Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Moçambique, horror aliviado em família: “Não me perdoaria por estar longe deles”

Marcelino Francisco YouTube
Marcelino Francisco / Captura de Tela YouTube
Compartilhar

Jovem moçambicano voltou do Brasil para casa uma semana antes da catástrofe e compartilha vídeo com desabafo sobre sentimentos desencontrados

Marcelino Francisco é um jovem moçambicano que, aos poucos, tem se tornado conhecido no Brasil graças ao seu canal no YouTube, no qual compartilha fatos e curiosidades da sua terra e do seu povo. Embora geograficamente distantes, Brasil e Moçambique são ligados por muitos aspectos culturais em comum – entre os quais o fato de falarmos português.

No mês passado, Marcelino conseguiu patrocínio para visitar o nosso país e gravar diversos vídeos para o seu canal em cidades brasileiras.

Cerca de uma semana depois de retornar a Moçambique, ele vivenciou, junto com sua família, uma das mais aterradoras catástrofes naturais de toda a história da sua nação: o ciclone Idai, que devastou regiões não apenas de Moçambique, mas também dos vizinhos Zimbábue e Malauí. O ciclone chegou a destruir nada menos que 90% da segunda maior cidade moçambicana, a Beira, justamente onde vive Marcelino. Estima-se que mais de 1.000 pessoas tenham morrido no país.

Depoimento

Por meio do vídeo a seguir, gravado e postado com dificuldade por causa do colapso das redes elétrica e de telecomunicações, ele desabafa sobre os seus sentimentos desencontrados: por um lado, a sensação de “arrependimento” por ter voltado do Brasil, mas, por outro, e muito mais forte, o alívio de poder estar junto com a sua família, ao lado do seu povo, em um dos momentos mais tristes, assustadores e desafiadores da sua trajetória.