Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Cadastre-se e receba Aleteia diretamente em seu email. É de graça.
Receber

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

13 de março: há 27 anos, a Beata Irmã Dulce partia para a Casa do Pai

Domínio Público
Compartilhar

O "Anjo Bom da Bahia", que dedicou a vida toda a cuidar dos pobres e doentes, está hoje em processo de canonização

No dia 13 de março de 1992, a hoje Beata Irmã Dulce partia desta vida rumo ao Abraço Eterno do Pai, aos 77 anos, amada e admirada por todo o Brasil devido à dedicação da vida inteira aos pobres e doentes, em especial na Bahia, sua terra natal.

Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes nasceu em Salvador no dia 26 de maio de 1914 e, desde a infância, começou a ajudar pessoas carentes na porta da própria casa, que chegou a ser apelidada de “Portaria de São Francisco”.

Em fevereiro de 1933, entrou na congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição da Mãe de Deus, em São Cristóvão, no Estado de Sergipe, adotando o nome de Irmã Dulce em homenagem à sua mãe, falecida quando ela tinha apenas 7 anos.

Retornando a Salvador em 1935, iniciou seu trabalho de ação social e caridade cristã em favor de comunidades pobres como a de Alagados, um conjunto de palafitas no bairro de Itapagipe. Em 1939, encheu um velho galinheiro situado ao lado do convento com os primeiros 70 doentes aos quais passaria a se dedicar em paralelo à assistência aos pobres. Foi o nascimento das Obras Sociais Irmã Dulce, uma instituição que hoje realiza 4 milhões de atendimentos ambulatoriais por ano.

Popularmente conhecida como “o Anjo Bom da Bahia“, Irmã Dulce foi indicada ao Prêmio Nobel da Paz em 1988 pelo então presidente José Sarney, com o apoio da Rainha Sílvia, da Suécia.

Em 22 de maio de 2011, foi beatificada pelo Papa Bento XVI, sendo a sua festa litúrgica celebrada em 13 de agosto, data em que recebeu o hábito da congregação. O processo de canonização prossegue, dependendo agora da comprovação de mais um milagre atribuído à sua intercessão.