Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

O médico que deixava dinheiro debaixo dos travesseiros dos pacientes pobres

MARIA MULLERAT
Compartilhar

Ele foi fuzilado durante a guerra civil espanhola por causa de sua fé

Mariano Mullerat foi um médico amado por seu povo e por sua família. Ele trabalhava em Arbeca, Espanha, onde nasceu sua mãe. 

De acordo com a filha dele, ele amava os pacientes e, quando  a família do doente era pobre, o médico deixava dinheiro debaixo do travesseiro. 

Além disso, Mariano era muito religioso. Na casa dele, mandou construir um pequeno oratório com um crucifixo. 

“Nós, suas filhas, temos o prazer de venerar esta imagem. Toda noite, antes de irmos para a cama, sentimos como se um ímã nos aproximasse daquele Cristo. Rezamos, damos graças e refletimos sobre como foi o nosso dia”, revela uma das filhas do médico. 

A família também costumava rezar o terço e o pai lia sempre uma passagem de um livro de Santo Afonso Maria de Ligório. 

Sem pertencer a nenhum partido político, 

Mariano Mullerat foi eleito prefeito de Arbeca. Em seu mandato, entre outras ações benéficas à população, instalou calçadas nas ruas e entronizou o Sagrado Coração de Jesus na prefeitura.

Durante a guerra civil espanhola, em 1936, foi ameaçado de morte. Mullerat pensou em mudar-se para Zaragoza. Mas lembrou que seus doentes ficariam abandonados e desistiu da ideia. 

Diz sua filha: “Como católico fervoroso e uma pessoa cheia de amor pela profissão, ele ajudava todos os necessitados”.  

A filha ainda lembra que, em 13 de agosto de 1936, às seis horas da manhã, a avó dela disse que era para todos saírem de casa porque tinham ido buscar o pai. Cerca de 25 guardas estavam na rua e cinco entraram e reviraram toda a casa. “Meu pai quis beijar o crucifixo. Um guarda o seguiu e ficou impressionado com a imagem. Tanto que quando os outros quiseram entrar, ele não deixou. Foi assim que o crucifixo o salvou”, disse a mulher. 

Adela Mullerat ainda conta: “Nós nos reunimos na entrada da casa para dar adeus ao meu pai. No bolso dele, ele levava um crucifixo e alguns remédios. Um deles serviu para curar um de seus perseguidores, que ficou ferido ao disparar a amaram de fogo”. 

O médico foi colocado em um caminhão e levado. Ao passar na frente do quartel da Guarda Civil, uma mulher lhe pediu uma receita para seu filho, e ele deu. O pai do menino era um guarda. Durante o percurso do caminhão, pediu aos que o acompanhavam que rezassem pois a vida deles estava ficando curta. 

Depois que foram retirados do caminhão, os guardas os fuzilaram em uma estrada. Naquele dia, seis famílias perderem seus entes queridos, que deixaram 13 órfãos. 

Mariano Mullerat foi beatificado em 23 de março de 2019. A causa da beatificação durou 15 anos e foi concluída depois de longas investigações para provar que ele morreu em nome da fé. 

São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.