não confere sequer com a própria representação do santo em um carro alegórico exposto no mesmo desfile.

carnaval 2019 Santo Antão Jesus
Captura de Tela / YouTube (Reprodução)
Segundo a "justificativa" da escola de samba, estas duas figuras seriam a mesma pessoa: Santo Antão

Além do mais, o próprio intérprete do personagem derrubado pelo “diabo” chegou a declarar, em vídeo bastante compartilhado nas redes sociais, que estava representando Jesus. A reação dos cristãos ofendidos foi retumbante, como se constata neste artigo:

Leia também: Padres Zezinho e Gabriel Vila Verde reagem a desfile blasfemo da Gaviões da Fiel

O verdadeiro Santo Antão

O nome “Antão” é uma versão menos comum de outro nome bastante conhecido: Antônio. Os dois significam a mesma coisa: “florescente“, “aquele que floresce” (do grego “ánthos”, flor). Aliás, na Igreja católica, que celebra Santo Antão no dia 17 de janeiro, este santo que viveu entre os séculos III e IV é também chamado de Santo Antônio Abade. Ele é considerado o pai dos monges cristãos e um elevado modelo de espiritualidade ascética.

Antão nasceu no Egito em torno do ano 250, numa rica família rural. Quando perdeu os pais, o jovem de 20 anos dividiu os seus bens com os pobres e se retirou ao deserto para uma vida penitencial como eremita, chegando a viver junto a um cemitério para se aprofundar na meditação sobre a morte derrotada por Jesus. A inspiração para a renúncia ao mundo lhe tinha vindo durante uma Santa Missa, quando em seu coração se destacaram estas palavras de Jesus:

“Se queres ser perfeito, vai, vende tudo o que tens e dá-o aos pobres”.

As Escrituras, a propósito, eram fonte perene de diretrizes práticas para Santo Antão. Seu trabalho manual, por exemplo, era incentivado por palavras claras de São Paulo (que, aliás, precisam ser recordadas em alto e bom som para as sociedades de todas as épocas):

“Quem não quiser trabalhar não tem direito de comer” (2Ts 3,10).

Não é à toa que ele é também venerado como padroeiro pelos tecelões de cestas, fabricantes de pincéis, açougueiros e trabalhadores da manutenção de cemitérios.

Santo Antão

O testemunho de Santo Atanásio

Santo Atanásio, que escreveu sobre a vida de Santo Antão, observa que o eremita usava apenas o que de fato precisava, doando qualquer excedente aos necessitados.

A certa altura, ele começou a organizar comunidades de oração e trabalho, mas acabou retornando ao deserto, numa espécie de harmonização entre a vida solitária e a direção de um grupo de eremitas que viviam nas proximidades. Tornou-se amigo de São Paulo Eremita (que, obviamente, não deve ser confundido com São Paulo Apóstolo – até por conta da grande diferença de épocas em que viveu cada um). Foi a partir dessa organização de grupos de eremitas que Santo Antão se tornou um dos pioneiros do monaquismo cristão – e é daí que lhe vem o epíteto de “Abade”.

Os combates contra o diabo

Santo Atanásio relatou episódios significativos da vida do monge, inclusive alguns que envolviam manifestações do diabo procurando tentá-lo:

“Quando visitávamos Santo Antão nas ruínas onde vivia, escutávamos barulhos, muitas vozes e o choque de armas. Também víamos que, durante a noite, apareciam bestas selvagens. O santo as combatia mediante a oração”.

SAINT,ANTHONY,ABBOT
PD
Santo Antão, em pintura de Fra Angelico

Aos 35 anos, Santo Antão decidiu passar certa noite sozinho num túmulo abandonado. Foi então que lhe apareceu um grupo de demônios que o feriram. Os arranhões chegaram a impedi-lo de se levantar do chão e o ermitão testemunhou que a dor causada pela tortura demoníaca era incomparável a qualquer ferida provocada pelo homem. No dia seguinte, um amigo o encontrou e começou a conduzi-lo até uma povoação para tratá-lo, mas, nesse meio-tempo, o santo recuperou plenamente os sentidos e pediu que o amigo o levasse de volta ao túmulo, onde gritou para o diabo:

“Sou Antão e estou aqui. Não fugirei às tuas chicotadas e nenhuma dor ou tortura me separará do amor de Cristo”.

Santo Atanásio prossegue o relato dizendo que os demônios de fato retornaram. Escutou-se então uma potente trovoada que sacudiu os arredores. Os demônios em seguida saíram das paredes em formas monstruosas de animais e répteis, deixando o local repleto de lobos, leões, leopardos, touros, ursos, serpentes e escorpiões, que, juntos, emitiam sons aterradores e atacavam o monge. Antão os enfrentou:

“Se tivésseis algum poder, bastaria que só viesse um de vós. Como Deus vos criou fracos, porém, quereis assustar-me com a quantidade de demônios. E o que comprova a sua fraqueza é que adotastes a forma de animais irracionais. Se tiverdes recebido poder contra mim, atacai-me sem demora. Se não sois capazes, entretanto, por que me perturbais em vão? Porque a minha fé em Deus é o meu refúgio e a muralha que me salva de vós”.

O teto abriu-se então e uma luz fulgurante encheu o túmulo, fazendo desaparecerem os demônios e cessarem as dores de Santo Antão. Quando percebeu que Deus o salvara, o monge rezou:

“Onde estavas? Por que não apareceste desde o início e me livraste das dores?”.

Deus então lhe respondeu:

“Antão, Eu estava ali, mas esperei para ver-te lutar. Vi como perseveraste na luta e não caíste. Estarei sempre pronto a socorrer-te. O teu nome será conhecido em toda parte”.

O monge se levantou e orou e recebeu tanta força de Deus que sentiu-se muito mais forte que antes.

É assim, afinal, que o cristão se levanta depois de vencer com Deus mais um ataque: mais forte do que antes.

Leia também: Oração a Santo Antão Abade para pedir sabedoria

 

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.